Virei corno em Curitiba

Chamo-me Alex, moro em Curitiba, sou moreno claro, 1,89m, 92 kg e 19 cm. Através de outros contos tenho oportunidade de conhecer casais, casadas e solteiras em busca de realizar suas fantasias, sempre com sigilo, educação e descrição para não comprometer ninguém.
Recebi um e-mail de Alice, namorava com Raphael a 4 anos, seu único homem até o momento. Alice tem 21 anos, é morena clara, cabelos curtos, seis pequenos, cintura fina e uma bunda que chama atenção. Alice, me disse que cerca de um ano ela e namorado fantasiam de ver ela dando para outro, mas na hora H ele Raphael sempre dá para trás, tem vontade mas medo de perdê-la , pois, Alice é uma menina linda. Porém, na cama sempre ele toca no assunto, onde pegam fogo, mas na hora de por em prática ele sempre inventa uma desculpa. Até o momento Alice me disse que aceitou aquilo, mas ao transarem ela também criou a fantasia e sentiu vontade, mas como seu namorado pulava fora depois da transa, sua imaginação ficou fértil e ela queria realmente dar para outro.
Alice disse que procurou na internet e acabou achando um conto meu, que gostou muito, principalmente pela educação e respeitar, já que é apenas sexo. Expliquei a ela como funciona, o sigilo é fundamental, e que não faria nada que ela não topasse. Que poderíamos nos conhecer primeiro para ver se ela se sentia bem, a vontade, até para ver se rolaria química.
Com o passar do tempo Alice foi se sentindo confiante em fazer aquilo sozinha e marcamos de nos conhecer em um parque de Curitiba, ambos estávamos de carro e seguimos a nosso encontro. Estacionei o carro e avisei a ela onde estava, poucos minutos depois apareceu Alice, estava com um shorts jeans bem curtinho e uma camiseta. Sai do carro e fui ao encontro dela para cumprimenta-la, Alice era baixinha perto de mim tem 1,60m, estava cheirosa e consegui envolver ela em meus braços. Nossa Bruno, como você é grandão, disse sorrindo. Pedi para ela entrar em meu carro para conversarmos melhor.
Alice estava tremendo de nervosa, comecei a fazer brincadeiras, deixando ela mais a vontade, pouco depois ela já estava mais solta contando o que ela já tinha feito com o namorado, que ele deixou ela com vontade e queria fazer isso, que eu era mais bonito que seu namorado e demos risadas.
Conversamos por cerca de 1 hora, quando vi que ela estava mais calma rolou o primeiro beijo, meu pau já estava duro, quando senti sua mão alisar ele para conferir. Ela apalpou e falou que era bem maior que de seu namorado que eu não poderia machuca-la. Disse que não faria isso e perguntei se ela estava pronta. Ela respondeu que diante de minha educação, e do meu jeito estava.
Saímos do estacionamento do parque e fomos a um motel que tem ao lado. Não deixei Alice pensar muito quando chegamos lá, ao entrar no quarto senti sua mão gelada, puxei ela de encontro a mim, e dei um longo beijo, minhas mão percorriam seu corpo, senti o bico de seus seios duros encostando em mim, peguei ela no colo e levei até a cama, conforme beijava seu corpo fui tirando cada pela de sua roupa, e cada peça que eu tirava ficava admirado com tanta beleza.
Beijei sua boca, seu pescoço, desci em sem seus seios brinquei, mordi levemente, lambi, queria aproveitar cada pedaço daquela mulher. Minha boca percorreu seu corpo até chegar em sua virilha, não fui direto ao ponto, brinquei bastante ao redor, sentia que estava encharcada, sua bucetinha já escorria aquele néctar delicioso. Sua bucetinha era toda depilada, segundo ela a primeira vez que depilou tudo, lambi ao redor, chupei seu lábios, até chegar em seu clitóris, iniciei chupando de leve, leves lambidas, depois comecei a sugar, fazer a circulação do clitóris ir mais rápida, estava aumentando o ritmo, e numa pegada firme em sua cintura puxei de encontro bem colada em minha boca, iniciei várias lambidas frenéticas, queria o gozo dela em minha boca, e sabendo chupar lima bucetinha, como é bom fazer uma mulher gozar, Alice se contorceu levantou o quadril e em um gemido ato estava gozando, senti as contrações dela. Não quis deixar ela parar, ao se acalmar, coloquei dois dedos e tocando o céu de sua bucetinha, e lambendo seu clitóris ela voltou a gozar, desta vez mordendo meus dedos em suas contrações.
Alice, me puxou e me deu um beijo que não queria mais soltar, deitei em cima dela, ela estava tão molhada que ela rebolava por baixo fazendo meu pau entrar em sua bucetinha, conforme entrava sentia ela apertadinha, deixei ela conduzir para não machuca-la, quando ela deu um gemido alto, foi a hora que entrei tudo. Que pau, disse Alice, meu namorado não tem a metade disso!
Comecei fazendo movimentos, leves, quando senti que estava entrando fácil, olhei no rosto dela e disse, agora vou te comer todinha, e comecei a socar, metia forte, ela gemia alto, sentia sua bucetinha cada vez mais molhada, estávamos com muito tesão. Alice pediu para ir de quatro, virei ela enrolei a mão em seu cabelo, encostei a cabecinha e deixer deslizar cada centímetro de meu pau. Segurei forte em sua cintura e iniciei as socadas, conforme socada, dava tapa naquela bunda gostosa e branquinha, estava em um movimento frenético, não queria parar de socar, ela gemia gostos, quando senti ela morder meu pau, Alice estava gozando. Deitou na cama, dizendo que já estava acabada. Dei uma trégua a ela, e fui beijar seu corpo novamente, sua nuca, seus ombros, Alice estava toda arrepiada, meu pau latejava de duro, Alice se virou e me deu um beijo, dizendo que querido que eu era. Desceu até meu pau e começou a chupar, não sei se estava com vergonha ou se realmente não sabia chupar, então comecei a narrar como ela deveria fazer. Alice estava se soltando, aos poucos, perguntei se ela estava bem em fazer aquilo, se não estivesse não precisava fazer. Foi quando ela respondeu que ela e seu namorado fizeram sexo oral um no outro apenas uma vez, que eu namorado tinha nojo, e assim, ela realmente não sabia como manusear. Me pediu para ajuda-la. Fui dizendo que deveria fazer e onde gostava que tocava, acho que ela estava com tanta vontade de chupar um pau, que pouco depois babava e tentava colocar tudo na boca. Saiu uma gota de porra, ela provou e disse que era bom, tinha medo do gosto, mas gostou.
Puxei Alice em cima de mim, ela pegou meu pau e encaixou em sua bucetinha, que já não era tão apertada, mas estava tão molhada que entrava muito fácil. Meu deu um beijo e começou a rebolar, sentava com vontade, segurei em sua bunda com força e soquei, sua boca estava perto de meu ouvido e ouvia seus gemidos em cada entrada que meu pau dava. Falei no ouvido de Alice que ela era minha putinha, que eu iria foder ela quando ela quisesse, ela disse jura, por que nunca fui comida assim. Segurei mais forte em sua bunda e meti com mais forção, que delicia de mulher, estava transformando ela em uma putinha. Falei que meu pau estava cheio de porra, onde ela queria? Ela disse que eu poderia gozar onde quisesse, mas de preferência nela dando uma socada bem gostosa.
Segurei sua bunda e chamando ela de putinha, soquei, soquei, soquei até soltar jatos de porra dentro de sua bucetinha. Alice veio me beijar dizendo que eu tinha acabado com sua bucetinha, rimos, nos beijamos e fomos para banho.
Voltamos para cama Alice pediu se poderia fazer uma coisa, queria provar porra, que estava curiosa. Como negar, Alice chupou meu pau, já com mais sabedoria, só pediu para avisar quando fosse gozar, pedi para ela alisar com a mão enquanto chupava, ela babava gostoso, falei que iria gozar, ela deixou sair tudo só batendo punheta, depois enfiou a boca, olhou para mim, disse que gostoso, vou te limpar e lambeu, tomou tudo, como uma gata sedenta de porra.
Alice foi se limpar precisávamos ir, me pediu um abraço e outro beijo antes de ir, e se era verdade o lance de ser minha putinha, disse que sim, que seria seu pau amigo.
No caminho, ela me agradeceu por respeita-la, não ter feito nada que ela não quisesse e por ter deixado ela chupar e tomar porra, que sempre foi curiosa, mas seu namorado não deixava. Disse que foi sua melhor gozada em minha língua, que não sabia quanto era bom ganhar uma boa chupada.
Deixei ela em seu carro, e fomos embora, conversamos muito via watts, já comi ela mais duas vezes, inclusive uma em sua casa. Ela esta preparando o namorado para assistir, mal sabe que já estou comendo ela. Alice me indicou a uma amiga de faculdade, Nicole, também 21 anos e quer trair o noivo, estamos nos conhecendo, quem sabe próximo conto não é dela ou das duas.
A casais, casadas e solteiras que queriam, realizar fantasia, com descrição, sigilo, educação e respeito acima de tudo entrem em contato.

One thought on “Virei corno em Curitiba

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.