Uma loira safadona em minha vida

Sempre gostei de participar de grupos de internet. É uma maneira de encontrar pessoas com o mesmo pensamento. Conheci a Andreia assim. Temos a mesma idade e procurávamos a mesma coisa: pessoas para fazer novas amizades.

Trocamos números de telefone e passamos a conversar com mais frequência. Praticamente falávamos todos os dias nas horas vagas. Era comum e prazeroso. Viramos confidentes. Um dia ela me ligou triste porque havia tomado o fora de um cara.

Ela é loira, tem 1, 73m, seios e quadril largos. Seus olhos verdes cortam como se fossem uma navalha. Ela é sensual demais. Eu não nego, gosto de loira. Sou um pouco mais alto e como voltei a malhar estou com um corpo legal.

Decidi levá-la para jantar. Rir é a melhor solução nessa hora. Quando nos encontramos no shopping levei um choque. Ela veio com um mini saia preta e uma blusa branca. Seu quadril ficava demarcado e enquanto ela se aproximava de mim atraia os olhares dos homens.

Pegamos um cinema antes do jantar. Assistimos um filme de ação. A cada susto ela pegava em minha mão. Logo ela não soltou mais. Jantamos na sequência e perguntei se toparia dançar. Ela foi direta e disse que preferiria um lugar mais calmo. Fomos para um motel na região.

A cada peça de roupa tirada me surpreendia cada vez mais e agradecia ao ex-namorado por tê-la chamado de gordinha. Quando ela deitou na cama e veio para cima de mim não resisti. Começamos com beijos longos, toques delicados. Aos poucos os beijos ficaram mais curtos e os toques aumentaram. Ela deslizava suas mãos sobre meu corpo. Não deu tempo de reagir. Ela subiu em cima de mim e passou a chupar meu pau com uma maestria nunca antes vista. Aquela bunda empinada era um convite e o 69 foi o encaixe perfeito naquele momento.

Me lambuzei. Nossos gemidos se intercalavam com a música ao fundo. Coloquei-a de quatro e brinquei com meu pau na entrada de sua bucetinha rosada. Aos poucos fui entrando. Ela pedia mais e mais e atendi seu pedido. Nosso ritmo era frenético. Transamos na cama, na banheira, na cadeira erótica. E como aquela loira rebolava gostoso. Impossível não gozar.

Passamos a noite transando. Foi muito bom. Adormecemos logo no início da manhã. Quando acordei ela estava nua em minha frente novamente. Perguntou qual biquíni usaria num churrasco. Disse a ela para não usar nada e apenas ficar comigo. Transamos novamente.

Deixei-a no churrasco. Seu ex-namorado estava lá e perguntou onde ela estava. Ela apontou para mim e disse:

– Passei a noite com quem me valoriza.

E depois desse dia passamos outras noites maravilhosas. Ainda somos grandes amigos, no entanto, com sua mudança para o Rio de janeiro passei a vê-la apenas uma vez por ano. E quando esse encontro acontece são pelo menos 24 horas de muito prazer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.