Gravida do amigo de meu filho

O que vou contar aqui é minha estória que ocorreu a 5 anos atrás, meu nome é Marlene, na época eu estava com 37 anos, sou morena, eu sei que tenho um corpo muito bonito e sei que a minha bundinha chama muito a atenção quando eu passo, gosto de me vestir de maneira bem provocante deixando sempre as minhas pernas a mostra, deste de cedo eu sempre fui muito fogosa, com 14 anos eu perdi a minha virgindade, com 17 já estava grávida de meu filho, eu nunca tive sorte com os homens na minha vida, todos que eu encontrei sempre só queriam mesmo é me comer e invariavelmente conseguiam, pois eu adoro sexo, minha bocetinha esta sempre pronta para gozar, depois do nascimento do meu filho eu sai de minha

casa para tentar a vida em outra cidade, eu continuei a ter os meu namorinhos, mas sempre tomei cuidado para o meu filho não saber, eu sempre saia depois de tê-lo posto a dormir e chamava uma amiga para cuida-lo depois e saia para namorar, mas quando percebi que ele já estava crescido eu passei a sair bem menos e cuidei para que o meu filho não soubesse o que a mãe dele andava fazendo. Mas o tempo passa, quando ele tinha 19 anos ele tinha muitos amigos e um deles vivia lá em casa, era o Marcos, eu percebia como ele estava sempre me olhando e me despindo com os seus pensamentos, eu ficava super excitada com isto, pois nessa época eu estava sem sentir um homem a bastante tempo. Por varias vezes ele ia em casa com o pretexto de procurar o meu filho, mesmo sabendo que ele não estaria la e eu para provoca-lo sempre o

convidava para entrar e espera-lo dentro de casa, eu adorava a sensação de ser desejada por um garoto de 16 anos, com o passar o tempo nós nos tornamos muito amigos e nossas conversas começaram a seguir um caminha inevitável, começamos a falar sobre sexo, e uma vez eu disse em tom de brincadeira que era muito difícil viver sem um homem, e mais que bate e pronto respondeu com uma pergunta, se ele não serviria para ser um consolo para mim, eu comecei a rir e o chamei de brincalhão, então ele me abraçou e me disse que não era brincadeira não, e que ele estava apaixonado por mim, eu olhei com ternura para ele e deixando de lado todas as minha inibições lhe dei um beijo, ele começou a me despir na cozinha mesmo, em instantes já estava chupando a minha bocetinha, me levando ao paraíso, logo ele tirou o pau para fora e começou a me penetrar, era um entra e sai rápido e afoito, não demorou muito para ele me encher de porra. Segurei

ele pela mão e o levei até o meu quarto, lá dei uma gostosa chupetinha onde o pau dele ficou em riste novamente, ai eu o deitei na cama e comecei a cavalga-lo em um ritmo bem lento e cadenciado, ficamos vários minutos assim até eu gozar e cair de lado, ele por outro lado ainda não havia gozado e ainda estava com o pau duríssimo, vendo que ele precisava de mim eu sorri para ele e o puxei para mim, então eu só abri as pernas e deixei ele se esbaldar em minha bocetinha. Quando ele gozou, eu gozei junto, minutos depois quanto eu comecei a retornar para a realidade levei um susto, pois já estava na hora de meu filho chegar, nos vestimos rapidamente, foi a conta de encontrar o meu filho entrando pela porta da cozinha, foi ai que eu vi a minha calcinha jogada em um canto, torci para que ele não a visse fiz um sinal para o Marcos, ele percebeu o que eu queria dizer, ai quando eu chamei a atenção de meu filho ele agarrou rapidamente a calcinha e guardou no bolso.

Depois deste dia maravilhoso eu sempre dava um jeito de encontrar o Marcos para nós transarmos gostoso ele realmente conseguia apagar o fogo de minha bocetinha, alias neste período eu nem dava atenção a outros homens, eu que já era uma mulher muito vaidosa, fiquei mais ainda, toda sexta-feira eu ia no salão de beleza me aprontar para o meu homem, passei a freqüentar uma academia religiosamente, até o meu filho notou a mudança e dizia que eu estava cada dia mais linda e perguntava em tom de brincadeira se eu tinha arranjado um namorado secreto, eu sorria e dizia que isto só podia vir da cabecinha dele mesmo, por varias vezes ele me mostrava para o Marcos e perguntava se algum homem resistiria em ser o

padrasto dele com uma mãe como aquela, o Marcos sempre respondia que ele queria ser o primeiro da fila, ficamos assim por quase 1 ano, meu filho se casou e saiu de casa, neste período o Marcos praticamente vivia em casa comigo, foi ai que eu me descuidei e acabei engravidando dele, foi a maior confusão para contar para o meu filho, ele ficou muito bravo, mas depois de um tempo acabou aceitando, pois ele viu que não tinha remédio e ele teria um irmãozinho mesmo. Hoje eu ainda vejo o Marcos de vez em quando, somente nos dois sabemos que ele é o pai do meu filho e eu acho que assim é melhor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *