A vingança de Cátia com o sogro I

Eliza tinha a cabeça e parte do corpo encobertos pela porta da despensa, estava acocorada com os joelhos encostados no chão enquanto chupava avidamente metade de uma rola que lhe preenchia inteiramente a boca de lábios carnudos!
Ela se parecia bastante com a cantora Rihanna, porem com mais bunda. O dono da rolona era Bruno, um quarentão, pai e sogro dos donos da casa e professor na mesma faculdade onde Eliza estudava.

Ele tinha seduzido e logo sodomizado Eliza uma semana atrás e desde então não podiam se ver que logo vinha a tezão, fazendo que eles esquecessem tudo e fossem inconsequentes, como nesta vez!!
Aquele dia era sábado de manhã e Eliza que era a babá de Kelly a filhinha do casal, tinha que levá-la ao clube para a aula de natação. Bruno quase sempre passava por lá para dar carona pra neta e Eliza.
Foi assim que Cátia e seu marido carregando Kelly nos braços foram encontrar Eliza ajoelhada e metade encoberta pela porta do armário da despensa!

Eliza imediatamente retirou a boquinha da rola de Bruno com um pequeno estalido, limpando ao redor da boca com os dedos, enquanto se levantava, fechou a porta com Bruno lá dentro!
Em seguida e rapidamente cumprimentou o casal e logo tomou Kelly aos seus cuidados para disfarçar a excitação, acomodando-a no carrinho.

O casal sentou-se para iniciar o café da manhã e Eliza e Kelly se despediram. Cátia sentiu cheiro de sexo no ar!!
Rafael, o maridinho tomava seu suco, quando Cátia sugeriu que se lesse o jornal e foi apanhar pra ele. Ao se levantar notou que Eliza tinha esquecido o rolo de fita crepe de prender as fraldas de Kelly.

Ela voltou com o Jornal e entregou ao marido que logo lhe agradeceu apalpando-a carinhosamente a coxa.

Cátia era belíssima, fora mãe aos vinte e agora aos vinte e dois voltara inteiramente a forma antiga, porém mais mulher e um pouco mais volumosa nos quadris, coisa que seu sogro Bruno adorava desde de quando Cátia tinha dezessete anos e lhe deu o cuzinho pela primeira vez!!
Há cinco anos Bruno e sua maravilhosa nora eram amantes!

Fora idéia de Bruno que Cátia engravidasse para que ele sentisse o enorme prazer de sodomizar uma grávida, coisa que não foi possível fazer com a mãe de Rafael, sua frígida esposa.

Cátia bebericou seu café, dando um tempo para que seu marido, corninho do próprio pai, se aprofundasse mais na leitura e então levantou-se e se dirigiu para o armário da despensa!
Quando a porta se abriu, Bruno viu o belo rosto de Cátia com um sorriso cínico nos lábios, uma das mãos no torneado quadril, uma das grossas coxas levemente vergada, e ambos os seios com os mamilos duríssimos como querendo explodir pela infima camisola que ela usava!!

Cátia sussurando e olhando pra baixo perguntou; “…gozou?!” e sem esperar a resposta foi se ajoelhando e arriando-lhe a bermuda expondo a imensa rola do sogrinho!
Bruno não escondia sua apreensão, mas toda aquela atmosfera proibida e o comportamento despudorado e desinibido de sua norinha, o excitava sobremaneira, que seu penis voltou a toda sua dureza esplendorosa!

Cátia tinha alí seu breakfest!! Ela abocanhou seu pão-doce com ternura e um pouco de voracidade e sugava-o como se tivesse molhado o pão no leite e passasse a chupá-lo, se lambendo toda!
Em alguns segundos baba e pre-goso escorriam pelos lados da boquinha de Cátia, enquanto Bruno via com os olhos esgazeados, com os dentes trincados, e se controlando para não urrar, sua tora com mais da metade deslizar e sair de dentro da boca de sua nora, Cátia!

Chegou o momento que Bruno estava pra explodir e ser sugado pela boquinha aveludada da querida nora, quando de repente, ela lentamente retirou sua boca da pirocona e ainda chupando só a ponta da cabeçorra lhe disse; “…espera!voce vai me pagar…” Assim dizendo, Cátia levantou-se, arrumando o baby-doll e sensualemtne caminhando foi até a mesa onde o corninho lia o jornal.
Postou-se a seu lado, pegou seu copo com suco e deu um gole (pra disfarçar o cheiro E O GOSTO de porra em sua boca!) dando um piripapo no jornal do marido, curvou-se e deu-lhe um vigoroso beijo!!

