O pai do meu amigo me comeu

Moro em BH, os 18 anos frequentava a casa do Jr, amigo meu cuja família era do R G do sul. Seu pai Heitor (nome fictício) 47 anos, era um homem claro, alto, alguns pelos no peito, bigode, olhos cor de mel, traços de italiano; Parecido com o ator pornô Steve Drake.
Sua família muito boa, recebia bem os amigos do Jr, eu era o mais presente. Seu Heitor adorava ficar sem camisa e eu não tirava o olho, tanto que ele me flagrou algumas vezes. Eu ficava sem jeito.
Passado uns 3 anos, a família do Jr voltou para o sul mas sr Heitor ficou só por conta do trabalho. Mesmo morando perto quase não via sr Heitor até que um dia nos encontramos, ele vindo de uma caminhada sem camisa, de short vermelho e cueca azul marinho, dava p ver. Ele lamentava a falta da família etc. Dias depois e o reencontrei na padaria, ele de moletom mostrava uma mala que até então eu nunca percebera. Não tirava os olhos quando ele disse pra eu aparecer em sua casa, bater um papo etc.
No dia seguinte toquei o interfone, ele disse p eu subir que a porta estaria aberta pra eu entrar. Entrando no apto ele gritou do banheiro p eu ficar a vontade que ia tomar uma ducha. Fiquei imaginando onde o sabonete passaria… Ele veio só de toalha na cintura, me deu um abraço, foi a cozinha pegou umas cervejas. Ele se sentou na poltrona e eu no sofá. Ele morava no 5º andar e eu comentei como gostava da vista de sua janela. Falamos banalidades, futebol e claro que ele

LibidGel

cruzava as pernas revelando um membro mole bem grande. A medida em que bebíamos ele se soltava mais. Foi buscar mais cerveja e se sentou ao meu lado e perguntou: e as namoradas? Tem alguma? Fiz de sem jeito: ninguém quer um cara como eu, não tenho graça sabe? E ele no ato pôs sua mão no meu rosto num gesto de carinho dizendo que eu era muito bonito. Passou a mão pelo rosto, parando seu dedo nos meus lábios. Nisso a tolha entre aberta mostrava sua coxa grossa e seu membro dando sinal de vida. Tive coragem e comecei a beijar seu dedo, depois lamber…

LibidGel

Nos beijamos, ele diz palavras de carinho: que bom que vc está aqui, há tempos vejo como vc me olha…Nos levantamos, a toalha caiu e seu pau duro pressionava meu corpo. Fomos pra cama. Fiquei só de cueca. Sr Heitor mordiscava meu pau sobre a cueca, apertava meu mamilo e brincava com seu dedo em meu anelzinho. Tirou minha cueca, montou em cima de mim, ficamos roçando nossos membros enquanto nossas línguas se misturavam. Lambidas babadas deliciosas.

Passamos a fazer um 69, ele lambendo meu cuzinho revezando com seu dedo grosso e eu lambendo a baba grossa da cabeça do seu pau cogumelo. Aquele bigode no rabo era de me enlouquecer! Lambia de cima até as bolas. Pedi pra ele abria as pernas de frente e passei a lamber seu saco e seu cu o levando a loucura. Fiquei de bruços oferecendo minha bunda melada de saliva e ele carinhosamente foi me possuindo, podia sentir aquela ferramenta latejando. Começou um vai

 

e vem mais forte até ficar insano, ele parecia possuído. Me comeu de 4, montei em cima e passei a cavalga-lo. Fomo pra janela pra eu ver a paisagem e as pessoas que passavam lá embaixo enquanto eu era currado. A estocadas fiaram mais fortes quando ele gritou e derramou uma grande quantidade de porra, em seguida foi a minha vez. Eu gemia feito uma putinha manhosa. Nos beijamos e metemos até ele voltar pro sul, coisa um ano. Eu passava fins de semana com ele, verdadeiras maratonas sexuais, as vezes usava seu pau duro pra fazer minhas refeições, um talher especial. Ríamos muito, mas tudo que é bom acaba….. Se vc gostou, relate. Já escrevi aqui outros contos: Com vovô é melhor por exemplo. Obrigado E

Posted in Gay

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *