Comi minha namorada no onibus

Meu namorado que escreveu….. Bom estavamos em Petrópolis visitando o museu e a famosa rua Tereza, e a cada vez q a mina que eu estava ficando (na época não era minha namorada), ela é magrinha, mas é tipo falsa magra, tem corpinho todo em cima e certinho, bundinha redondinha, peitinho que cabe na palma das mãos, boquinha carnudinha, cabelo preto curto meio liso meio enrolado, enfim… sempre que ela encostava a bundinha dela na minha pica, ela me sentia armado e já sabia que a qualquer momento eu podia fazer uma loucura de levantar seu vestido vermelho estampado e dar uma pirocada naquela bucetinha em algum beco vazio, mas não foi possível pois nas ruas havia certo movimento de pessoas. Porem sabia q na hora de ir embora iamos pegar o ônibus de volta para o Rio vazio, era um dia de semana, tempo meio nublado, época de baixa temporada, e não deu outra. Já na rodoviária sentamos numa lanchonete, pedimos um lanche,e logo pus a mão debaixo da mesa, sob o vestido dela e fui subindo os dedos pelas coxas até encostar na sua xaninha, ela resmungou dizendo que alguem podia ver, mas nem liguei, fiquei ali cutucando a xerequinha dela, até sentir ela mais macia como se estivesse relaxando a piriquita, e sentia também a calcinha umidecendo, hummm… já imaginei q no busu minha pica ia escorregar fácil. Logo o ônibus chegou, entramos e fomos para nossa poltrona que era a ultima do lado do banheiro, e assim que o ônibus partiu eu comecei o trabalho, já puxei ela pelo pescoço para baixo em direção a minha baguilha, para ela puxar meu pau pra fora e pagar aquele boquete gostoso que eu tanto esperava, as luzes do ônibus apagadas, ninguém nas poltronas próximas, eu atento pra ver se ninguém ia ao banheiro enquanto ela envolvia minha piroca com a sua boquinha quente e macia, hum…com a língua trabalhava em cima e em volta da kbça do meu pau lentamente enquanto suas mãos arranhavam a base da minha pica de leve, que delicia, ela tentava engolir meu piru todo, mas não conseguia devido tamanho quando fica muito duro, mas ela sempre vai até onde pode, eu consigo sentir a glande do meu pau alcançar a sua garganta, sempre q ela tenta engolir ele todo, ela pagou um boquete delicioso, me deixou em ponto de bala, e logo a puxei pelo cabelo, claro sem machuca-la, ela já sabe q quando dou um puxão é para ela parar, e ela veio devagarzin lambendo desde de a base da piroca até a ponta da kbça e deu a ultima abocanhada nele todo, e subiu em cima de mim, pondo sua calcinha preta, pequena toda enfiada na bundinha pro lado. Sentou de costas pra mim se segurando na poltrona da frente, meu piru estava muito duro as veias estavam grossas e pulsando de tesão ao entrar naquela bucetinha apertadinha, quente e macia, ela foi se ajeitando em cima da piroca enquanto penetrava de leve e escorregando para dentro dela, assim q ela sentiu que já tinha entrado tudo ela começou a rebolar com a vara toda dentro, eu apertava seus peitinhos nas duas mãos um em cada mão, e fazia força pra dentro dela mesmo com ele todo dentro, ela gemia baixinho, mas se segurava pra não gritar de tesão, pus uma das mãos na boca dela pra ela chupar meus dedos enquanto eu começava a socar nela bem devagar pq a cada estocada que eu dava na bucetinha ela dava uns pequenos sussuros mais alto. Não demorou e ela começou a morder um de meus dedos, e com uma das mãos dela segurou uma de minhas mãos que ainda seguravam seus peitinhos o apertando tb, era o sinal de que ela não aguentava mais segurar a vontade de gozar, nossa ela quando goza, eu sinto a xoxota dela se encharcar e deixar meu pau todo atolado no seu gozo morno, as paredes da sua vulva ficam mais macias que o normal e se dilatam, nessa hora eu sempre meto ainda mais, pq a piroca fica mais solta e entra e sai facil dentro dela, meto pra arregaçar a xerequinha dela, mas dessa vez não dava, se eu o fizesse ela ia berrar dentro do onibus, fiquei na minha e só a puxei pra cima do meu corpo enquanto com uma das mãos dela ela tocava na buceta para poder gozar se masturbando. Que delicia senti-la gozando…ummm Depois q ela chegou ao climax, eu pensei em encharca-la e inundar a bucetinha dela de porra, mas não podia, pq estavamos metendo sem camisinha, e ia escorrer pelas pernas dela ia sujar as poltronas enfim…pedi para ela descer e mamar de novo a vara, pq ia gozar dentro da boca dela para não sujar o ônibus, logo meu piru começou a esguichar porra com jatos fortes e intensos pra dentro da garganta dela, achei ate q ela fosse engasgar de tanta porra que pus pra dentro da boquinha dela, mas não, ela recebeu tudinho e não deixou uma gota cair, apenas escorreu um pouquinho pelos cantos da boca, mas logo ela os pegou dando aquela lambidinha com a língua e pegando o que estava escorrendo…ummmm…que delicia… Depois disso ela foi ao banheiro e relaxei o resto da viagem, chegamos ao Rio bem relaxados. rsrsrs DETALHE QUE NINGUEM NOS ATRAPALHOU INDO AO BANHEIRO, E DEU PRA DAR ESSA FODA GOSTOSA SEM INTERRUPÇÕES!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *