Traindo gostoso o meu marido com um colega de trabalho

Sou casada, hoje tenho mais de 35 anos e trabalho como relações publicas e aconteceu comigo foi ha alguns anos com um colega de trabalho,Tudo começou quando consegui um emprego em determinada empresa cujo nome não importa nesse momento, e esse colega foi o encarregado de me ensinar a função que não era dificil mas ele era todo atencioso talvez por eu ser mulher, só que não sou tão atraente assim, sou branquela mas, tenho um corpo bonito apesar de, não ser assim tão magra, mas sei que sou bastante admirada pelos homens quando passam acho que é porque sempre usava roupas muito discretas e salto, aço questão de passar uma imagem séria mesmo porque já não era nenhuma jovenzinha . E por essa imagem de mulher séria quem me olha jamais imaginaria que eu um dia seria capaz sair com outro homem que não meu marido… Na verdade, explicitamente nunca tive essa intenção e Nunca tive fantasias a esse respeito também mas um dia acabou acontecendo com um amigo de trabalho.

Esse meu amigo o Jéferson que trabalhava na mesma empresa na área de vendas externas, normalmente ele passava a manhã no escritório fazendo relatórios e a tarde saia visitar clientes ele fisicamente não tinha de especial, alias era um cara pra lá de comum, nem bonito nem feio, até um pouquinho acima do peso. Como trabalhamos quase juntos ele prestava contas das suas vendas e relatórios pra mim, isso durante o tempo que trabalhamos juntos, depois ele foi transferido para outra filial, e nesse tempo desenvolvemos uma amizade gostosa sempre que podíamos saiamos pra almoçar juntos e isso era quase todos os dias, e acabamos por nos conhecer melhor desenvolvemos uma amizade legal viramos uma especie de confidentes de forma que eu sabia de suas ex namoradas e que não estava namorando naquele momento.

Eu também contava um pouco da minha vida conjugal eu acabava me abrindo pouco sobre mim principalmente porque eu não andava muito bem e na minha relação com meu marido as vezes quando eu discutia em casa ele acabava ouvindo-me e ele era sempre gentil comigo mesmo quando eu não estava legal ou estava de TPM ou coisa do gênero. ele sempre me trazia um cafezinho, ou um bombom pra agradar-me

Então notei que ele começou a olhar-me de forma diferente, e a estar sempre mais prestativo que de costume e quando eu precisava de algo ele procurava sempre estar por perto, mas nunca se insinuou assim eu achava que era impressão minha e que não era nada e ficava na minha, mesmo porque eu era casada e ele sempre respeitou essa minha condição.

Apesar de ele sempre me respeitar me oferecia carona no fim do expediente, eu recusava dizendo que era meio fora de mão pra ele, mas ele respondia nem tanto, não me custa desviar a rota em uns 3 ou 4 kms. e te deixar em casa, devido a insistência dele as vezes quando eu me atrasava um pouco eu aceitava mas sempre pedia pra ele parar uns dois quarteirões antes não gostaria que alguém conhecido me visse descendo dum carro de um estranho, e assim foi sempre que eu precisava lá estava ele bem prestativo.

Conforme foi passando os meses virou quase uma rotina pegar carona com ele só quando ele tinha algum compromisso que falhava a carona e com isso então fomos ficando cada vez mais íntimos e confidentes a ponto de conversarmos abertamente sobre tudo, ele me contava de mulheres que ele tinha saido do que gostava o que não gostava na cama e coisas assim, e eu um dia acabei confidenciando que meu casamento embora tivesse um bom relacionamento com meu marido na área familiar a sexual tinha caido numa rotina e que não era a mesma coisa de quando recém casados talvez por conta dos filhos, enfim apesar das nossas conversas girar em torno desse assunto nunca o Jéferson fez alguma brincadeira ou gracinha no sentido de me cantar sempre nos respeitamos mutuamente existia uma amizade e porque não dizer afinidade muito grande entre nós.
Numa dia que choveu a tarde toda dai eu perguntei a ele se naquele dia a carona estava de pé, ele falou claro que sim e na volta pra casa estava um transito infernal e justo naquela hora resolveu aumentar a chuva de forma que não se conseguia ver muito a frente, então ele sugeriu que parássemos um pouco para evitar algum acidente maior até que a chuva diminuisse ou passasse, eu falei que por mim tudo bem, então ele saiu da rua principal e paramos numa que achamos lugar pra estacionar, os vidros todos estavam embaçados, paramos e continuamos a conversar, pois o transito estava todo parado mesmo.

Como estavamos parados ele tirou a mão do volante e virou-se pra mim enquanto conversavamos ele começou a passar a mão suavemente acariciando meu cabelo que não era muito comprido mas estava caindo na testa, ele acomodava as minhas mechas por traz da orelha e seu dedo acariciava sutilmente a minha orelha causando com isso uma sensação gostosa,

Comecei achar excitantemente perigosa aquela situação ali naqueles momentos ali sozinha com ele, só que achei que não havia perigo e que era uma forma de carinho inocente pois eramos bons colegas e ele sempre me tratou com muito respeito e sempre foi muito gentil, que achei até normal aquela demonstração de carinho como a chuva não parava continuamos conversando, nisso ele calou-se e silenciosamente passava a mão em minha nuca por baixo dos cabelos fazendo uma leve pressão muito gostosa por sinal, ao mesmo tempo que me incomodava o fato de eu estar gostando da caricia de outro homem.

Então pela primeira vez desde que nos conhecemos ele falou baixinho quase sussurando, Claudinha vc sabia que é uma mulher muito atraente e de uma beleza singular ..m e mcompletou seu meu marido tem muita sorte em ter voce como mulher como eu o invejo, … meus pensamentos ficaram desconcertados na hora e comecei a ter uma estranha, sensação de excitação com aquele elogio que me despertou na hora, não exatamente por ele mas pelo pensamento da possibilidade de ter outro homem que nao meu marido tão proximo de mim com suas mãos me tocando e me desejando.

Depois desse elogio ele abraçou-me e puxou-me um pouco mais para perto de si fazendo minha cabeça apoiar em seu peito e seus braços envolveram-me num abraço gostoso eu não me reconheci porque naquele momento não sei porque eu não ofereci nenhuma resistencia então ele aproximou-se e com seus labios beijou meu pescoço suavemente, e eu me arrepiei na hora, e é claro que ele tambem percebeu e aproveitou da situação pra beijar meus labios tambem, naquele momento ali, naquela situação só nós dois no carro, a chuva ainda caía fina la fora, na verdade fiquei sem ação não sabia o que fazer, fiquei surpresa mas acabei cedendo aos encantos daquele beijo, nossos labios colaram-se não mais que uns 5 segundos mas parecia uma eternidade pra mim.
percebendo a situação eu me afastei, ficamos os dois meio que sem jeito, eu mais que ele e a chuva continuava lá fora não tinha niguem transitando na rua a pé, só de carro mas todos os carros estavam muito embaçados ninguem conseguia ver dentro de outro carro nem que quizesse, ficamos em silencio por alguns momentos a chuva continuava estavamos anonimos ali, e esse anonimato aparente de repente favoreceu pra que outros beijos acontecessem, ele continuava com sua mão em meu cabelo e as caricias em minha nuca, tentei tirar sua mão dali mas ele foi insitente e puxou-me novamente pra si, dessa vez beijou-me de lingua eu acabei retribuindo e acabamos nos beijando ardentemente, aquela situação ali era muito excitante de repente eu já não era mais nenhuma adolescente mas estava me sentindo como uma quando o namorado lhe beija pela primeira vez, estavamos nós dois namorando gostosamente naquele momento

. Entre um beijo e outro estavamos em transe, ele colocou a mão por baixo da minha blusa e tocou minha pele, acariciava minhas costas e habilmente soltou os fechos do soutiem e começou a acariciar meus seios (que ja estavam duros ) eu comecei a gemer baixinho, a falar no ouvido dele que estavamos loucos que deviamos parar,mas ele me beijava com mais impeto, estava deliciosamente excitante aqueles momentos ficamos ali uns 15 minutos nessas caricias, até que ele pegou minha mão direita e colocou sobre seu membro sob a calça, então eu retribui as caricias que ele fazia em meus seios eu apertava seu membro sob as calças e o segurei comecei a massagear por cima da calça, então ele sussurou Claudinha eu te desejo como nenhum homem jamais a desejou, quero fazer amor com voce vamos a um motel!!! …Foi quando caiu a ficha e tomei a decisão de parar antes que fossemos alem porue no fundo eu tambem estava excitadissima.

Falei pra ele que estava tarde que me levasse logo senão ia chegar muito tarde em casa, que provavelmente o marido e os filhos já estavam me esperando etc e tal arranjei todas as desculpas possiveis e ele como um cavalheiro pediu desculpas pela ousadia….eu já esperava essa atitude dele pela nossa amizade, ele novamente falou que o desculpe e completou….é que alem da nossa amizade vc é uma mulher muito atraente, e eu não me controlei me perdoa, e não disse mais nada, após o que e continuamos o resto do trajeto quase calados e até ficamos alguns dias sem nos falar-mos.

Quando cheguei em casa meu marido já tinha chegado perguntou porque eu atrasei-me respondi que era por causa da chuva e do transito, e a conversa ficou por ai mesmo então tomei um banho porque confesso que minha calcinha tinha ficado manchada com meus liquidos devido ao acontecido naquele final de tarde o resto da noite foi normal como outras tantas apenas eu e meus pensamentos não estava muito tranquila parecia que todos que me olhava desconfiava de algo… coisa da minha cabeça… fiquei pensando naquela cena que apesar de ser proibida pra mim tinha me excitado e eu tinha gostado de ter sido desejada por outro homem… aquela experiencia do beijo e dos amassos no carro foi inesquecivel era coisa pra se guardar na memoria junto com as lembranças mais gostosas, e eu toda acesa ao me deitar procurei meu marido e imagiava que aquela noite a gente faria amor feito animais, pelo menos eu estava no clima pra isso e transamos … mais foi mais uma daquelas nossas rapidinhas rotineiras e foi habituais sem que as estrelas brilhassem mais forte sem aquele brilho que eu tinha visto com apenas um beijo, sinceramente naquela noite eu fiquei meio que decepcionada com meu marido, eu toda acesa querendo que meu marido tomasse a iniciativa e fizesse pelo menos alguns daqueles carinhos que eu tinha recebido naquela tarde e por mais que eu me esforçasse em caricias e tentasse algo novo meu marido gozou acbou adormecendo.. e eu estava ainda excitada, tanto que disfarcei fui ao banheiro e me masturbei pensando nele

Depois disso passei algum tempo o evitando o Jeferson ate que um dia ele me mandou um e-mail novamente se desculpando dizendo que eramos adultos e o que tinha acontecido era consequencia de que estavamos tão proximos um do outro e foi natural essa atração coisa e tal,alem da amizade que nos unia e que ele não queria que continuassemos com o silencio, e nesse e-mail ele me propôs que almoçassemos juntos quebrarmos aquele silencio e pra selarmos a amizade eu respondi o e-mail que concordava com ele e que poderiamos almoçar no dia seguinte já que para o dia eu já tinha compromisso para o horario, então naquela tarde ele aproximou-se de minha mesa e trouxe-me um cafezinho como ele fazia antes pra quebrar o gelo.

A partir desse dia voltamos a almoçar juntos como antes afinal eramos adultos só estavamos nos evitando por força da situação que tinha acontecido pra não estragar a amizade entre nós, dai por diante começamos a conversar de novo, e tudo voltou ao normal, numa dessas caronas de nossas voltas pra casa desabafei que tinha discutido com o marido, eram coisas banais mas que estava ficando constante essas nossas discussões isso tava me desgastando.

Jeferson como sempre um bom ouvinte me confortava e como noutro dia novamente colocou a mão na minha nuca me fazendo uma massagenzinha e disse, relaxa o que voce precisa é ignorar a vida e seguir em frente e sempre me animava, ele me deixou no lugar de sempre nos despedimos e ao inves do tradicional beijo no rosto como sempre ele na hora do beijo virou seu rosto e beijou meus labios de leve disse essa é bitoca pra vc se acalmar, eu ri e como era só uma bitoca e nos despedimos.

A semana transcorreu normalmente quando chegou a sexta feira eu iria trabalhar so a parte da manhã porque na parte da tarde eu pedi dispensa para resolver alguns assuntos particulares meus, como eu era uma funcionária exemplar e eu tinha algumas regalias, entre elas de sair durante o expediente quando precisasse de resolver assuntos da empresa ou mesmo pessoal meu, não tinha que dar muitas satisfações a ninguem.

