COMI MINHA DENTISTA, NO CONSULTÓRIO – Parte I

Quebrei uma restauração de um dente, minha esposa me deu o nome de uma dentista, esta trabalha numa clínica na Tijuca, Rio.
Fui até ela, me apresentei e marquei. Luci Anna uma loura de mais ou menos 1,70 de altura, 42 anos, rosto redondo e sorridente, marquei para a segunda feira, na hora marcada cheguei olhou meu dente conversamos, ela sorridente e atenciosa foi cuidando de mim com muito profissionalismo, várias vezes conversamos com olho no olho, vi sua beleza e confesso que pensei como seria a mamada dela. Explicou-me que o procedimento era demorado e que toda segunda feira queria me ver… ver meu dente. E, assim se foram durante oito sessões. Na terceira estava totalmente solta, sorriso, risos, conversas e certa saliência para o meu lado, várias vezes ela roçou seu seio direito em meu ombro, mesmo estando com

Sexo Por Telefone

o jaleco fechado, senti a textura pareciam ser grandes e duros. Várias vezes ela falava comigo muito próxima, olhando nos meus olhos simpaticíssima. Certo momento Ela se dirigiu a um quarto escuro para analisar um raios-X, discretamente coloquei meu pau para o lado, assim ele ficaria marcando a bermuda, coloquei minhas mãos por cima, ela voltou me explicou sobre o problema, e voltou ao seu trabalho. Tirei as mãos de cima da bermuda, as deixei caírem de lado, eu de olhos fechados, os abria um pouco para ver a cara dela, já que ela estava em minha frente, e olhava a marca dos seios e o canal entre os dois. Em dado momento ela se afastou para trocar a ferramenta, ao retornar ela olhou na direção de minha bermuda, mesmo mole criava um volume “ilusão de ótica”, olhou e deu um leve suspiro. Notei que ela se desconcentrou e retornou para a mesinha, puxei um assunto qualquer, ela respondeu – engraçado, sumiu uma broca, tenho certeza que estava aqui!

Respondi com malícia – olha direito que deves achar!
Respondeu de imediato – achei algo tirou minha atenção!
Virou-se e sem querer olhou para minha bermuda, desta vez ele estava um pouco saliente. Ela percebeu que eu tinha visto seu olhar… continuou seu trabalho, fechei os olhos novamente, imaginando uma mamada daquela boca pequena e, naquela posição que me encontrava.
Acabou a 2ª sessão, disse que segunda-feira o trabalho iria demorar 3 horas, reservaria a manhã para mim.
Respondi sorrindo e olhando para ela – ok, segunda sou exclusivo seu! Despedimos-nos com beijinhos e um abraço, notei que o abraço, foi mais intenso e demorou um pouco a me soltar, nos olhamos e sai.
09:00 horas pontualmente cheguei, recebi uma MSN, dela
– Vou atrasar 15 minutos.
Aguardei, ela chega ao corredor e me recebe, notei que estava diferente, seu sorriso um pouco triste, mesmo assim receptiva. Ela avisa para a recepção que não pode ser interrompida, que o processo é demorado… Estava vestida diferente, por baixo do jaleco usava saia, ao invés da calça, sapato de saltinho no lugar do sapato baixo, me dirigi à cadeira sentei, ela fechou a porta e deu uma volta na chave, de outras vezes apenas fechava a porta normalmente, percebi que o jaleco estava fechado com dois botões próximos à cintura, usava uma blusa de malha grossa, detalhe, não usava sutiã.
Eu usava uma bermuda, solta, fina, mais usada para praia, deixando parte das minhas grossas coxas á mostra, usei um perfume Polo, suave, mas suficiente para ela sentir que o cheiro era para ela. De cara me disse – vc todo a vontade e cheiroso, delícia esse perfume, amei o cheiro.
Respondi olhando para ela, – 3 horas aqui tem que estar quase à vontade, e cheiroso né? Que bom que você gostou! Também me olhando disse – então, fique bem à vontade… o processo vai ser demorado más prazeroso. Fiquei… e tentando entender o prazeroso, minha barriga gelou e os sinais vitais do meu pau começaram aparecer.
Quando colocou o molde para moldar minha arcada, em certo momento machucou, eu que estava com a mão solta, de leve apertei sua cintura, me perguntou se machucou, disse – incomoda um pouco ela continuou a moldar, desta vez o incômodo foi menor, mesmo assim fingi, e apertei a cintura com mais força, ela se retraiu, percebi no olhar que gostou me olhou e disse – desculpas, já acabei, e essa sua mão!
Falei – desculpas, mas agarrei onde pude, machucou?
Ela – não, gostosa sua pegada.
Percebi que os mamilos estação duros, nos olhamos, ela ia ver meu dente, os olhares se cruzaram e com certa rapidez me levantei e fui de encontro a sua boca, começamos um beijo suave, voltei na posição que estava, meu pau querendo saltar da bermuda e pronto para foder minha dentista. Ela se jogou com seu corpo sobre o meu, segurava minha boca o beijo ficou mais intenso. Coloquei minhas mãos nas suas costas, devagar coloquei por baixo da blusa, acariciei aquela pele sedosa, nosso beijo agora era sucção. Fui subindo com as mãos, cheguei aos seios, os acariciei, eram dois cocos, duros e gostosos, acariciei os mamilos, gemeu, me mordeu, seu haaaaa intenso, foi bom em ouvir, levantei a blusa, pude ver aqueles seios lindos e pontiagudos pela posição, os bicos inchados e roçando em meu queixo, ela facilitou e colocou um em minha boca, os suguei ela gemeu, suspirou e – aiiii que boca gostosa, mama gostoso. Colocou o outro, queria ter duas bocas
devagar peguei sua mão direita e levei até minha bermuda, ela foi direto, pegou firme, se surpreendeu quando o tocou, eu a mamava e beijava, ela sussurrou – como ele é grosso, grande gostoso… quero sentir ele todinho. – Ele é todo seu, quer dar um beijo nele, uma mamadinha? Ela – não, quero fuder, sentar nele… segunda feira vou mamar nele, quero sentir o leite dele, jura que durante a semana, vc não fode com sua mulher e nem vai te masturbar? Disse surpreso – juro, difícil depois de hoje não tocar uma punhetinha pensando em você. Mas se você quer assim farei o sacrifício.
Essa conversa entre beijos, mamadas e apertadas no meu pau, ela olhava e o acariciava, por um momento pensei que ia cair de boca…
Levantei sua saia coloquei minha mão na buceta: pequena, o grelo fino e comprido, mas carnuda como uma manga, estava molhada, passei os três dedos na buceta, molhou minha mão, passei esse mel nos mamilos, e os lambia e sugava, ela olhava eu fazendo isso admirada, lambia meus dedos, suguei o dedo e puxei para o beijo, beijava sua boca, eu lambia minha mãe e juntos nosso beijo lambia a mão, o cheiro de buceta já estava impregnado, ela se contorcia a sai já estava na cintura, levantou a blusa colocando-a em seu pescoço, por traz da cabeça os seios agora eram meus, devagar ela foi se ajeitando. Sentou em minha barriga, mas a cadeira era incomoda para isso. Jogou seu peso sobre meu corpo me abraçou e me beijava com doçura e excitação, começou a roçar seu rabo na minha pica, tentei ajeitar com minha mão, ela pegou minha mão, e devagar ela começou a roçar seu grelo no meu pau, rebolava esfrega a buceta sobre minha pica, com a cabeça apontada para mim, fazia movimentos rápidos, se deliciava passando o grelo da cabeça até as bolas, eu já estava me segurando, esta brincadeira já durava 35 minutos. Ela parou com os pequenos lábios sobre a cabeça do pau, esfregou o clitóris, e devagar foi subindo, a cabeça do pau e clitóris se beijando, quando minha pica ficou de pé, ela começou a soltar o peso, quando a cabeça entrou ela se jogou, o pau entrou apertado, o calor da buceta era algo diferente, me beijando gemeu e mordeu meus lábios, sentou no pau ficou se acomodou e começou um vai vem devagar. Subia lentamente e descia com força, se ajoelhou na cadeira e começou a cavalgar, sempre lentamente. Os movimentos começaram a aumentar, mas a cadeira não era o lugar ideal para isso, ela disse para sentar no pufe próximo à mesa, fomos rápidos até lá, nos beijando, minha bermuda e cueca estavam agarrada no pé direito. Ela tirou o vestido, sentei agora ela abriu as pernas e sentou de frente no meu pau, me abraçou, me beijou e começou a cavalgar freneticamente, os seios pulavam eu tentando mamar ou beija-la. Ela parou na ponta do pau, por um momento me olhou de boca aberta, disse – vou gozar e se jogou na pica, me beijou e fez um haaaaa, tive que colocar minha mão na sua boca, para abafar o grito, tirou minha mão e nossas bocas estavam loucas, nossas línguas de entrelaçavam. A respiração dela ofegante e o vai vem no meu pau era intenso. Por fim suada, ofegante e me olhando disse – nossa, há muito tempo que não tenho relações sexuais deste jeito assim.
Eu doido pra gozar, sem tirar o pau a coloquei de quatro no puf, ela se ajeitou de cotovelos na mesa. Comecei devagar o vai e vem. A peguei pelos cabelos, a beijei, lambia seu ouvido, beijei e suguei seu pescoço, coloquei o dedo maior na sua boca, aumentei as estocadas, ela sugava meu dedo com muita força. Fiquei de pé peguei com força pela cintura e comecei a estocar com força e velocidade, disse – vou gozar!
Ela disse – não pode na bucetinha.
Falei – vou encher tua buceta de porra então, doido pra te comer e gozar na tua boca ou buceta escolhe…
Nem acabei de falar eu explodi no momento que se jogando pra traz e me olhando dizia – goza, explode enche a buceta de porra.
Fiz um haaaaa hummmm, estoque mais meia dúzia de vezes, e o vulcão explodiu, ela sentia os jatos de porra invadindo seu útero e buceta, dizia – aiii que porra quentinha, goza com vontade, enche ela com essa porra, esticando-me joguei-me sobre ela. Nos beijamos, com sua mão me abraçou pelo pescoço, acolhendo-me junto seu rosto, ainda o vai e vem continuava devagarinho, sentia que a porra começava a sair, escorrendo pela bunda, minha virilha encharcada de nossos líquidos. Cansado me sentei no pufe, Com papel umedecido limpou sua buceta, a porra escorria pelas suas pernas, limpou minhas bolas e minha virilha como quem cuida um bibelô, se agachou no meio das minhas pernas, limpou meu pau com sua boca e língua, o lambia com suavidade como ato de agradecimento, lambia seus lábios, e para completar sugou a cabeça para extrair as últimas gotas dele, vendo a cena e a vontade da mamada final, ele começou a ficar duro novamente pedi para parar caso contrário ela iria arcar as consequências, sorriu e fez garganta profunda, por um instante fechou os olhos e a atenção foi para a pica de 22cm x 7, lambeu as bolas, e ia colocando minha cueca, fiquei de pé, ainda duro o acomodou, deu uma mordidinha por cima da mesma, e para me sacanear, o colocou de cabeça para baixo, leva, com a cabeça perto da minha virilha e descobriu só a cabeça dele deu um beijo gostoso falou – até segunda pica gostosa, não esqueça… .quero mamar esse leite condensado todinho te comporta tá! E deu mais umas mamadas profundas.
Se levantou nos abraçamos nos beijamos. Ela foi para o banheiro, eu me vesti, em 5 minutos voltou com um sorriso lindo, rosto corado, brilho nos olhos a expressão da mulher bem comida e de quem gozou gostoso.
Profissionalmente marcou a outra sessão para segunda, nos abraçamos, com um beijo suave nos despedimos, abriu a porta, e me disse – obrigado, até segunda, não esqueça oque falei.
Eu – claro, seguirei sua ordem e gostaria que fizesses o mesmo.
Com um sorriso e piscada de olho ela fez sinal que sim. E fui pra casa.
.
se alguma mulher quiser fazer uma aventura, assim poderei criar mais um conto.

Disk Sexo

One thought on “COMI MINHA DENTISTA, NO CONSULTÓRIO – Parte I

  1. KE DELÍCIA MEU. EU JÁ PASSEI POR UMAS DENTISTAS, QUE É O MAIOR TESÃO. MAS NUNCA ROLOU NADA, INFELIZMENTE PRA PRA MIM NE.SE BEM QUE EU ADORARIA.SOU UM COROA DE SÃO PAULO CHEIO DE TESÃO. GOSTO MUITO DE UMA BUCETINHA BEM NOVINHA. ADORO.SOU CARINHOSO E EDUCADO E MANTENHO SIGILO, ATÉ PORQUE EU TBM SOU CASADO.CASO ALGUMA NOVINHA SE INTERESSAR E GOSTA DE COROA,MEU ZAP E,,11934060790.BJOSSSS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *