Tornei-me corno no sex-shop

O fato que vou narrar aqui aconteceu realmente, chamo-me Carlos, tenho 42 anos sou casado há 16 anos, minha esposa Marcia tem 36 anos, muito gostosa, corpo de menina, bundinha empinada pequena, seios pequenos, mais ou menos 1,75 de altura, em forma, temos dois filhos, curtimos muito filmes e revistas pornográficas, pra depois transarmos com mais fogo, certo dia combinamos de ir a um sex-shop que abriu na cidade, estávamos curiosos para ver as novidades, já que ela adorava ver em revistas tudo que tinha para sacanagem, numa terça de manhã eu e ela estávamos de folga do trabalho e fomos conhecer a loja, achamos a loja num shopping bem modesto, tinha umas quatro lojas numa construção de dois andares, parte de baixo funcionava uma farmácia e uma loja de roupas intimas, em cima o sex-shop e um salão

cabeleireiro feminino, até ai tudo beleza tudo normal, logo que chegamos fomos atendidos por duas funcionárias bem simpáticas que foram logo mostrando a loja e as novidades, Marcia é vidrada em pênis de borracha preto, grande e grosso, temos uns dois em casa que ela brinca muito, ela gosta de filmes inter-raciais com aqueles negões com pau descomunal pegando as safadas de jeito, uma das meninas mostrava pra ela o catálogo e alguns exemplares, as duas riam muito das coisas que estavam no mostruário, desde que cheguei tava apertado com muita vontade de mijar, perguntei pelo banheiro a outra funcionária me disse que os banheiros estavam na parte de baixo do prédio, falei pra minha esposa que ia tirar água do joelho e voltava logo, desci a escada e fui procurar o banheiro, levei uns minutinhos no banheiro e sai, passei pela porta

da casa de roupas intimas e lembrei que tinha que comprar uma calcinha par dar para Marcia demorei uns 15 minutinhos e subi, chegando na loja não vi minha esposa, perguntei por ela, a funcionária me disse que ela tava num dos provadores no canto da loja, fui até o local e entrei, fiquei surpreso tava minha esposa sentada num banco de madeira pequeno para duas pessoas, juntamente com um rapaz moreno, ele tava com uma revista na mão mostrando algo pra ela, bem juntinho quase agarrado fiquei com ciúme na hora, chamei pra ir embora ela ficou meio sem entender, tornei a chamar ela não deu moral, fui e coloquei a mão no seu ombro para levantá-la ela resistiu não querendo sair, puxei meio com raiva pelo cabelo ela resistiu e ficou, falei que se ela não saísse eu ia embora e largava ela ali mesmo, ela olhou pra mim no olho com cara de querer ir mas não tinha vontade própria, com raiva dei um empurrão no peito do rapaz que não reagiu, foi quando caiu as

coisas que estava no colo do rapaz, só ai pude perceber o que estava acontecendo, minha esposa estava com as duas mãos no cacete do cara, um pau imenso, devia ter uns 30 centímetros, da grossura do meu braço, era descomunal, ela segurava com as duas mãos e ainda sobrava muito cacete pra cima, olhei pra ela com mais raiva ainda e esbravejei chamando ela de vagabunda, ela olhou pra mim com lagrimas no olho, parecia hipnotizada, não esboçou nenhuma reação nem vontade de sair dali, falei fica ai puta safada e sai, dei uns dez passos em direção a porta e não agüentei, voltei, quando entrei de novo ela já estava com aquela cabeçorra na boca, falei você tá ficando louca, ela continuava tentando chupar aquilo, mau cabia na sua boca, ela olhou pra mim com a cara mais feliz do mundo e acenou pedindo para mim ficar quieto, ela estava vestida com uma calça de moletom verde, nesse momento o moreno levantou do banco e foi acariciando seus cabelos, ai pude perceber o tamanho daquela pica, o cara parecia um jumento, meu coração disparou e foi a mil, com habilidade o cara foi colocando ela de gatão no banco ela continuava a mamar naquele tronco preto, ele baixou a mão por

dentro da sua calça, baixando seu moletom, mostrando sua bundinha com uma tanguinha tipo fio dental enfiada no cú, logo em seguida ele baixou sua tanguinha até o joelho, fiquei petrificado com aquela visão sem reação, o pior estava por vir pau duro, meu pau duro não dava nem metade do pau do cara, ele passou a mão na sua bucetinha que já estava toda molhada, ela gemeu baixinho, ele baixou a calça dele e tirou tudo pra fora, era muito grande, ele tirou o pau da boca dela e virou-a começou a dar beijinho na bunda passando a língua na sua buceta, pensei em dar umas pancadas nele só que inexplicavelmente não tinha reação, logo ele começou a esfregar aquela cabeçona na bunda da minha esposa que estava louca de tezão, ela forçava a bunda pra trás como nunca tinha visto, ele cuspiu naquela cabeça imensa e levou em direção

a bucetinha da minha mulher que parecia uma puta no cio, quase morri de ciúme nessa hora mas agüentei firme cheguei até mais perto para ver aquela cena indescritível, ele começou a forçar a entrada, ela ficou alucinada falando coisas que eu não entendia, com muito jeito e maestria aquela cabeça foi escorregando e entrando nela, ela chorava, ele começou a bombar bem lento, já tinha conseguido colocar uma boa parte daquilo nela, foi quando ela me chamou com a voz rouca de tesão, falou pra mim perdoá-la, me puxou pra pertinho dela me tascou um beijo na boca e tirou meu pau pra fora da calça, meu pau tava duro como uma pedra, ela baixou minha calça e pegou meu pau e começou a chupar, nunca senti um prazer tão grande, nunca tinha sentido tanto tezão, vendo minha mulher sendo fudida por um desconhecido, ela sugando meu cacete com tanta vontade, parecia estar maluca cada estocada do cara ela chupava mais gostoso, não demorei a gozar na

boca dela que bebeu toda a minha porra, não deixou nenhuma gota, me afastei e fui ver o estrago que cara tava fazendo, ele me falou tá vendo sua putinha sendo traçada de verdade, olhei e não acreditava naquilo, como uma bocetinha cabia tanta coisa, ele puxava o pau e enfiava de novo num vai e vem muito macio e delicado, ela chorava, gemia, murmurava, ficou ali quase uns 10 minutos perdi a noção do tempo, ele falou vou encher a pomba dessa safada de porra, estocou forte e segurou-a, o pau dele sumiu quase todo nela, aguardou um minuto mais ou menos agarrado nela e foi tirando aquele monstro de dentro da minha mulher, vi ela toda arregaçada, quando ele tirou começou escorrer porra da buceta, muita porra mesmo ficou toda melecada de porra, ele pegou a blusa do moletom e limpou o seu pau toda lambrecado de porra, eu ainda tava perplexo com aquela situação sem reação nenhuma, ele baixou beijou a bunda dela, foi até o rosto dela deu um

beijo na sua boca e falou pra mim sua putinha é muito gostosa cuide dela, logo guardou a pica e saiu como se não tivesse acontecido nada, minha esposa levantou e sentou na ponta do banco com as pernas abertas, estava detonada, sua pomba tava inchada, mas ela muito contente, ela me puxou e me deu um beijão na boca, e me agradeceu, voltei a olhar sua pomba carequinha ainda pingava muita porra daquele filho da puta, passado alguns minutos ela se recompôs e fomos sair da loja ela estava andando com dificuldade foi até a funcionaria e agradeceu pelo presente, a funcionaria ainda falou volte quando tiver vontade. Nossos passos até o carro parecia não ter fim, ela andava como se tivesse saído de um hospital, no carro ela deitou o banco e foi cochilando até em casa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *