Dedada no rabo na praia do pescador

Me chamo Eduardo, sou marrom, mistura de índios, negros e espanhóis, bem brasileiro. Tenho 1,76cm 98kg bem distribuídos, com uma pançinha e pernas e bunda torneada. Sou todo peludo, até nas costas, no rabo nem se fala. Vim passar o natal com a família em Itanhaém, e já cheguei ligando os aplicativos para ver quem e o que rolava de putaria nessa viagem.
Sou livre, fico com alguns caras fixos, outros mais afetivamente mas tô sempre na busca de um sarro e uma brincadeira com macho.

Sexo Por Telefone


Nesse dia me deu um puta fogo no rabo, estava passeando com a família e vi um ursinho lindo na rua, ele tava de pá meia bomba dentro do moletom. Porra, o cara tava de brincadeira, quando dei uma aproximação vi que ele tá caçando no Hornet, apertei o pau e fiquei na pira. Mas não rolava nada, tinha que estar com a família, com quem havia combinado de sair pra jantar.
Mas a noite não acabaria na mesa de comida. Meu cu piscou e a rola também, precisava sair dali e foder. Ou ia acabar batendo bolo mais uma noite.
Então me dispus a olhar os caras em todos os aplicativos. Eu queria algo que não ficasse de muito papo. Então chamei um paizão preto que tinha uma rola imensa. 56 anos e parecia todo melado de porra nas imagens que me mandou. Falei com ele e marquei de encontra-lo perto da Praia do Sonho. Fiquei num ponto principal da via, onde havia marcado com ele. Mas nada. Ele parecia demorar mais que o combinado, então vejo um careca bombado na rua, do outro lado da calçada, pedindo uma carona pois havia sido assaltado. Parecia suspeito. O cara que estava no carro recusou a carona a ele, e ele ficou no ponto de ônibus, mas como já passava da 00:00 estava quase impossível um circular. Nosso vejo um barbudão passando pelo careca e falando com ele. Achei que eles iam ficar de papo, mas o careca parecia de cabeça quente e deu um corte nele. Eu assistia tudo do outro lado da rua.

O tal barbudo seguiu em frente e me viu, me fitou e bem na hora eu amassei o pão, peguei forte no pau. Percebi que ele deu moral, apertei de novo e sinalizei com a cabeça.

Ele deu sinal que iria atravessar a rua. Puta merda, e o paizão que marquei? Foda-se?
Nisso o barbudão veio e chegou perto, ele tava de chinelo, regata e bermuda, o típico morador do litoral.
Pegou firme na minha mão e disse:
– prazer, Roger
– prazer, Edu
– e aí, Edu, tá de bobeira?
– pô, na real eu tava esperando alguém, mas agora tô indo fumar um Beck na rpaia do pescador, quer ir?
– ah, bora lá

Esqueci do paizão de 50 e poucos e segui numa ruazinha com Roger. Ele contou que era de Ribeirão, mas já havia notado na capital e estava há alguns anos no litoral. Chegamos na praia e vimos que uma das partes da praia haviam 3 carros, resolvemos ir para o outro lado, mas Roger parou e abriu a bermuda pra mijar, quase acertou no meu chinelo, o que já me deu um tesão, adoro mijo.
O cara tava cheio, havia bebido numa adega e estava indo pra casa.
Mas aí seguimos pra um canto mais escuro da praia, onde haviam algumas pedras, ficamos ali e achamos um lugar ideal.
Meti a mão na rola dele e disse:
– quero mamar
Ele abriu o velcro e respondeu:
– mama guloso
Eu percebi que era uma rola de uns 15cm e não muito grossa. Mas tinha algo naquele cara que meu cu piscava e que ter 15cm ou 23cm não faria a diferença, eu estava na mão dele.
Ele então levantou a camiseta e eu mandei os peitos. O puto gemia e mandava eu mamar a rola dele. Todo pentelhudo, lambi as bolas pesadas que ele tinha e toda a região, e danei a chupar, estava disposto a ganhar leite na boca.

Mandei muito e ele falava:
– porra tio, que guloso que cê é
– posso mamar você por horas
– então engole esse caralho, porra

Me dediquei ainda mais, ele tava louco, já havia cheirado e lambido o suvaco, no meio das pernas, querendo um pedaço daquele macho pra mim. Ele falava:
– profissional hein!! Mama mais..

Em certo momento eu levantei e ele voltou parte da língua pra fora, lambi a ponta da língua e ele babou. Tomei da baba dele. Queria tudo daquele macho. Falei:
– deixa eu mamar seu pé.
– deixo, pai..hahahaha
E enfiou o Pezão na minha boca. Gemia, gemia e pedia mais.
Ele me vira e fala:
– Quero esse rabão!
– todo seu! Fode cara..
– você já levou duas rolas nesse rabo guloso?
– não, ainda não…
– ainda né puto..
– por que?
– quero comer vc com meu amigo. Topa?
– topo demais, quando?
Ele só enfiou o dedo no meu rabo até o talo enquanto se masturbava.
Eu batia e falava: – me fode porra, tô quase gozando!!
– vai, goza, tô com dois dedos nesse cu
– porra, assim não aguento cara
– vai pai, goza
– que isso cara, vou gozar!
– isso tio, puto, espirra!!

E eu gozei, esporrei longe nas pedras. Minhas pernas tremiam, e ele mantinha os dedos no meu cu que já mastigava os dedos dele.
– gostou putinho?

Eu já gozado, disse: – porra, delícia….tira o dedo no meu rabo por favor.
– não vou tirar não hehehe
Mas tirou, eu já sentei na pedra e voltei a mamar. Mamei mais alguns minutos, mas ele disse que demorava a gozar, que precisava ir embora. Eu acendi o baseado e fomos andando.
Ele me deu um beijo e cuspiu na minha boca e disse que iria embora. Eu fui na direção oposta.

Cheguei em casa o paizão disse que havia passado e não me visto, rs. Mas combinei de foder com ele amanhã. Volto em breve pra contar mais

#blackpanter

Disk Sexo
Posted in Gay

One thought on “Dedada no rabo na praia do pescador

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *