Papai não quiz Pagar o taxi, cheguei gozada em casa

Olá! O que vou contar aconteceu comigo de verdade e mudou um pouco minha vida. Sou casada, tenho 26 anos e meu marido 40. Tenho 1,64 de altura e peso cerca de. 78 kgs, sim estou a cima do peso, ganhei quilinhos logo após minha gestação rsrsrsrs, contudo, tenho pernas grossas e torneadas bumbum carnudos e minha a pépéca é pequena e carnuda. Meu marido ama me chupar. Rsrsrsrs.
Meu pai é caminhoneiro e por viajar muito ele conhece muitos postos de gasolina onde para pra descansar, dormir e tal. certo dia ele precisava que com urgência eu fosse até o posto onde ele estava para pegar o IPTU do terreno pra eu pagar pois havia vencido, o posto fica próximo da cidade mas ele não queria tirar o cavalo da carreta para ir a cidade, achou mais fácil pagar um taxi.

Sexo Por Telefone

Chegando lá peguei o documento e meu pai, mão fechada como sempre, dispensou o táxi. Bom, não entendi nada! vejo ele conversando com um homem, sinceramente não lembro direito dele, só que ele era mais alto que meu pai, entre 1,80 e1,90 talvez, um pouquinho barrigudo corpo de homem. Eu estava vestida simples, de banho tomado, calça tipo montaria, bota, blusão de lã e um casaco. Meu pai me chama, pensei comigo, não acredito que ele vai fazer isso, e fez!
Pediu para o homem, disse que era amigo de, que me desse carona até a cidade já que ele passaria lá e estava sem a carreta.
Bom, meu pai tinha dispensado o taxi, já estava noite, frio e ainda chovendo, tive que aceitar.
No caminho a estrada estava escura, só dava para ver as luzes do painel do caminhão e os faróis dos carros, Aquecedor ligado e clima até que agradável, adoro viajar de caminhão, mas o homem estava mexendo nas calças o tempo todo, olhei de rabo de olho e vi que ele mexia no pênis mas não parecia se masturbar ou coisa do tipo, ele parecia estar incomodado com algo além de não parar de olhar para minhas pernas. Seguindo viagem e quase chegando na minha cidade ele perguntou onde eu morava, eu disse que não precisava se incomodar, ele disse que não tinha problema pois iria passar por dentro da cidade mesmo e como estava só com o cavalinho “parte da frente do caminhão sem carreta” não iria ser problema, Concordei e disse o caminho.
Chegando lá ele passar um pouco do meu predio que é de esquina e estaciona atrás, onde realmente só tinha vaga, minha rua é escura e pouca movimentada por si só, a noite, num dia chuvoso e de muito frio na serra gaúcha, já viu né, não tinha ninguem. Agradeci e estiquei a mão para comprimento-lo, ele pegou na minha mão com aquelas mãos grossas e me puxou para me dar um beijo na bochecha, achei até simpático rsrsrs, ele me cumprimentou e disse que eu estava muito cheirosa, fiquei sem graça e disse que era o champoo e que tinha acabado de lavar o cabelo. Ele disse legal, que tinha acabado de tomar banho no posto.
Bom, agradeci de novo a carona. Ele disse segurando firme minha mão. Sabe, estou a mais de 50 dias na rua sem voltar para a casa, essa greve “dos caminhõneiros” atrasou muito minha viagem e estou a esse tempo todo sem ver uma mulher. Vc não quer fazer uma coisa pra mim?
Nessa hora fiquei sem ação. Ele continuou e disse, só segura no meu pal e bate uma punhetinha para mim, coisa rápida. Fiquei gelada! Nessa hora ele pegou um facão debaixo do banco, colocou em cima do painel do caminhão, recolheu o volante ficou em pé e veio na minha direção pra puxar a cortinha da cabine. Ficou muito escuro, só deu para ouvir ele baixando as calças, eu tremia, aí ele pegou na minha mão e colocou no pal dele, quando senti aquele pal falei, tô fudida! Era no mínimo o dobro do o meu marido, minha mão nem fechava em volta.
Tentei argumentar, vc é amigo do meu pai! Ele disse, nunca vi seu pai na vida, só passamos uma hora conversando. Pensei comigo, claro! Só podia ser meu pai.
Eu estava ali, sozinha, com um facão do lado, um homem da quele, que devia ter a idade do meu pai ou um pouco mais novo em pé, pelado e com um pal da quele tamanho, duro como uma rocha a mais de 50 dias sem comer mulher. Comecei a punhetar aquele pal de vagar, ele mandou eu segurar com as duas mãos, eu devia ter 4, duas pro pal e duas pro saco. Ele começou a gemer na minha frente e pior que tenho muito tesao por homem que gosta de gemer, aquilo até que estava ficando intrigante, eu segurando no pal dele com as duas mãos desciiiia até o saco e depois subiiiia até a glande ele já estava soltando muito líquido e tinha o saco grande com dois ovões, eu só estava comendo dele gozar no meu cabelo e me sujar toda, mas aí ele resolveu esse meu problema quando começou a encostar o pal no meu rosto e me mandou chupar.