Na manhã seguinte ele me mandou um recadinho pelo MSN,
-e dai tudo bem com voce,
-respondi que sim,
– e dai acertou-se com seu marido,
-eu respondi mais ou menos,
– vamos almoçar juntos hoje, quro te fazer uma surpresa
– claro pode ser no lugar de sempre?
– Eu escolho o lugar, faz parte da surpresa??
– Falei surpresa é??? E qual é a surpresa?
– Se eu falar deixa de ser surpresa…. então vamos?
– Sim vamos, será que vou gostar da surpresa?
como chegou gente perto da minha mesa a conversa foi interrompida
Na hora do almoço quando saimos e ao invez de irmos nos restaurantes por perto da empresa que estavamos acostumados a ir, ele pegou o carro e começou a se afastar bastante de onde estavamnos e eu perguntei, onde vamos, ele disse não falei que seria uma surpresa, hoje quero te levar pra almoçar era em uma churrascaria e as churrascarias eram bem mais longe e durante o trajeto ele colocou a mão sobre minha coxa e começou a acariciar de leve, logo fiquei inquieta porque veio em minha mente de novo aquela sensaçao vivida ha uns dias atras e fiquei apavorada só com a ideia, mas durante o trajeto não passou disso finalmente chegamos a churrascaria e almoçamos tranquilamente conversando sobre tudo como sempre fizemos, falei pra ele que não trabalharia a tarde porque tinha alguns assuntos a resolver.
Talvez por ele saber que eu não iria pro escritorio na volta notei que ele tomou um caminho alternativo, e depois de algum tempo ele puxou o assunto sobre aquele dia começou a perguntar sobre o que eu senti naquele dia, se eu havia gostado, e eu respondi que foi uma experiencia nova que de certa forma gostei, porem não iria se repetir .. ele ficou calado, continuou dirigindo devagar até que subtamente parou o carro, olhou pra mim sem cerimonias pediu que o beijasse pela ultima vez, na verdade quase implorando eu disse que não, que eu era casada e a vez anterior já tinha sido um erro, então ele disse que era pra ele ter uma lembrança gostosa de mim e prometeu que seria nosso segredo porque depois ele nunca mais falaria mais no assunto.

Eu recusei varias vezes mas por sua insistencia acabei por ceder e ainda complementei que seria apenas um beijo mas no meu intimo correndo o risco e sabendo que poderia se repetir tudo então ele ele se aproximou delicadamente colocou a mão sob minha nuca e me puxou para si novamente e beijou só que eu relutei em retribuir apenas colei os labios e me deixei beijar… ele sussurou mas que beijo mais sem emoção mais mecanico gostaria de um beijo como na ultima vez … , já que vai ser pra ficar na lembrança, fechei os olhos sem dizer nada ele entendeu como um sim no que ele colou novamente os labios entre os meus e dessa vez e sua lingua invadiu minha boca messe momento eu num misto de consciencia pesada e excitação, acabamos por trocar um beijo intenso, depois tentei me desvencilhar mas ele segurando em minha nuca se recusava a terminar aquele beijo, lembrando da vez anterior que nos beijamos e eu gostei, a partir dai eu tambem não fiz muito esforço pra me desvencilhar e os beijos foram ficando ainda mais intensos só que dessa vez ele foi mais moderado não tocou meu corpo nem meus seios com suas mãos, mesmo porque era de dia..

Apesar de eu estar excitada em meus pensamentos inocentes eu estava era gostando daquela situação e daquela sacanagem quase colegial foi então que falei pra ele que parasse porque que minha roupa estava amassando que a tarde eu ainda tinha que trabalhar então pra minha surpresa ele falou que tinhamos uma hora e meia ainda antes do expediente da tarde e que poderiamos ir a um lugar mais reservado e era perigoso ficar ali na rua, etc.
Eu falei é melhor irmos embora me leva até o shoping preciso fazer umas compras, ele falou eu preferiria te levar a um motel, na hora minhas pernas tremeu, meu coração disparou relutei disse instintivamente disse não, mas ele insistiu e completou que eramos adultos e principalmente amigos e nada aconteceria se eu não quizesse e por semos ambos casados era mais seguro e ficariamos mais tranquilos num lugar reservado…não falei nada na hora, e por ser tao meu amigo que eu nao me imaginava transando com ele, falei me leva pro shoping não insita foi só um beijo e seria ultima vez e depois esqueceriamos que eramos apenas amigos, ele respondeu tá certo mas temos a tarde toda pra que tanta pressa tá com medo de mim?
Fiquei quieta eu não conseguia falar nada ele colocou o carro em movimento pensei que ele ia me deixar onde pedi notei que tomou um caminho diferente, quando dei por mim estavamos na portaria do Motel,

quando chegamos no motel, fiquei encabulada pela situação quiz desistir até peguei no volante do carro ele olhou pra mim e disse deixe de ser boba, é muito pior fazer escandalo aquina frente vai que alguem veja, melhor a gente entrar logo e lá dentro resolvemos o que fazer, fiquei quieta bixei a cabeça pensei comigo posso entrar mas não vou dar pra ele ele foi muito insolente , então ele pegou a chave e entramos, eu estava numa situação delicada, ali no motel com um homem que não era meu marido eu estava com certa raiva dele por essa atitude, então entramos sentamos na cama eu estava repreeenendo ele pela atitude que ele tinha tomado, conversamos por varios minutos eu tremia de medo e fiquei imaginando que a qualquer momento ele iria tomar a iniciativava e então o que eu faria,, não demorou muito ele me abraçou me deitou na cama contra minha vontade e não falou nada tentou me beijar novamente eu estava nervosa desviava a boca então ele começou a apalpar meus seios e falava em meu ouvido, ñão adianta resistir sei que voce tambem quer, hoje não vou sair daqui sem ter voce, e as caricias dele foram esquentando tentou enfiar a mão por baixo da minha roupa da minha calcinha e tocar-me….. o ambiente já era outro então ele foi carinhosamente abrindo os botões e abriu minha blusa, passava mão pelo meu corpo suavemente elogiava minha pele dizia que era bem macia e gostosa de ser acariciada, novamente colocou a mão embaixo da minha saia enfiou a mão por dentro da minha calcinha e percebeu que eu ja estava toda molhada, nesse momento eu já tinha entregado os pontos e falei pra ele que minha blusa estava amassando que eu tinha que ir ao shoping depois, então ele gentilmente comecou a tirar a minha blusa, e a beijar meu pescoço, e eu a esta altura ja estava toda entregue a aquele homem.

Depois de tirar blusa, meu sutiã e começou lamber-me por inteiro, começou pelos bicos dos meus seios passava a lingua por volta dos bicos na aureola, lambia eles debaixo acima de uma maneira delicada que só aumentava minha excitação, eu tentava falar-lhe a todo momento que nao passariamos daquilo, mas ele continuava nas caricias cada vez mais ousadas e eu baixava as resistencias

cada vez que eu resistia ele acariciava-me com a lingua chupando meus seios de uma maneira tao maravilhosa que eu tremia de tesão, até que ele retirou a minha saia fiquei só de calcinhas e soutiem até que ele retirou minha calcinha tambem nem ofereci resistencia e começou a lamber minha virilha depois meu clitoris de uma maneira que eu saí da orbita que eu nem vi que ele já tinha tirado a calça e a cueca tambem, já não adiantava mais tentar resistir eu já estava totalmente entregue aquele homem que não era meu marido. Eu ficava maluca principalmente quando ele chupava meu clitoris e ja tinha gozado, mas eu achava que ele ainda estava vestido que eu nem vi que ele tinha tirado a calça e a cueca tambem, não adiantava mais protestar eu já estava totalmente entregue. principalmente, ele me proporcionava um prazer como jamais eu tinha experimentado, e eu imaginava que em poucos momentos ele estaria dentro de mim, era um misto de excitação e medo, mas ali nós dois não tinha mais volta, nem ele pararia nem eu queria que parasse.
Ele começou novamente com sua lingua quente e veio vindo pra cima de mim, me lambendo da virilha até o meu pescoço e se e habilmente posicionou-se em cima de mim de forma tal que meus pés ficassem sobre seus ombros e eu ficasse na posiçao de frango assado nessa posição eu toda encolhida como uma contorcionista ele começou a chupar meu pescoço eu senti o seu membro encostando e entrando na minha gruta, eu tomei um susto, instintivamente tentei recuar, mas ja era tarde, ele me segurou pelos ombros, chupou meu pescoço, e comecou a me penetrar vigarosamente, deliciosamente, eu sentia cada centimetro membro até então desconhecido entrar todo dentro de mim, sentia cada estocada então finalmente me entreguei totalmente e comecei a gemerde prazer, claro que não demorou muito pra eu gozar.

Na minha cabeça só o fato de estar sendo penetrada por outro homem era o afrodisiaco que eu precisava e era como eu estivesse delirando num sonho daqueles que a gente não quer acordar. Minha excitação era tamanha, a adrenalina aflorava em mim pela situação proibida tanto que quando dei por mim que estava realmente transando e não era sonho, como não havia volta e eu nao podia fazer mais nada só me restou aproveitar da situação e me entregar interia para aquele homem proibido,
comecei a apertar a bunda dele, fazendo que eu comandasse os movimentos da penetração. Logo invertemos de posiçao e pude ver aquele membro pela primeira vez… peguei-a com muito carinho e fui sentando em cima dela até sentir seus pentelhos roçando na minha bunda, comecei a rebolar, ir pra frente e pra tras até ver a cara de satisfaçao dele.

Então ele me colocou de quatro e comecou a meter vigorosamente na minha gruta, e eu ja estava gozando de novo, ele me segurava pela cintura enquanto enfiava aquele membro gostoso , quando ele estava para gozar ele perguntou se podia gozar dentro de mim e falei que pra não corrermos risco de eu ficar gravida melhor não então ele tirou pra fora e gozou na minha bunda, onde pude sentir seu liquido quente escorrendo em mim. Nos recompomos, e eu ja estava totalmente descontraida, quando fomos tomar banho de banheira, ficamos nos tocando e eu pude brincar com aquele membro que me deu tanto tesao a minutos atras, ele sentou na bera da banheira e eu fiquei dentro d’aqua apoiada no meio de sua pernas olhando para aquele membro já apontada na minha direçao, ele pediu pra eu chupa-lo então comecei a chupar, passava a lingua desde as bolas a cabeça daquela circulando sua glande, quando percebi que ele poderia estar pra gozar novamente eu parei e sugeri que voltassemos pra cama, mas ele falou agora é sua vez.

Ele começou a lamber minha boceta, passando a lingua no meu cuzinho, eu me contorcia toda e logo senti aquela rola deliciosa na minha gruta novamente… quando eu estava praticamente gozando de novo, ele perguntou se eu ja tinha feito sexo anal, eu disse já tinha tentado mas nao gostava por isso nunca tinha permitido meu marido ir fundo entao ele falou que eu iria me surpreender meio acabrunhada deixei ele tomar conta da situação, logo senti que ele pegou um gel que tinha ali a disposição pra essa pratica ele lubrificou bem até que senti uma pressão no meu cuzinho e ele se abrindo para receber aquele intruso bem devagar e com jeitinho … que eu eu nao sentindo dor apenas uma dor bem suave mas quando a cabeça passou peloo meu anel anal dei um pulo pra frente com a dor que causou mas dai pra frente ele foi com muito cuidado pelo contrario, me senti completa sendo possuida por aquele homem, ele fazia movimentos leves, me fazendo ter um gozo anal coisa que eu hamais imaginei fozar assim um dia Eu nunca havia sentido isso. De repente ele começou a urrar de prazer tambem e eu senti aquele gozo quente dentro do meu traseiro confesso foi uma experiencia inesquecivel.

Depois de tudo tomamos banho, nos arrumamos e fomos tratar dos nossos assuntos já que a tarde tinha ficado curta, depois disso no trabalho agíamos como se nada tivesse acontecido. Depois disso claro que acabamos saimos mais agumas vezes até ele ser transferido para outra filial. Meu marido nunca soube de nada e até hoje, e vivo muito bem com ele, e de vez em quando quando transamos fico me lembrando dessa aventura gostosa e por que nao, segura. A primeira transa a gente nunca esquece seja ela boa ou ruim…. e se foi boa então fica na mente e recordar é muito bom.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *