Fodendo a Professora de Inglês safadinha

Meu nome é Eline. Sou loira, 1,64m, peso 56kgs., tenho um bumbum bem grande e uma cinturinha fina… Trabalho como professora de inglês em um curso na Região Serrana do Rio de Janeiro. Em uma das minhas turmas de conversação tem um aluno muito charmoso, vamos chamá-lo de Gustavo… Ele é bonito, sexy e muito simpático.
Desde o primeiro dia de aula rolou algo entre a gente… , mas sempre fomos profissionais e nunca tocamos no assunto, até um dia que nós conversamos pelo whatsapp… Nesse dia começou a pintar um clima mais quente.., mais sensual… ele teclava comigo com muito tesão e eu retribuia com o mesmo entusiasmo…kkk, acho que era um tesão reprimido por muitos meses…

Ele disse que sentia muita atração por mim, e que queria sair comigo…. Mesmo sabendo que eu era casada… Eu estava tremendo, mas também muito excitada só de estar imaginando a situação… , e ele também estava excitado… , pensava eu… Continue lendo Fodendo a Professora de Inglês safadinha…

Vovô tirando o meu cabaçinho

Modéstia parte, desde nova sempre tive um corpo que chamava a atenção de homens de toda idade. Muitos tinham idade pra ser meu avô, e mesmo assim me davam todos os tipos de cantadas… Até pra cama me convidavam. Eu fingia não dar bola, mas na realidade eu fantasiava muitos deles metendo na minha bucetinha, mesmo sem nunca ter visto um pênis de homem adulto… Só de criancinhas. Com dezesseis eu já tinha o mesmo corpo que minha mãe de 37 anos (1,65 m e 52 kgs). Cheguei a namorar um menino, mas só fiquei nos beijinhos… Meus pensamentos eram sempre com homens velhos. Mas foi quando meu avô materno (viúvo) saiu da roça pra ficar hospedado por alguns dias na nossa casa, enquanto tratava da venda do seu sítio é que minhas fantasias começaram a tornar realidade. Meu avô Ricardo tinha 62 anos e ainda era um homem forte: 1,80 m e +- 90 kgs. Como meus pais trabalhavam fora passei a ficar muitas horas do dia sozinha com meu avô, que, como todos os outros ficava me comendo com os olhos. Gostando de ser desejada dentro da minha própria casa, e sozinha com ele, coloquei uma saia curtíssima e fui ficar no sofá da sala fingindo ler uma revista. Vovô sentou no outro sofá e ligou a TV… Não demorou pra perceber seu olhar no meio das minhas pernas. Fingindo estar distraída com a revista fui abrindo minhas pernas o suficiente pra ele ver minha calcinha. De rabo de olho notei passando a mão sobre a bermuda, onde só podia estar seu pênis.- Que revista você está lendo, Juliana?…- Continue lendo Vovô tirando o meu cabaçinho…

Comendo o Cuzinho Virgem da Safada

Como eu comi o cuzinho virgem da ritinha. Vou contar o primeiro de muitos contos, vamos lá… Sento-me no sofá, mostro-lhe a vara endurecida de tesão, acaricio-a lentamente, Ritinha liga a música começa a dançar, aproxima-se de mim, passa a mão pelo corpo, provoca-me com um sorriso malicioso, passa a língua nos lábios, tira a calcinha devagar, mostra bucetinha pequena.

-Queres chupar?

Quero muito, respondo e continuo a acariciar a vara erecta com os olhos fixos na bucetinha que vai ser minha.

É uma deliciosa sensação, quando envolve com a boquinha a cabeça da vara e chupa a cabeça lentamente. Pressente que vou gozar e pára de chupar, levanta-se e avança para mim, como um animal faminto sugo aqueles dois lindos peitinhos ainda em formação. Salta para cima do sofá e abre os lábios carnudos da coninha, chupa… vá chupa! Continue lendo Comendo o Cuzinho Virgem da Safada…

Fodendo Gostoso no Escurinho do Cinema

Uma tempestade me apanhou no meio de uma caminhada pela Avenida Paulista. Fui me abrigar na Galeria Gemini. Parei numa cafeteria. A ideia, claro, era esperar a tempestade passar e seguir para meu compromisso. Mas a chuva só fazia piorar.

Ali no balcão, sem nada mais a fazer, comecei a conversar com as pessoas em volta, todas aparentemente na mesma situação. Foi a partir desse momento que a estória começou a mudar de rumo…

No meio de uns 3 ou 4 executivos gordinhos e carecas, havia uma luz que a destacava. Loira, vestida elegantemente num tailleur bege, a saia uns 10 centímetros acima do joelho, uma blusa de seda com dois botões abertos, numa discreta ousadia. Uns quarenta anos, com uma atitude segura, de quem parece saber sempre o que quer. Continue lendo Fodendo Gostoso no Escurinho do Cinema…

Transando com a faxineira vadia

Moro em uma casa de 460 metros quadrados (em Pelotas, como aqueles que já leram meus contos já sabem); Uma vez por semana vai uma faxineira para auxiliar a doméstica na limpeza “mais grossa”; Patrícia, a faxineira, deve ter uns 30 anos; é baixinha, um pouco feia de rosto mas conta com um corpo gostoso. Ela tem seios grandes, cintura moldada e a bunda também avantajada.

Numa das primeiras vezes em que ela começou a frequentar minha casa para fazer o serviço de faxina (isso há mais um menos meio ano), não sabendo que ela já estava em minha casa, eu desci apenas de cueca para passar uma camisa e me topei com ela na área de serviços. Fiquei assustado e com vergonha (ela também) e pedi desculpas. Logo subi, me vesti e sem mesmo fazer o dejejum, fui trabalhar. Continue lendo Transando com a faxineira vadia…

Minha Primeira vez com uma mulher casada safada

Sou Gabriel, tenho 22 anos e venho contar uma experiência que ocorreu alguns anos atrás. Não sou nenhum 10/10, tenho 1, 72 de altura, corpo normal, porém, tenho pernas grossas e um bumbum durinho que chama atenção de muitas mulheres. Em uma tarde andando pelo bairro parar ir jogar uma partida de futebol, vejo uma mulher nova na rua do lado da minha, era uma baixinha de 1, 60; pernas grossas, cintura fina, cabelos cacheados, olhos verdes e um bumbum empinado. Fui saber um pouco mais sobre aquela mulher, pedi para um amigo que morava na mesma que pegasse o número daquelas mulher (QUE MULHER!). Conforme meu pedido ele trouxe o número (não sei como), trocamos mensagem e se conhecemos um pouco mais. Nome dela era Juliana, e tinha 22 anos, eu já estava doido para dar uns amassos naquela mulher, descobrir que ela era casada, porém, gostava de umas aventuras. Ela me contava que o marido dela deixava a desejar. Logo pedi para ela vim até a minha casa, conversamos bastante e rolava uns olhares Continue lendo Minha Primeira vez com uma mulher casada safada…

O dia em que perdi a minha virgindade

Meu nome é Renata tenho 18 anos, estava louca pra perder a virgindade. Ficava vendo vídeos pornôs todos os dias, me masturbando e quando eu via algum homem na rua, minha buceta já alarmava. Eu tava subindo pelas paredes pra saber. Minha vizinha está reformando a casa dela e o pedreiro tem 50 anos, ficava me encarando. não dava 2 minutos ele já tava de pau duro e eu molhadinha, eu nem sabia o nome dele mas queria dar pra ele. Então fui na casa dos fundo que está pra alugar ele tava rebocando a parede da vizinha não tinha a chave da casa ficamos ali no corredor. Eu aticava ele, e ele me avisando que ia me comer, e quando ele falava em tirar meu cabaco eu ja ficava loca. Comecei a pegar no pau dele. Ele começou a ficar descontrolado, rapidinho ja tava duro, ele mandou eu ajoelhar e mamar o pau dele. Como eu não sabia ele foi me ensinando, pegando na minha cabeça pra frente e pra trás. Ele tava gozando ja. Minha calcinha tava encharcada. Até que ele mandou eu abrir as pernas e sentar em cima dos papelão e dos negócio de trabalho dele me lembeu … toda. Nunca senti tanto tesão na minha vida. Logo gozei. Ele tava latejando, e me perguntou se podia Continue lendo O dia em que perdi a minha virgindade…

Sexo com a empregada fogosa

Acordei naquele nível, louco para fazer um sexo gostoso, ali na cama comecei a mexer no meu pau, me punhetava devagar, afinal nada melhor que aquela bronha da manhã, foi que duma hora para a outra nossa empregada me surpreende, Janete estava com a gente a pouco tempo, mas era muito competente, ahh e dona de uma raba rsrsrs ela deve ter seus 40 anos, alta, bem conservada para sua idade.

Sou Andrew, tenho 20 anos e moro com meus pais, curso engenharia civil e sou de classe média alta, porém não sou igual esse playba que se acham e tal, sou na minha, adoro ficar na minha casa e curtir algumas aventuras da vida, agora voltando a cena com Janete, notei que ela estava bastante sem graça, afinal ela sabia que o filho dos seus patrões estava tocando uma punheta, tentei disfarçar, mas era inegável a vergonha dela, ou não…
Continue lendo Sexo com a empregada fogosa…