Eu não queria, adoro! Mas não queria pois não o conhecia, e nem estava vendo o que eu ia por na boca estava escuro. Só sabia que era grande, muito grosso e cabeçudo, com minha boca pequena eu nem ia conseguir chupar mesmo. Bom, nada que uma forçada não ajude rsrsrs. a gente nem sabe o quanto nossa boca pode abrir. Comecei a chupar devagar, segurando com uma mão o pal e a outra as bolas, comecei a me esforçar pra ver se ele gozava logo, aliás, até que estava gostoso sentir aquele cheiro de homem, aquele cheiro de rola… Eu Chupava, passava a língua na cabeça e tal, meu rosto todo o babado mas sentia que ele não estava curtindo muito, até porque eu só conseguia chupar a cabeça. Ele desceu a mão por dentro da minha blusa e segurou no meu peitinho, eu deixei pois podia ajudar a ele a gozar mais rápido, além do mais, o que é uma não no peito se o cara já está com o pal na sua Boca? Pois é, usei o mesmo raciocínio quando ele se abaixou e levou sua mão até minha xaninha por fora da calça. Depois de uns segundos ele me pegou pelo braço e me levantou, resisti um pouco apertando o seu pal com a boca mas não deu. Ele botou a mão por dentro da minha calça e começou a passar a mão na minha buceta e eu tentando segurar o tesao e o pal dele ao mesmo tempo. Até que de uma vez só ele baixou minha calça montaria com calcinha e tudo até a altura das botas. Perguntei pra ele o que ele ia fazer e pedi para não me machucar mas ele disse que só iria me chupa, me jogou na cama do caminhão, tirou uma das pernas da minha calça abrindo minhas pernas e tendo acesso livre a minha buceta, começou a me Chupar, lambendo igual a um cachorro, sua língua tapava minha xota toda de virilha a virilha, até aí eu estava com muito tesao mas ainda sim sob controle, ele a beijava, mordia, Chupava forte e finalmente achou meu ponto fraco, pontinha da língua no clitóris, aí se foi o boi com as cordas, a perna tremeu, o gemido saiu e o líquido desceu. Torci para ele não o ter percebido mas ele se concentrou ali, ficou claro que ele percebeu, fiquei me contorcendo na cama, mas minha perna me entregava e ele começou a meter a língua na minha buceta e sugava o que saia dela. Eu ali já estava praticamente entregue. Foi quando ele pulou pra cima de mim, eu disse! Nã não! Pe pera! É ele já pincelando a cabeça do pal na minha xota toda molhada. Só pedir para ele ir devagar e gozar fora. Ele falou pode deixar. ficou pincelando e forçando a cabeça na minha xota e eu estava comedo dele machucar com a quela rola. O pal dele tinha a cabeça grande mas o meio do pal parecia ser mais grosso. Ele foi metendo a cabeça e eu sentia minha pele se esticando, estávamos muito molhados e essa foi minha sorte pois ajudou na penetração. Na 1° metida ele foi até um pouco alem da metade e eu já sentia ele tocar no fundo e minha perna direita tremendo muito e a unica vez que isso aconteceu foi nas primeiras vezes que transei com meu marido quando começamos a namorar. Na 2° metida ele já se jogou totalmente por cima, nesse momento abri mais minhas pernas para receber melhor e me machucar menos, ele me segurou pelos ombros e meteu tudo até eu sentir o saco dele bater na minha bunda. Minha bucetinha peidou e me arrancou um Gemido sem eu querer, pedi para Ele tirar e ele ficou parado e o pal latejando dentro da minha buceta quando tirou parecia que ia arrancar meu útero junto. A 3° metida foi mais rápida e intensa . Na 4° metida eu sabia que ele tinha gozado antes mesmo de soltar os gemidos. O primeiro jato veio forte e extremamente quente, ele tirou e na 5° metida mais um jato forte e quente, minha perninha tremia e eu gemendo de prazer e tesão, na 6° outro jato forte, longo e quente. Comecei a me assuste e pensei que ele estivesse mijando dentro de mim, nunca havia sentido isso.
Na 7° ele ficou com o pal dentro acho que dando várias gozadinhas. Ficamos assim por algum estantes e Falei pra ele para que não gozasse dentro ele virou e disse que eu merecia cada gota e que nem tentou tirar! É estava eu lá na cabine de um caminhão deitada em baixo de um homem que nunca tinha visto de pernas a Berta, arrombada e cheia de porra, não sei o que aconteceu, mas eu estava com muito calor, uma quentura, acho que foi a temperatura do esperma dele que me deixou assim. Foi quando ele tirou o pal de dentro mim e sentir aquele ar frio entrando na minha buceta, aí tive a certeza de ter sido alargada por aquele homem.
Ele levantou e ficou em pé eu sentei na beira da cama e não sei porque caralhos eu segurei no pal dele e dei duas punhetadas, eu estava muito excitada verdade mas foi um reflexo sei lá. Bom, foi o suficiente para ele pegar na minha mão e me lançar a cama de novo, sem nenhum esforço confesso, já caí de 4 toda arribitada espondo o máximo possível minha buceta pra receber aquela rola. Ele abriu minha bunda e enfiou a língua no meu cu. Eu disse aí não ele sorriu e disse tá bom. Botou o pal ainda meio mole em cima da minha bunda fazendo movimentos de vai e vem o pal cobria toda minha bunda até minha cintura e o saco batendo no meu cu.
Ele cuspiu no pal e começou a penetra na minha buceta, foi entrando bem gostoso, indo até o fundo e continuou metendo e eu rebolando na quela rola conforme ele ia botando eu rebolando só que dessa vez ele não gozou nem na 4°, nem na 5° e nem na 6° metida não Ele ficou socando e começou a segurar bem forte no meu quadril, mas bem forte de forma que eu nem conseguia sair da quela posição la pela 20° pirocada o rola dele já estava bem dura me incomodando já o útero as bolas batendo ora no meu clitóris ora nas minhas pernas e ele num ritmo frenético e eu presa pelas mãos dele só conseguia gemer e sacudir a cabeça batendo com a cabeça no caminhão, ele me puxou pelo cabelo até o corpo dele e botou a mão a minha buceta aí eu gozei, gozei muito gritei uma porção de putaria. Ele perguntou se eu gostei, eu disse que muito, me chamou de puta me empurrou de 4 de novo me segurou bem forte pelos quadris e disse agora aguenta! Comecou a meter mais rápido com força e sem dó alguma ele metia tão forte que até meus dentes batiam, certeza que alguém que passasse perto do lado de fora ouvia ele me comendo, comecei a não aguentar mais e pedia, quase implorando para ele gozar logo. Ele começou a geme alto metendo e gozando a ter finalmente parar, ficamos ali na quela posição eu de 4, dolorida, com a cara no cochão sem ação e sem sentir minhas pernas e ele debruçado e apoiando nas minhas costas com a rola latejando dentro da minha buceta.
Depois de um tempo assim ele tirou o pal de dentro de mim e disse que queria mais. Hum! Dei um pulo já vestindo a calcinha e a calça e bota junto disse chega que tenho que ir para casa. Ele sorriu e disse que também tinha que ir pra casa pra comer a mulher dele. Me deu seu telefone e nos despedimos.
Desci do caminhão meio atordoada, fui atravessar a rua e me veio o primeiro dilúvio de esperma enchendo minha calcinha de porra, gelei! Geralmente consigo conter mas por mais que eu tentasse não conseguia e era muita porra e minha buceta estava sem forças. Passei pela portaria comprimentei o porteiro e fui apressando o passo, quando levantei a perna pra subir a escada outro dilúvio. Abri a porta de casa e graças a Deus que estava tudo apagado, meu marido devia estar colocando nosso filho pra dormir. Fui de mansinho pro banheiro e tranquei a porta.
Quando baixei minha calcinha minha calça e minha calcinha eram só esperma. Isso me deu muito tezao! Fiquei loca com aquele cheiro sentei no vaso abri as pernas e comecei a me masturbar a te dá outra gozada maravilhosa. Tomei meu banho e fui dormir.
Acordei feliz, dei uma corridinha no banheiro pois tinha um pouco de porra escorrendo e me coloquei um absorvente. Eu estava me sentindo linda e maravilhosa, minha pale parecia ser outra e eu estava nas nuvens, meu marido perguntou o que eu tinha feito que eu estava tão bonita.. Mas aí ele perguntou onde eu tinha batido. Vi uma mancha roxa na minha cirtura e no reflexo respondi que tinha sido quando eu desci do caminhão do meu pai. Votei para o banheiro e me dei conta da merda estavam lá praticamente os dez dedos da marca da mão daquele homem.
Não a nada tão ruim que não possa piorar. Minha mãe bateu na porta e queria leva seu neto para passear, foi só ela fechar a porta que meu marido pulou em cima de mim, beijo na boca, boca no peito e eu desesperada sem saber oque fazer.
Falei pra ele só se for uma rapidinho no quarto, luz apagada! Ele já foi me empurrando pro quarto me jogou na cama, tirou minha calcinha… Pensei comigo, ele vai me chupar! Teitei impedi-lo mas não deu. Ele levantou a cabeça e disse sua putinha já está toda molhada. Kkkkkkkk falei isso amor chupa tudo!!! Depois transamos muito gostoso e ele gozou muito dizendo que minha buceta estava muito gostosa e que parecia ter sido arrombado por outro homem.
Aí descobri que agora compactuamos do mesmo fetiche, que sou eu dando pra ele e para outro homem. Ele só não sabe.
E fim!

Disk Sexo

5 thoughts on “Papai não quiz Pagar o taxi, cheguei gozada em casa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *