Meu Destino É Pecar

Não sei se estou certa. Com trinta e dois anos, divorciada aos vinte e sete, sem filhos, venho procurando dar um destino certo a minha vida.

Um bom emprego, pois sou formada em Administração de Empresas, um apartamento maior e em melhor local do que onde moro atualmente, um homem, não um macho, mas um companheiro, filhos e todos os sonhos de uma mulher, que já tive e se foram rio abaixo. Dizem que sou uma mulher bonita. Olhos e cabelos cor de mel, pele dourada pelo sol sem excesso, rosto bem feito com os ossos determinados, o que dá expressão a minha cara. Continue lendo Meu Destino É Pecar…

No banheiro da fábrica

Bom, é meu primeiro conto, espero que gostem.
Era mais um dia normal de serviço, a época eu tinha apenas 18 anos, começando a carreira profissional e várias vezes na semana um carro de transporte, as vezes caminhão, vinha recolher algum material para levar para outra empresa. Eu como era o mais novo, ajudava os motoristas que vinham buscar esses materiais. Um dia chegou um senhor, aparentava uns 58 anos, gordo, grisalho, entrei na fiorino dele pra chegarmos no prédio onde ele ia recolher o material e eu percebi que ele ficava olhando pro meu pau (um gesto arriscado dele tendo em vista que nunca tinha o visto e nem sequer dei a entender nada), notando que ele fizera isso, pensei de algum jeito tentar retribuir mas fiquei com vergonha. Ele estacionou o carro e eu fui no interior do prédio buscar o componente, quando voltei ele me perguntou se eu podia pegar a Nota Fiscal

Continue lendo No banheiro da fábrica…

Ela foi meu presente de aniversário

Se tem uma coisa ruim em se fazer aniversário no começo ou no final do mês é que normalmente é o período que estamos mais zerados em se tratando de grana. No começo desse mês eu completei mais um ano de vida e como nos demais anos, a carteira estava vazia e não tinha a possibilidade de fazer nada para comemorar no final de semana que estava próximo. As mensagens de felicitações apareciam o tempo todo via e-mail e demais aplicativos de conversa que utilizo das amizades que fiz no decorrer dos tempos e junto, vinham os convites para sair, beber, festejar e tudo aquilo que estava impossibilitado de fazer. Quem me conhece mais de perto sabe que tenho uma enorme resistência em aceitar que me paguem as coisas ou sair de casa completamente sem dinheiro, rejeitei todos os convites, prometendo que no outro final de semana compensaria a todos e sairíamos para comemorar juntos!

Continue lendo Ela foi meu presente de aniversário…

Papai não quiz Pagar o taxi, cheguei gozada em casa

Olá! O que vou contar aconteceu comigo de verdade e mudou um pouco minha vida. Sou casada, tenho 26 anos e meu marido 40. Tenho 1,64 de altura e peso cerca de. 78 kgs, sim estou a cima do peso, ganhei quilinhos logo após minha gestação rsrsrsrs, contudo, tenho pernas grossas e torneadas bumbum carnudos e minha a pépéca é pequena e carnuda. Meu marido ama me chupar. Rsrsrsrs.
Meu pai é caminhoneiro e por viajar muito ele conhece muitos postos de gasolina onde para pra descansar, dormir e tal. certo dia ele precisava que com urgência eu fosse até o posto onde ele estava para pegar o IPTU do terreno pra eu pagar pois havia vencido, o posto fica próximo da cidade mas ele não queria tirar o cavalo da carreta para ir a cidade, achou mais fácil pagar um taxi.

Continue lendo Papai não quiz Pagar o taxi, cheguei gozada em casa…

Fui fazer um programa e acabei com porra na boca

Eu confesso.
Sou um homem, bem apessoado, barba rala, bem dotado e disposto a muita coisa na cama. Já havia frequentado muito o bate-papo, até que ele apareceu oferecendo dinheiro pra mamar. Confesso que fui fazer um programa com esse senhor. Havíamos conversado no telefone e só haveria sexo oral. Cheguei, nos cumprimentamos cordialmente, e fui direto pra cama. Estava nervoso e pedi desculpas pro caso de brochar. Ele me acalmou e pediu pra mim tirar a roupa. Fiquei nu e deitei na cama. Ele veio calmamente e começou, ainda no pênis amolecido. Fiquei pensando e joguei verde. Pus a mão no saco dele, ele olhou pra mim sorrindo e pediu se eu queria. Somente acenei que sim. E foi assim que fiz meu primeiro boquet. O pau dele estava rígido mas não totalmente, o que permitia que eu me atrevesse a por ele todo na boca, sentindo os pelos enchendo meu nariz e as bolas nos lábios.

Continue lendo Fui fazer um programa e acabei com porra na boca…