Descobrindo o prazer anal

Meu nome é Edmilson, tenho 41 anos e 2 filhos, sou moreno, barbudo, um pouco acabado do sol, alto e estou com corpo em dia graças ao trabalho como pedreiro.. Sou casado a mais de 20 anos e amo minha esposa, nunca tinha traido até então, ela nunca me negou fogo na cama, mas quando ela começou a criar os cabelos brancos foi perdendo o tesão e ficamos algum tempo sem sexo, foi ficando pouco até não fazer mais, mas eu estava me aliviando só na bronha, batia punheta todos os dias, em casa e no trabalho.

Sexo Por Telefone

Quando cheguei nos 40 acabei tirando um dia para fazer para fazer o famoso “exame do dedo”, na real não queria mas a empresa obrigava ter esses exames todos que chegassem nessa idade, então marcado o dia acabei indo. fui pela manhã cheguei lá e uma moça muito simpática me atendia na recepção:

Eu- Bom dia, preciso ir no consultório de proctologista.

Ela- Claro, seu nome?

Eu – Edmilson…

Ela pegou todos os meus dados e me disse que o senhor Otávio iria me chamar quando acabasse o exame, um rapaz que parecia ser um pouco mais velho do que eu deixava a sala um pouco desconfiado, fiquei um pouco tenso, acabei sendo chamado pra ser atendido.

Otávio- Edmilson?

Fui entrando, era um rapaz jovem devia beirar uns 27 anos no máximo, parecia ser muito simpático, sorridente, alto, branco. Ele foi me perguntando sobre dores, disse que não tinha, perguntou sobre minha vida sexual falei tudo, que estava sem sexo mas me masturbava, me perguntou muitas coisas, então depois pediu para eu me despir e ficar de perna abertas na maca, eu então obedeci um pouco constrangido, fiquei pelado e abri bem as pernas, o medico disse que ia ser muito tranquilo eu fiquei seguro. Ele colocou as luvas e um tipo de lubrificante usado por médicos e colocou o dedo indicador no meu anus sem pedir licença, acho que pelo costume. No inicio senti umas pontadas mas sem dor nenhuma, dentro de alguns segundo comecei a ficar com tesão? isso mesmo o medico me dedava e eu acabei ficando excitado, eu não era viado, pelo menos acho que não era, o medido percebendo meu estado me explicou.

Otávio- Isso é normal, o anus quando estimulado acaba dando prazer.

Eu-Que bom, já estava me sentindo estranho kkk

Ele então me explicava os benefícios de estimular, sobre a vida sexual, tudo muito profissional, mas enquanto isso ele não parava de mexer dentro do meu cuzinho, e o pior, eu estava com mais tesão, ele ficou em silencio e continuou. “Que medico filho da puta, está me fudendo com o dedo” pensei. Mas não fiz a menção de parar, acabei ficando com muito tesão e dei uns gemidos baixos, ele perguntou se estava doendo, disse que não, então ele anunciou que ia colocar mais um dedo pra ver se estava ok pra terminar, eu não disse nada apenas me deixei levar pelo prazer. Ele colocou mais lubrificante e enfiou o outro dedo, e eu acabei por consequência abrindo mais as pernas, não estava mais disfarçando o meu tesão, ele percebeu e disse que estava quase acabando mas que ia explorar porque achava que tinha algum problema interno, ele disse que estava muito quente e piscando, poderia ser uma bactéria interna, mas no fundo acho que o tarado estava adorando me dar dedada sem falar nada, e eu que não ia falar, eu anunciei que ia gozar, ele disse que era normal que eu podia gozar se quisesse pois estava sendo estimulado por dentro e dava prazer. Comecei a sentir meu cuzinho mordendo os dedos do medico acabei gozando forte sem ao menos tocar no pau, os jatos foram tão fortes que chegaram no meu queixo, ele tirou os dedos e me ofereceu uns lenços úmidos para me limpar, então depois me limpei e me vesti, ele me deu uns diagnósticos e disse para eu voltar em um mês..

Fui embora do consultório me sentido estranho, nunca sentir aquele tipo de prazer, estava me sentindo sujo e fui embora.

No caminho para a empresa resolvi passar no shopping para comer, pois estava de jejum e não ia consegui trabalhar com fome, entrei e fui direto para a praça de alimentação, antes fui no banheiro lavar as mãos. O shopping estava vazio, sorte, pois ia conseguir almoçar rápido, embora a empresa tenha me dado o dia livre, não ia consegui voltar pra casa e olhar para minha esposa, estava com muita vergonha e precisava me distrair para esquecer.

A vergonha passou rápido, enquanto eu lavava as mãos a imagem dos dedos do médico não saiam da minha cabeça, estava com tesão outra vez, pensei duas, três, quatro, dez vezes, acabei entrando em um dos banheiros reservados, tranquei e sentei na privada, abaixando minhas calças, sabia que estava enganando a mim mesmo. Abri minhas pernas apoiando na porta, passei o dedo na boca e comecei a dedar meu próprio cuzinho com o dedo indicador igual o medico. Sabia que aquilo era errado, estava conhecendo uma nova forma de prazer, mas aquilo estava me deixando muito excitado sendo dedado pela segunda vez no dia e pior, estava adorado aquilo. comecei com um dedo, mas estava testando com o segundo já, não aguentei e comecei a gemer baixinho e já colocando o segundo dedo.

Quando ia colocar o terceiro escuto a portar do reservado do lado fechar, então dei uma travada e comecei e diminuir nas dedadas, colocando bem devagar. comecei tudo de novo e gemendo baixinho, mas os cara ao lado estava gemendo também, percebi que estava batendo punheta, não sei porque mas aquilo me deixou mais louco ainda, não sei onde estava coma cabeça, estava excitado com o cara punhetando aos meu lado, descobrindo minha nova natureza, ele estava gemendo baixinho mas consegui ouvir, percebi que ele tinha parado então comecei a me dedar outra vez e gemer , quando penso que não sinto uma mão subindo pela minha coxa, estava sendo bolinado, percebi que ele tinha agachado pra passar a mão pela divisória, achei que aquilo estava indo longe demais mas quem disse que parei? sentir ele encontrar meu orifício anal e foi colocando o dedo do meio, eu fui me ajeitando para receber melhor a dedada, o cara era negro e tinha um dedo enorme, e foi me penetrando sem pedir licença. Nessa hora já estava apoiando as pernas nas paredes, uma no norte e outra no sul arreganhadão e pedindo pra ser penetrado por aquele dedo de negro safado, estava adorando aquilo tudo, faziam muitos anos que eu não sentia tanto tesão, estava entregue para aquele negro. Depois de muito me dedar e chegar a quase 3 dedos ele tirou os dedos e voltou pro reservado, acho que tinha entrado alguém, era um outro rapaz que entrou nos reservados da frente, quando ele trancou a porta o negão mais uma vez agachou mas dessa vez ele passou o pau por debaixo, eu estava em transe, não sabia o que fazer, estava achando que aquilo ia longe demais mas estava amando. Então eu entendi o recado levantei da privada ficando de cocoras agachando em cima da rola do negão que devia medir uns 18 cm, porem grossa, passei um pouco de saliva na cabeça do pau dele e fui sentando devagar, quando a cabeça passou com um pouco de dificuldade pelo meu reto e resto foi entrando tranquilo, aos poucos senti os pentelhos do negro roçando na minha bunda, tinha entrado tudo, então ele começou a meter devagar e aos pouco foi ficando rápido, senti uma trolha dentro de mim, estava curtindo, em menos de 5 minutos estava sentindo um jato quente de esperma invadindo meu ânus..

CONTINUA

VIDEO DO CONTO: http://machosgaysamadores.com/negro-metendo-no-cuzinho-pela-divisoria-do-banheirao/

Disk Sexo

3 thoughts on “Descobrindo o prazer anal

  1. Edmilson, seu safado.
    Gostou de ser entrando.
    Imaginei você e eu, mas você usando fio dental e ferrado no cuzinho.
    Gostei e imaginei enterrando minha rola e seu cuzinho mordendo ele.
    Se morar em São Paulo me avise.
    Quero deixar você de pernas moles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *