Primeira vez num clube BDSM

Através das salas de bate-papo de Sado-masoquismo fiz algumas amigas espalhadas pelo Brasil. Por conta do trabalho, tive que passar uns dias em uma reunião em São José dos Campos. Não resisti e reservei dois dias para ir a Sampa conhecer pessoas e lugares.

Uma amiga ficou de ir comigo ao Club Dominna, fiquei animadíssimo, mas para minha decepção ela me deu um fora, disse que não poderia. Mas a expectativa era muito grande em mim, e resolvi arriscar ir sozinho. Sair sozinho é um saco em qualquer lugar, mas ir a um clube BDSM pela primeira vez sozinho e sem conhecer ninguém, sem saber se conseguiria me enturmar com as pessoas, e admito com um certo receio.

Criei coragem, e fui. Entrei e me senti em um bar comum. A decoração era de muito bom gosto, sem exageros nem apelações, mas mesmo assim deixava claro o tema. As pessoas vestiam quase que exclusivamente preto, mas fora isso nada se diferenciava, sentei sozinho em uma mesa, uma linda garçonete se aproximou, pedi um drink. Ela me perguntou se era a primeira vez que eu estava ali, e se eu gostaria de ser apresentado as pessoas, ao invés de ficar bebendo sozinho. Adorei isso. Continue lendo Primeira vez num clube BDSM…

Castigos de uma escrava rebelde

Sou uma bela jovem de 21 anos, cabelos longos pretos e lisos até a cintura, um corpo escultural com um bumbum de dar inveja, conheci meu dono em um chat, por conincidência ele mora numa cidade que é ao lado da minha, conheci a aproximadamente uns 4 meses, nesse tempo conversamos sobre sado e trocamos experiências mas tudo não passava do telefone, tivemos apenas um encontro onde pude conhece-lo pessoalmente pois até então só ele me conhecia por fotos e cam, nesse encontro tudo ocorreu mais ou menos naturalmente, levei uns belos tapas na cara por algumas desobediencias e uns puxões de cabelo mas não passou muito além disso. Meu dono é bastante experiente com 28 anos, tinha e tenho até hoje medo dele por isso nunca marcava um novo encontro mesmo com muita vontade e tesão de vê-lo. Um belo dia ele não suportou mais minhas desculpas de não encontrá-lo e marcou nosso segundo encontro, me mandou torpedos dizendo o local e a hora que me encontraria, confesso que aquilo me deixou bastante exitada Continue lendo Castigos de uma escrava rebelde…

Advogada sadomasoquista

Advogada Sadomasoquista Me chamo Isabella, tenho vinte e oito anos, sou loira de olhos castanhos claros, possuo um corpinho muito bem malhado e sou casada. Achei super interessante os contos eróticos relatados neste maravilhoso site. Há alguns meses escrevi algumas das minhas melhores aventuras para uma revista pornô, e venho recebendo cartas de elogios daquela revista até hoje. Decidi então contar um relato para este site, espero que gostem. O meu marido o Roberto, desde que nos casamos, nunca me satisfez na cama. Ele se esforça muito para conseguir gozar, as vezes tenho que ficar durante quatro horas direto com ele na cama, buscando as posições mais diversas na tentativa de ver um pingo de esperma sair daquele pau pequeno. Acreditem é uma coisa terrível. Mas felizmente o que me prende a ele é a generosidade, o respeito, o carinho, a ingenuidade e é claro a sua “grande fortuna”. Em prol deste fator, a anos que dou umas escapadas com algumas amigas e as vezes sozinha, buscando o sexo perfeito com diversos tipos de homens que encontro. E ele nunca soube de nada Vou lhes contar minha ultima transa. Trabalho numa defensoria pública, apesar do Continue lendo Advogada sadomasoquista…

Fiz meu namorado de escravo

Oi pessoal, esse é meu primeiro conto e espero que gostem. Meu nome é Gabi tenho 17 aninhos, tenho 1,72 sou morena com peitos médios e com uma bunda bem redondinha, tenho coxas muito grossas.. Resumindo sou bem cavalona.
Meu namorado tem 21 anos e é muito gostoso e pervertido. Ele adora que eu inove, faça coisas diferentes e talz. Eu sempre sou muito submissa, mais esse dia resolvi mudar..
Um certo dia fui trabalhar normal, e quando saí do serviço fui direto pra casa dele, tinha trabalhado o dia inteiro e tava um calor danado, aí cheguei e chamei ele direto pro quarto, ele me obedecendo foi. Lá fui empurrando ele e o mandei deitar no chão de barriga pra cima, ele se entender me obedeceu, coloquei meus pés no peito dele, eu estava com uma rasteirinha e tinha entrado bastante terra, portanto meus pés estavam imundos, ele ficou com um pouco de nojo mais como ele é podolatra ficou admirando meus pezinhos..
E eu logo falei: não é pra ficar só olhando, quero ver você limpando tudinho.. é para deixar meus pezinhos beem branquinhos.
Coloquei o pé na boca dele e ele começou a chupa-los, como ele é muito pervertido ficou muito excitado com aquilo, sentindo aquele cheiro forte de suor, e sentindo aquele gosto de sujeira o pau dele foi logo ficando duro, então ele começou a me puxar para sentar no kct dele.. Continue lendo Fiz meu namorado de escravo…

O dia em que Max virou objeto de tortura

Estava trabalhando, depois de terminar um pedido super difícil precisava distrair um pouco, comecei a navegar por sites adultos até encontrar um bem interessante sobre mulheres que fazem uma espécie de tortura nos membros dos caras, lá foram chamam de CBT, cock and ball torture, que aportuguesando fica algo como tortura de pau e bolas, é uma coisa que acho muito interessante, fiquei olhando as imagens e alguns vídeos, até ai sem novidades, quando resolvi tomar um café para continuar a trabalhar, ao me virar percebi que uma moça de outro departamento estava me olhando através de dois armários que ficavam atrás de mim, gelei, será que ela viu o site que eu estava olhando? Se ela viu e contar pra alguém pode me complicar na empresa… mas agora também eu não tinha muito o que fazer a não ser esperar.

Passou um tempo, aquele episódio caiu no esquecimento e lá estava eu de novo relaxando entre um pedido e outro, era de manhã ainda e abri outro site que também falava de CBT e comecei a navegar, quando me veio na memória a lembrança do possível fraga que tomei e me virei imediatamente, não sei se foi exatamente surpresa, mas lá estava a moça me observando, quando a olhei ela vez sinal com o dedo me chamando, levantei e fui em sua direção, quando me aproximei ela saiu andando e olhou para trás como pedindo para eu segui-la, fomos até uma das muitas salas do andar, quando entrei ela fechou a porta logo atrás de mim e disse “quer dizer então que você gosta de CBT? Me encontre na sala do almoxarifado hoje às 17h em ponto, e não seja besta de não aparecer ou todos vão saber o que você anda fazendo entre um serviço e outro”. Virou as costas e saiu. Continue lendo O dia em que Max virou objeto de tortura…

Humilhada pela empregada

Olá, meu nome é Amanda, e vou contar algo que me aconteceu e que continua até hoje e é meu desespero.

Tudo começou tem uns 6 meses e vivo esse drama na minha vida e não sei onde isso irá parar, nunca pensei que viveria coisa parecida eu que sempre fui certinha e sempre preservei minha imagem. Bom tenho 19 anos e não sou mais virgem mas também sá transei com meu ex namorado e nunca fui assim de sair com qualquer pessoa e como falei sempre me preservei.

Sou loira, cabelo liso natural pois sou neta de holandeses e tenho 1,69 com 54 kg seios tipo tacinha e olhos azuis, sei que chamo a atenção pelo meu tipo e sei que desperto olhares ainda mais que sou super clarinha.

Eu sou filha única e meus pais quase sempre viajam e fico em casa pois moramos em um belo condomínio em São Paulo, uma casa de dois andares super boa e temos até piscina onde uso pouco. Temos uma empregada negra e foi com ela que começou todos meus dramas até hoje que estou vivendo, pois estou na mão dela e ela passou a me dominar e chantagear. Continue lendo Humilhada pela empregada…

Perdendo a virgindade de forma humilhante

Eu sou lucas, tenho 18 anos anos e vou contar como perdi a minha virgindade no final do ano passado. Havia terminado o terceiro ano do ensino médio, particularmente eu era um aluno excluído que sofria muito bullying e era perseguido, o fim da escola para mim significava a saída do inferno. Tinha terminado a escola e estava no período de férias, mas tinha uma festa de despedida na casa de campo de um dos alunos, eu não pretendia ir mas a garota mais linda da sala me chamou e eu gostava dela, então aceitei. Afinal eu era um loser, fracassado e indefeso, mas era um cara bonito, magro, de olhos verdes e cabelo curto, talvez eu teria alguma chance com ela. A festa começaria a tarde e iria até o dia amanhecer, notei apenas duas mulheres que não eram da turma e não lembrava delas na escola, aparentavam ter uns 20 e poucos anos. Quando era umas 16h horas, um cara que sempre me sacaneou e infernizou na escola, chamado Douglas, chegou com o grupinho de amigos e me levou para o meio de todo mundo, eles pediram para eu dobrar meus braços e colocar dentro da manga da camisa. Eu não quis mas eles começaram a prender meu braço na manga da camisa a força, e quando conseguiram me colocaram em pé no meio de uma mesa de centro. Foi tudo muito rápido, Douglas chamou todo mundo e disse que eu tinha algo para mostrar, então ele desceu a minha calça junto com a cueca na frente de todo mundo. Continue lendo Perdendo a virgindade de forma humilhante…

Minha primeira vez como submissa

O combinado era, se ficar insuportável, diga ‘azul’. Eu estava entrando em um ambiente inédito. Eu confiava nele, acredito que se percebesse que estava me machucando, ele pararia. A preocupação seria o excesso de empolgação, e se ele não me ouvisse?

Eu mesma me despi enquanto ele ajustava as cordas. Amarrou em cada lado da cabeceira da cama, me deitei com a barriga pra cima e ele tomou um dos meus braços e me amarrou, não tinha mta folga e o movimento do meu braço ficava bem limitado, ele fez a mesma coisa no outro, só que deixou um pco mais folgado permitindo que eu me virasse de bruços tb. Essa posição já me causava excitação, não conseguia me desvencilhar, não tinha como escapar.. Meus seios ficavam totalmente disponíveis, ele aproveitou e mexeu neles. Sem perder o foco, partiu pras minhas pernas. Do jeito que ele amarrou eu conseguia dobra-las e mexer minha cintura pra um lado e outro. Então ele soou a frase ‘vc tá fudida, vc nao sabe o q eu vou fazer com vc, vc vai chorar, vc vai sentir dor, vc vai apanhar sua safada!’, eu nao vi mta graça nessas palavras, acho q eu já estava com medo e já quase desistindo da ideia. Estar totalmente presa não me deixava exatamente com tesão. Continue lendo Minha primeira vez como submissa…