Comendo a buceta de uma doutora faminta

Há um tempo atrás precisei dos serviços de um advogado, então recebi um contato de uma doutora de nome Rosana, conversei com ela e marquei uma consulta.
No dia seguinte lá estava eu na porta do seu escritório, na recepção me anunciei e a secretaria pediu que eu aguardasse que logo a doutora me atenderia.
Passado alguns minutos, ela pediu que eu entrasse na sua sala, entrei e me deparei com uma mulher de uns 45 anos,magra, de estatura mediana, cabelos longos, pretos , olhos castanhos ,pele clara, um sorriso convidativo e um olhar insinuante, cara de safada ,o que me fez observar seu corpo, estava usando saia e tinha belas pernas.
Relatei a ela meu problema e porque precisava dos seus serviços, combinamos tudo, me despedi e fui embora.
Depois de alguns meses, resolvido meu problema, agradeci a ela pelos serviços e a convidei para um café qualquer dia, ela sorriu e me disse que naquele dia sua agenda tava tranquila e poderíamos ir então.
Saímos e fomos tomar o cafezinho.
Falamos sobre vários assuntos, descobri que ela era divorciada e morava sozinha, papo vem, resolvemos tomar uma cerveja, e o papo foi esquentando, fiz um elogio ao seu corpo ,dizendo que tava tudo em cima,olhando para seus peitos gostosos e lambendo os lábios.
Ela colocou a mão na minha perna e fez um carinho, foi o suficiente para minha rola ficar acesa, sentindo o cheiro daquela fêmea saborosa.
Eu já tava louco querendo comer aquela doutora safada, então dei-lhe um abraço e beijei seus lábios, sentindo sua língua atrevida na minha boca e sua mão pousar no meu pau sobre a calça.

Ali onde estávamos já tava pegando fogo, então decidimos ir para um local mais reservado e confortável .
Saímo e depois de deixar o carro dela em um estacionamento, no meu carro fomos direto para um motel, assim que chegamos ela antes mesmo de abrir a porta do quarto, abriu o zíper da minha calça, fez meu pau pular para fora, todo babado de tesão, abocanhou ele e foi passando a língua, lambendo o mel daquela pica ,descendo até meu saco, beijando minhas bolas, colocando na boca, fingindo morder,fazendo cara de puta safada,ia deixando meu pau todo babado enquanto punhetava gostoso.

Segurei seus cabelos, enrolei na minha mão, e forçava sua boca a engolir aquela vara dura,dava tapinhas no seu rosto, chamando ela de doutora vadia ,puta safada, que logo iria tá gemendo e chorando de tesão na minha rola.
Foi só então que eu abri a porta,levei ela até a cama, levantei sua saia, comecei a beijar suas coxas, cheirei sua calcinha de renda preta, para sentir o aroma daquela buceta quente, cheirando a fêmea no cio,afastei de ladinho a calcinha, enfiei a ponta da língua naquela fenda quente e úmida, escutei seus gemidos, roçava a barba na sua xoxota, beijava, lambia e pincelava seu grelinho com a língua, enquanto ela gemia, peguei sua calcinha, usando as unhas dos polegares, rasguei a parte que cobria sua bucetinha, continuei chupando e enfiando o dedo indicador na sua gruta, ela rebolava e me chamava de safado

gemendo muito alto, anunciou que tava gozando na minha boca, fiquei com a barba toda melada, acabei de tirar sua roupa, abocanhei seu peito delicioso, chupava um e apertava o biquinho do outro.
Novamente ofereci minha rola para ela chupar, tirei a calça, a cueca e deixei ela saborear minha pica .
Depois de um tempo, já louco de vontade de enfiar ela todinha na sua buceta, me posicionei com ela de quatro, pincelei a entradinha da sua buceta quente, que de tão molhada tava pingando no lençol, esfreguei minha rola, como se fosse um pincel,deixando ela ainda mais melada, introduzi a cabecinha, fiquei parado sentindo sua xota querendo me tragar para dentro, Rosana tentava empurrar o corpo para que a pica entrasse até o talo, mais eu não permiti, queria judiar daquela doutora safada, agarrei seus cabelos, com uma das mãos, fingia que ia meter, então tirava e batia a rola dura no seu

bumbum, passava minha mão por baixo na sua buceta e sentia o calor e a vontade que ela tava implorando por minha rola.
Novamente colocava na portinha, batia o corpo da pica dura na testa da sua buceta, e também como eu já tava louco de vontade ,enfiei um pouquinho, senti o sabor, a temperatura, enfiei mais um pouquinho, aí então deixei ela empurrar seu corpo para trás, até sentir entrar até encostar meu saco, fiquei um tempinho forçando ela ficar parada, só sentindo o pulsar da minha pica,aí puxando seus cabelos, comecei a entrar e sair sem parar, socando com força, metendo a pica sem dó naquela racha faminta.
Só escutava o ploft,ploft,ploft, ploft, e os gemidos desvairados de puta safada dela, urrando e dizendo que minha pica era deliciosa e que tava gozando nela e que ia deixar ela toda melada e esfolada de tanto fuder.

Eu batia na sua bunda gostosa, enquanto estocava com vigor no fundo da sua buceta, já sentia que tava tudo inundado.
Ela pediu que eu mudasse de posição, queria sentar e cavalgar na rola do seu macho, então deitei, e ela pegou minha rola e direcionou para sua xoxota deliciosa ,pincelou um pouquinho na entradinha e então sentou ,fazendo aquela buceta gulosa engolir cada centímetro daquela rola.
Começou a pular e quicar na minha vara ,sentia meu saco molhar, que fêmea tarada era aquela, me xingava,elogiava, tudo ao mesmo tempo, e eu batia na sua bunda, colocava um dedo no seu cuzinho, enquanto chamava ela de cachorra da buceta quente, safada,que tava adorando comer buceta de doutora e que logo iria enfiar a rola no seu cuzinho que piscava de tesão.

Ela ficava louca e gritava que tava gozando e que iria deixar meu pau viciado na sua buceta, que eu fodia muito gostoso e pediu para encher a buceta da sua doutora safada de porra.
Então agarrando seus cabelos, pressionando ela na minha pica,entrando e saindo com força, eu comecei a grunhir,urrar como um animal ferido, senti fortes jatos de esperma jorrar no fundo da sua buceta, ela falava que tava sentindo meu leitinho enchendo ela por dentro, que era delicioso.
Ficamos um bom tempo ali parados, meu pau lá dentro, foi amolecendo e saindo, senti então porra escorrendo sobre minha rola e molhando o lençol.

Depois que descansei um pouquinho, senti as mãos da doutora acariciando minha rola, que começou a endurecer, então disse pra ela, você tá com fome de vara de novo né, só que dessa vez quero seu cuzinho de sobremesa.
Enquanto ela punhetava e lambia minha pica eu enfiava meu dedo com saliva no seu cu que piscava, então me posicionei atrás daquela bunda deliciosa, enfiei a rola até o talo na sua buceta, dei algumas medidas, tirei e encostei a cabecinha da pica melada no seu cuzinho, forcei um pouquinho, ela relaxou,entrou a cabecinha, esperei um pouco, depois fui enfiando centímetro por centímetro, até colocar tudo lá dentro aí comecei a bombar gostoso, ela rebolava e pedia para arregaçar seu cuzinho, que tava gostoso e que minha rola era insaciável.
Enquanto ela gemia e pedia rola, eu ia socando sem piedade ,ela pedia para foder com força, não ter dó dela, porque era isso que ela queria, muita rola dura no cu.

Eu ficava louco com sua provocação e metia com violência, enquanto dedilhava o grelinho dela e socava a pica, escutei seus berros que tava gozando de novo, seu cuzinho piscava mordendo meu cacete que tava louquinho pra cuspir porra quente.
Depois de tanto socar a rola naquele cuzinho de advogada puta safada, já .com meu saco doendo,comecei a esporrar aos berros, xingando ela de doutora cadela no cio, gozei como um cavalo, enchendo aquele rabo de porra quentinha, ainda tirei fora e gozei um pouquinho na sua bunda também.
Descansamos um pouco, tiramos um cochilo gostoso.
Depois tomamos um banho e fomos embora, mais logo iríamos marcar novo encontro, porque afinal, aquela buceta faminta tinha que ser muito bem alimentada