Rafael, mesmo assustado de início, adorava esses repentes de sua linda esposinha!!
Cátia, mordendo-lhe de leve a orelha e sentada em seu colo de frente pra ele, lhe dizia que queria trepar, mas de um modo diferente e lhe perguntou se ele topava. Lógico que Rafael topou!

Cátia então deu-lhe outro tremendo chupão.!!Levantando-se, puxou pra fora a mediana pica de Rafael e fez-lhe um rotineiro boquete que o maridinho achava a sétima maravilha!
Sem tirar a pica da boca, Cátia alcançou a fita crepe em cima da mesa, e antes que Rafael notasse, estava com os dois tornozelos fortemente atados aos pés da cadeira!!

Em seguida, levou os dois braços dele para trás do encosto da cadeira e fortemente atou-lhe os pulsos!
O corninho a fitava todo extasiado e feliz, matutando o que mais Cátia tinha em mente!!
Cátia logo mostrou o que tinha em mente. Pegando um pano de prato, enrolou em volta da cabeça de Rafael, encobrindo-lhe completamente os olhos e arrematando tudo com fita crepe em volta da metade da cabeça do maridinho corninho!

Em seguida,voltando a posição anterior, Cátia o beijou sofregadamente e com uma mão dirigiu a rola do corninho para dentro de sua xaninha!
Rafael deu um longo urro quando sentiu a xaninha de sua santa esposinha ir até metade de seu penis e aí permanecer enquanto ela rebolava lentamente!! Isso deixava Rafael louco de tesão, o excitava o modo como Cátia fazia as coisas e desse modo criativo!

Cátia balbuciava enquanto suas fabulosas ancas desciam até o ponto que ela queria, não deixando ir mais além do que a metade da rola do maridinho querido!
De repente ela exclamou como se tivesse chamando alguém; “VEM!!VEM!!”
Rafael exultou, pensava que ela estava lhe pedido mais!!
O caso é que ele estava totalmente imóvel!
Isso o deixava loucamente apaixonado pelo ato sexual com sua fiel esposinha!

Mais uma vez Cátia gritou; “Vem!” e torcendo a parte superior do corpo fez sinal com a mão chamando, o que ela pensou no momento, o idiota do Bruno!!

Bruno tinha observado tudo desde do começo através das frestas da porta. Aquilo era demais!
Ele admitia que por uns instantes lhe faltou coragem, mas em seguida vendo o belo trazeiro de Cátia, com as carnes de suas nádegas levemente balançando ao movimento de sobe-e-desce que ela fazia no pau de seu filho, lhe deram coragem bastante para que ele fizesse o que tinha que fazer; sodomizar sua nora, enquanto ela era penetrada por seu filho de olhos vendados!!

Num impulso de pura luxuria, Bruno apalpou ambas as nádegas de Cátia, fazendo-a ficar imóvel, e tomando cuidado para não tocar em nenhuma parte do corpo do filho, abaixou-se e rendeu homenagem ao belo anus rosado da nora, aplicando-lhe um suguento beijo antes de enfiar o máximo que pode a língua nele!!
– AAaaahh! Suspirou Cátia!! Era isso que ela adorava em seu sogrinho!
Sua rápida adesão às loucuras dela!
Ou as loucuras que Bruno inventava pra ela participar!

Agora Cátia queria a rola do sogrinho dentro de seu cuzinho ansioso. Assim, ela acariciando os cabelos de Bruno, o fez levantar-se e o olhava implorando pela piroca lhe preenchesse o rabinho!
Rafael sentia sua mulherzinha mexer-se, parar e voltar a se mexer. Logo ele sentiu sua mulher ir de encontro ao seu torso e haver a seguir uma certa pressão em seu baixo ventre.
Parecia que sua bela Cátia conseguia aperta-lhe a rola com mais vigor!

Rafael, estava praticamente de joelhos juntos, Cátia sentada de frente pra ele e abraçando-o, Bruno com as pernas bastante abertas para a perfeita localização de sua imensa rola na portinha do rosado anelzinho de Cátia, iniciou ternamente mas continuamente a dilatação daquele cuzinho guloso da mulherzinha de seu filho!
Cátia tentava rebolar controladamente, mas era em vão!
Logo as duas rolas deslizavam pra fora e pra dentro em toda suas extensões!

Rafael que nada via e que toda a excitação o deixava completamente ignorante de seu sentido de proporção, vibrava com aquele súbito aperto vaginal em redor de sua rola e a força dos movimentos em cima dele!
Cátia agora se largara de todo e urrava como uma deusa de sexo!
Bruno tinha uma das mãos num dos ombros e outra mão na curva do quadril dela, dando ritmo as estocadas de sua vergona no redondinho de sua amada nora, maravilhosamente sodomizada!

Chegou o momento que Cátia atingiu o orgasmo com todos os fogos, gritos, urros e palavrões que ela tinha direito!
Isso fez o corninho do Rafael também gozar!
E parecia que ele queria mostrar para sua pura esposinha, com o cuzinho cheio da rola de seu pai, que ele gozava tanto quanto ela, e por isso passou a urrar também!
Aquilo foi demais pra Bruno. Ele então passou ambas as mãos por baixo dos joelhos de Cátia e a levantou suavemente, dando impressão a Rafael que a esposinha estava se levantando. Ele estava tão exausto que nada protestou.

Bruno, com o pau duríssimo dentro do cuzinho de sua nora, segurando-a do jeito já descrito, e agora com a ajuda de Cátia, que tinha os braços jogados pra trás em volta do pescoço do seu sogrinho enrabador, enquanto esfregava a cabeça no torax dele, tendo os espasmos finais de seu intenso gozo!

Ela imaginava o que Bruno estava fazendo ao carregá-la enculada daquele jeito para fora da cozinha e chegando ao quarto do casal!
Ao chegar na beira da cama, Bruno a posicionou destramente com as ancas elevadas, enquanto Cátia tomava a inciativa de baixar seu busto e o rosto até encostar no lençol e se abrir completamente pra seu macho ter o gozo merecido em seu cuzinho!
Antes porém ela lhe disse;”voce me trai com a Eliza, portanto vou traí-lo também!!”.
Bruno ao escutar aquilo espantou-se! Chamou-lhe de puta e bateu-lhe na bunda!! Cátia prendeu a respiração com o susto mas começou a excitar-se mais ainda!
Então ela continuou; “Rafa é meu corninho manso! Voce será meu corninho ciente!”
Bruno sentia raiva, mas ao mesmo tempo sentia sua tezão aumentar como nunca!
E chamando-a de putinha desenvergonhada, disse-lhe que o cuzinho dela não mais pertencia a ela! Ele era o dono dele! E paradoxalmente afirmou ao mesmo tempo que gozava, que ela, Cátia sua puta norinha, só daria o cuzinho a quem ele permitisse!

Cátia então deixou transparecer um imenso sorriso, enquanto seu amado sogro apertava-lhe ambas as partes da imensa bem torneada bunda, enchendo-lhe o anus de seu creme quente e viscoso!
Bruno se conteve ao máximo mas acabou soltando um urro!!

Aquilo foi o climax pra Cátia! Seu macho urrando, gozando com sua rolona estufada em seu cuzinho, enquanto seu maridinho amarrado na cadeira da cozinha escutando aquela zoada, provavelmente sem imaginar o que seria!!

Cátia, porém, sabia do perigo, e levando o dedo indicador aos lábios fez sinal para Bruno se controlar, ao mesmo tempo que apertava o esfíncter ao redor da tora dele, ela passou a masturbar-se e logo ao aproximar o orgasmo, ela involuntariamente passou a gemer e a gemer bastante alto!!

Rafael ao escutar os altos gemidos de sua enrabada esposinha, juntou tudo e e conclui que Cátia estivera a se masturbar depois do tremendo gozo que ele, Rafael lhe dera!

Após alguns minutos, Cátia foi até a cozinha e encontrou Rafael com a cabeça tombada para o lado. “O corninho dormiu!”.
Ela pegou uma faca e cortou as fitas que o prendiam. Rafael despertou e ganhou um beijo dela.
Ele massageava os pulsos e olhava angelicamente para sua esposa que se afastava e notou extasiado que ele gozara tanto que seu esperma escorria pelas partes detrás de sua fiel esposinha!

Ele não se tocou que o punhado de seu esperma tinha ficado em volta de sua própria virilha e que nunca poderia correr pra cima e depois ir para a parte detrás das coxas de Cátia! (continua)
Convido meus leitores a visitar meu blog https://eternahelgashagger.blogspot.com.br/ou http://eternahelga.blogs.sapo.pt/ onde encontrarão esses contos devidamente ilustrados. Obrigada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *