A amiga crente da minha enteada

Me casei com uma colega de serviço que era evangélica, sempre deixando claro que ela podia ter a religião que desejasse, mas que eu não seguia religião nenhuma. Ela brigou com a família e muitos amigos por namorar e se casar com alguem de fora da igreja, mas nosso casamento deu certo. Ela foi morar comigo, levando a filha de seu primeiro casamento que logo passou a me tratar de pai e me fazia sentir o mesmo.

Sexo Por Telefone

Minha enteada logo fez uma amiga no bairro que morávamos que era evangélica também e as duas viviam sempre coladas. Sara sempre estava em nossa casa, entrava e saia como se ali morasse e logo eu e minha esposa fizemos amizades com os pais dela. Por eu ser o único adulto “não religioso” que as duas garotas conheciam, me tornei a referência para perguntas embaraçosas que elas não tinham coragem de perguntar a suas mães ou aos outros. Coisas de adolescentes como namorar, ficar, beijar… as quais eu procurava aconselhar sabiamente com um ponto de vista não religioso.

Explicava para elas coisas como: Beijar e ficar ok, mas sexo dá pra elas esperar, e se não der que, contrariando as crenças dos pais delas, usassem camisinha! Que Deus não condenaria elas ao fogo dos infernos só por elas pensarem em garotos e outras coisas que são normais para serem ensinadas a adolescentes que não sejam religiosamente doutrinados!

Minha enteada apareceu um dia com um namoradinho, e minha esposa enlouqueceu, mas graças a minha influência (e uma surra de pica), garanti que ela pudesse receber o garoto e aprovar o namoro da filha sem descer os sete infernos encima do jovem casal! Depois disso, Sara, uma tarde veio e me abraçou apertado, dizendo que tinha inveja da amiga e queria que o pai dela fosse como eu, já que os pais dela não permitiam que ela fizesse nada, nem mesmo, conversavam nada com ela sobre sexo ou namoro, apenas de que ela só namoraria quando o pai aprovasse o garoto que deveria ser da religião deles.

Combinamos que minha esposa e minha enteada ficariam 30 dias na praia enquanto eu iria um fim de semana sim e outro não pois não podia me ausentar do trabalho. Então em um sábado, pouco depois de escurecer, minha enteada me liga e com muitos rodeios e implorando segredo, me pede uma ajuda para sua amiga. Sara tinha sido convidada para sair por um garoto, mentira para os pais que passaria a noite em nossa casa e iria ficar com o namoradinho, mas não sei o que tinha dado errado e minha enteada queria que eu fosse busca-la e deixasse ela dormir em nossa casa.

Fui busca-la, em um bairro próximo e a encontrei bêbada, chorando sentada no meio fio. Ajudei ela a entrar no carro e no caminho, entre lágrimas ela me contou que o garoto era gentil e carinhoso com ela e fez ela concordar em participar de um churrasco que ele faria no sábado a tarde com alguns amigos e que depois todos iriam a uma festa de aniversário de sei lá quem, mas, durante o churrasco, os garotos começaram a incentivar ela e outra garota que lá estava a beberem. Sara bebeu para se enturmar, e, com muitos amassos e apalpadelas, o namorado queria que ela fosse para o quarto com ele namorar em um lugar um pouco mais privado. Ela se recusava, mas ele ia se tornando cada vez mais incisivo e acabou por leva-la de arrasto com a ajuda de dois amigos. Ela disse que gritou e esperneou e no caminho, viu que a outra garota estava no sofá, com dois garotos a segurando e um terceiro a estuprando. Ela percebeu que seu “namorado” e os dois amigos fariam o mesmo com ela, se debateu até conseguir se soltar e fugiu, ligando para a amiga em busca de socorro.

Levei Sara para nossa casa, separei algumas roupas de minha enteada para ela e a mandei tomar banho, Liguei para a praia e contei o ocorrido. Preparei um café forte e umas aspirinas e ajeitei a cama para Sara. Casualmente, enquanto ela tomava o cafe, o pai dela ligou e eu vi o medo ressurgir no rosto da garota, mas eu a tranqüilizei contando para ele que as meninas e minha esposa tinham ido ao shopping e depois iriam para uma pizzaria e ele aceitou isso com naturalidade.

Indiquei a cama para Sara dormir e fui me recolher ao meu quarto onde botei em um jogo de futebol para assistir, me despi, ficando apenas de calção e abri uma cerva! E quando estava no clima, Sara bate a porta, dizendo que não conseguia dormir e queria conversar. Ela usava um calçãozinho que minha enteada usava para dormir que acentuavam suas coxas grossinhas e uma blusinha branca quase transparente, evidenciando os seus seios. Nunca havia visto Sara em roupas tão minimas, tão insinuantes e nunca havia reparado como ela era atraente. Tinha os cabelos loiros encaracolado, sardas em seu rosto lhe davam um ar angelical e olhos castanhos claros no tom de mel.

Fiz sinal para ela entrar e ela se deitou na beira da cama. Baixei o som da TV, tomei um gole de ceva e ofereci para ela, rindo, dizendo pra ela que mal não faria e ela aceitou. Começamos a conversar e ela a reclamar que ela só conhecia os retardados da igreja ou os guris que se faziam de mocinhos mas se tornavam monstros. Ela começou a chorar, e se aninhou em meu tórax nu e eu a abracei, fiquei fazendo cafuné e a confortando com aqueles lugares comuns de sempre, de que ela era nova e que iria achar um namorado, e enquanto isso, meu pau que não tinha nenhuma solidariedade ou consciência moral começou a dar sinais perturbadores, evidenciado pelo calção justo que eu usava. E Sara, aninhada em mim, percebeu o volume.

Fiquei sem jeito. Mas continuei fazendo cafune e ela, em silêncio, foi colando o corpo contra o meu, e se virando de frente para mim e se colocando ao alcance para que eu a beijasse. Fui beijando ela delicadamente e desci a mão por suas costas, ela passou uma de suas pernas sobre mim, fazendo com que sua buceta encostasse no volume que era meu caralho e teve um tremor e iniciou um roçar de sua pélvis contra a minha, eu beijava-a sofregamente, Acariciando suas costas e sua bunda e então ergui sua blusinha, fiz ela erguer o corpo e despir-se da blusa, mostrando dois seios do tamanho de maças, com mamilos pontiagudos e pequenos. Virei a na cama, e beijei-a, beijei seu queixo,seu pescocinho, seus ombros, até chegar aos seus seios aos quais cai de boca e mamava sentindo-a se contorcer e gemer de tesão e com os dedos entre meus cabelos, pressionar minha cabeça contra seu busto. Mordiscava seus mamilos e ela gania em protesto.

A pele dela queimava, febril. Coloquei as mãos no lado do seu quadril, segurando o calção e a calcinha dela ao mesmo tempo, comecei lentamente a baixar, descobrindo uma bucetinha linda, com uma leve penugem dourada. Ela rebolou o quadril, facilitando a retirada do justo calção que ela usava, mas, ao perceber o olhar que eu lançava para sua bucetinha, algo dentro dela despertou e ela tentou cruzar as pernas e cobrir seu sexo, assumindo um rubor em suas faces sardentas. Cai na gargalhada, o que aumentou o rubor naquelas faces, mas subi por cima dela e voltei a beijar sua boca com paixão, fazendo. A tirar a mão de cima de seu sexo e cravar em minhas costas. Agora era eu que pressionava minha pélvis entre suas pernas e com uma mão beliscava apertava sua nádega. Ela se contorcia e se entregava a meus carinhos com suspiros e gemidos.

Fui baixando minha boca beijando cada parte de seu corpo e voltei a mamar rapidamente cada um de seus seios. Beijei seu ventre e parti para suas coxas, que abri enquanto lambia a pele interna até colocar meus lábios em sua xaninha e a fazer urrar e se contorcer em um orgasmo. Ela puxava meus cabelos e empurrava minha cabeça contra seu sexo e mesmo sem fôlego, gritava que estava no céu e urrava ai meu Deus!

Dei uma leve pausa para ela recuperar o folego. E discretamente, alcancei as camisinhas que guardava no criado mudo. E com ela arfando em busca de ar me ergui na cama, baixando meu calção e vi ela arregalar os olhos olhando meu membro. Nu, deitei-me ao lado dela e a puxei contra meu corpo, fazendo ela vir por cima de mim. Sussurrei no ouvido dela que era a vez dela de me fazer perder o folego e ela foi, vagarosa e inexperientemente beijando meu corpo. Fui a conduzindo até ela ficar de cara com meu membro, então delicadamente fiz ela baixar a cabeça e beijar meu membro. Sussurrei para ela fingir que era um picolé e lamber e chupa-lo e ela inexperiente, foi seguindo meus conselhos e descobrindo como chupar um caralho. Segurei seu rostinho, a fiz se erguer e a tombei para o lado. Coloquei a camisinha com ela olhando atentamente e me posicionei entre suas pernas, cai por cima dela beijando seu rosto e sua boca com paixão e sussurrei em seu ouvido se ela queria se tornar mulher.

Ela sussurrou que sim, então coloquei a cabecinha de meu caralho na entradinha de seu sexo, e enquanto beijava sua boca, fui alojando dentro dela até enfrentar a resistência de seu hímem. Empurrei firmemente meu quadril até sentir o fim da resistência de sua virgindade enquanto ela protestava de dor. Beijando-a, dei um tempo para ela acostumar e então retomei em um vai e vem lento pontuado por seus ais até acomodar toda minha geba dentro dela e quando esses ais foram se tornando gemidos de prazer, fui aumentando a velocidade e a intensidade de minhas estocadas. Me virei e fiz ela me cavalgar e determinar o ritmo e ela não se fez de rogada e começou a pular como uma louca em cima de meu caralho e percebi que novamente estava gozando, então, quando ela tombou para o lado, tirei meu caralho de dentro dela, tirei a camisinha, me ajeitei para colocar meu pau em sua boca e dei ordem para ela chupar e gozando em sua boca, disse para ela engolir tudo.

Ficamos um tempo recuperando o fôlego, eu a abraçando por traz, com meu membro amolecendo entre suas ancas, minhas mãos delicadamente acariciando seu ventre e seus seios e sussurrando o quanto foi gostoso comer sua bucetinha, como era quente e como ela era gostosinha. Convidei-a para tomar um banho. Na banheira, a possui novamente. Voltamos para cama e naquela noite transamos mais umas três vezes.

Na manhã, depois de uma ultima foda, nos despedimos com beijos. Ela prometeu voltar nos dias seguintes. Durante toda a ausência de minha família, Sara vinha todos os dias para cavalgar meu caralho. Transamos em todos os cômodos da casa, em todas as posições. Ela me chupava até ficar com a boca inchada e bebia meu leite como se fosse néctar. Eu também chupava a bucetinha dela até ela implorar para que eu a traçasse. Queria comer o cuzinho dela, mas ela recuava e temia sentir muita dor, mas permitia que eu enfiasse um, até dois dedos dentro de seu rabinho.

Comentem, e votem no conto, que escreverei a continuação, de como Minha enteada me flagrou com Sara, de como comi o cuzinho da garota e muito mais.

Disk Sexo

17 thoughts on “A amiga crente da minha enteada

  1. Adorei vc é um cara de sorte adoro mulher experiente é evangélica e pôr ser um safado nato também não despensaria uma ninfeta principalmente evangelica e virgem tira umas fotos para mim ver tenho 52 anos sou casado e muito safado se tiver alguma casadas ou ninfeta acima dos 18aninhos afim de experimentar um coroa entre em contato adoro chupar uma buceta e um cuzinho apertadinho estou aguardando [email protected]

  2. Também adoro fuder umas novinhas bem safadas e bem putonas. Tenho a rola grossa e cabeçuda com 45 anos. Se vc novinha evangélica ou não quiser muita putaria me xama no meu watsapp 11-95464-8431

    1. VANESSA MEU AMOR. EU SOU UM COROA DE SÃO PAULO CHEIO DE TESAO PRA TI DAR VIU. SOU EDUCADO E MUITO CARINHOSO. SOU TBM MUITO LIMPO
      DEIXO PRA VC O MEU ZAP É 11948001531. VOU FAZER COM VC TUDO O QUE VC TEM DIREITO NA CAMA. NÃO FAREI NADA QUE NÃO QUISER. VC VAI AMAR. SOU O FRANK BJOSSSSS

  3. Adoraria comer uma nifetinha safadinha e muito fogosa me chama no zap. 027 9 9991 1697. Quero conhecer a vanessa e outras meninas que gosta de homens dotados safados e muito fogosos. Me chama ai no zap alguem afim de uma noite ou uns dias de muito sexo comigo. Tenho muita pegadas na hora do sexo.

  4. ADOREI. DELICIA. SOU UM COROA DE 60 ANOS COM MUITO TESAO. SOU DE SÃO PAULO E GOSTO MUITO DE UM SEXO DE EM GOSTOSO. SOU CHEIROSO EDUCAÇÃO E CARINHOSO. GOSTARIA DE TRANZAR COM MULHERES DE SP PRÓXIMO DE MIM. NÃO IMPORTA A IDADE, COR, OU RAÇA. DESDE QUE TENHA VONTADE ASSIM COMO EU DE TRANZAR. E SÓ ME CLICAR NO MEU ZAP.
    11948001541. EU SOU O FRANK.

  5. Adorei tenho 65anos sou coroa gosto muito de sexo gostaria de transar com mulheres do RJ nao importa ifade nem cor,e so clicar no meu zap .Eu sou o ObaOba

  6. Ola sou sao paulo pego sempre umas novinhas da igreja e ja comi algumas e outras brinco consegui comer cu de 2 vcs novinhas eu tambem comi enteada me chame 11 9 59 51 33 57

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *