Eu e minha namoradinha na casa de swing

Ola! Esse é meu primeiro conto, espero que gostem! Me chamo D e minha namorada G. Namoramos a um bom tempo e somos um casal muito criativos nas nossas fantasias e também com a mente bem aberta para realizarmos nossos prazeres. Sempre fantasiamos tanto por msg ou pessoalmente, fazendo sexo com mais uma pessoa entre a gente. Dois caras ou até mais. Mas durante nossas conversas deixamos bem claro que apesar acharmos muito excitante, não teríamos coragem de fazer sexo com outras pessoas, pois nos amamos muito e isso poderia estragar o relacionamento. Mas com essas conversas despertou um enorme interesse em conhecer uma casa de swing e realizar a fantasia de fazermos sexo na frente de outras pessoas e vê coisas que apenas víamos em vídeos, como DP, por exemplo. Mas nunca conseguíamos combinar de ir. Até que um certo dia eu estava trabalhando e resolvi mandar mensagem para ela: ” Vamos numa casa de Swing na sexta ?” Ela respondeu: ” Sério ?!” e eu confirmei que sim. Ela: “Então vamos!” Então pesquisei sobre a casa de swing de uma cidade próxima aonde moramos. Me informei bastante sobre como funciona uma casa de swing e suas regras e li muitos, mas muitos contos sobre da casa de swing. De todos os tipos. E isso foi me excitando a semana toda, sem contar que eu estava muito ansioso e nervoso. Até que fim iríamos conhecer uma casa de swing e realizar a nossa maior fantasia e olha que já fizemos muitas loucuras. Chegado a grande noite eu fui buscar minha namorada.

Sexo Por Telefone

Nossa… Como ela tava linda e sexy. A G é baixinha 1, 65, branca, cabelo preto liso. Apesar dela já ter tido uma filha a 10 anos. Ela tem um corpo que chama atenção, principalmente seu bumbum, sempre foi assim. Isso porque ela nem se dedica muito a academia. Voltando para a noite, ela estava usando um vestido curtinho no qual, se ela abaixasse um pouco ou sentasse daria para ver seu bumbum e sua calcinha vermelha fio dental bem pequena enfiada todinha na sua bundinha deliciosa. Ela me disse que no dia que fossemos numa casa de swing, iria bem safadinha e seria minha putinha. Bem… Ela estava realmente assim. Não parava de olhar aquele corpo sensacional. Louco para comer ela ali mesmo. Antes de sairmos eu pressionei ela contra a parede e passei a mão na sua bucetinha, para sentir como estava. Ela estava encharcada de uma forma que poucas vezes eu vi. Durante o caminho fomos conversando, mas era nítido a nossa vontade de chegar logo ao local. Depois de um pouco mais de uma hora. Chegamos a tal casa de swing. Meu coração acelerava e eu tava muito nervoso, mas tentei aparentar está calmo. Fomos recebidos por uma funcionária que nos apresentou e mostrou todos os ambientes da casa. Ao terminar de nos apresentar, a G me disse que durante apresentação da casa, um casal que passou pela a gente apertou a bunda dela. Disse que sentiu duas mãos pegando em cheio na sua bunda e que acreditava que era uma mão do rapaz e a outra da mulher. Ela demonstrou um sentimento de assustada e indignidade, pois nunca tinha passado por aquilo. Mas eu disse que como estávamos em ambiente propício a isso deveríamos entender que poderia acontecer e que já sabíamos dos riscos. Sentamos numa mesa e pegamos bebidas. Ficamos ali conversando e analisando a casa noturna, vendo as pessoas e algumas cenas que numa balada não é normal. Mulheres se esfregando em vários homens e insinuando, mostrando a bunda. Vários tipos de pessoas diferentes. Após um tempo resolvemos dá uma volta e fomos no labirinto. Um lugar bem escuro com paredes, ruas estreitas e entradas com panos tampando as entradas. E algumas cabines para caso quisesse privacidade. As pessoas passavam ali e se tocavam. Tinham buracos onde podia sentir e vê mãos tentando pegar a gente. Andamos um pouco lá, mas estava pouco movimentado. E senti que a G estava um pouco assustada e não se sentia confortável vendo cenas de sexo e algumas pessoas passando a mão nela. Então disse para ela irmos na pista, pois logo teria apresentação. Bebemos mais um pouco e logo depois fomos próximo a pista para vê o show. Primeiro entrou um go go boy. Fazendo sua apresentação. Ele agarrava as mulheres que estava em volta e se despia. Arrancava as roupas delas na frente dos seus maridos e faziam cenas sensuais. A G começou a se animar com apresentação. Eu via que corria o risco dele pegar ela e levar no meio da pista, abusar dela na frente de todos e confesso que fiquei nervoso e com ciúmes. Ela percebeu que isso poderia acontecer e perguntou se eu queria ir mais longe para assistir. Esperei ela decidir e depois de um tempo ela tomou a atitude e fomos mais longe. Logo depois foi a vez da mulher. Ela era bonita, mas confesso que não me animei com a apresentação dela. Logo acabar os shows resolvemos ir no labirinto novamente. Dessa vez G tava mais animada, talvez por ter bebido mais e pelo show que vimos. Chegando lá estava bem mais cheio e rolando mto sexo. Entramos numa rua para olhar alguns casais trepando, quando ela me puxou para uma cabine e nos trancou lá. Confesso que fiquei surpreso com a atitude dela. Ela me atacou. Já sentou no banco que tinha. Arrancou meu pau para fora que já estava muito duro e começou a chupar. Meu pau não é nenhum pau grande, mas é bem grosso e ela adora. Diz que deixa sua bucetinha toda preenchida e arrombadinha quando transamos. Ela chupa como ninguém. Adoro quando ela chupa meu pau. De todas namoradas que tive, ela é a única que me faz gozar chupando. Que delícia ! E ela é viciada em chupar minha rola. Se deixar fica chupando até dá leitinho. Logo depois coloquei ela apoiada na parede e sentei para lamber e chupar seu cuzinho e bucetinha que a essas horas já estava encharcada e melada. Ela gemia como uma puta e acho que o fato dela ouvir as pessoas gemendo e fodendo lá fora deixava ela mais excitada. Nao aguentei e já enfiei minha pica na sua bucetinha. Entrou fácil. De tão melada que estava. ( Na vdd depois ela me confessou que tava daquele jeito, porque já tinha gozado me chupando. Safada ) Comecei a foder sua bucetinha com força, do jeito que ela gosta. Adora quando judia da bucetinha dela. De foder com raiva. Fica mais molhada ainda. Nunca tinha sentido sua bucetinha como aquele dia… Sentia escorrendo no meu pau. E ela falando: ” Fode cachorro, fode sua puta com raiva.” Todo aquele clima tava me deixando louco. Foi quando olhei para ela e disse: ” Sabe o que falta ?” Ela: ” O que safado?” “Uma rola para você chupar enquanto fodo sua bucetinha ! ” Ela: ” Vdd, caralho !” Confesso quer seria excitante vê ela chupando uma rola enquanto arrombo sua bucetinha. Mas ela sabe que falo isso apenas para excitar ela, pois não temos coragem. Amo muito ela para isso. Deitei ela no banco. Levantei suas pernas e comecei a socar com raiva meu pau na sua bucetinha. Ela gritava de tesão cada vez que eu socava fundo e com raiva naquela bucetinha já arrombada. Foi quando ela disse: Você quer me foder lá fora ? Para todos vê você fodendo sua putinha ?” Na hora fiquei louco de tesão e disse que sim. Mas quando saímos tinha tantas pessoas naquele corredor que não dava para fazer nada. Era uma orgia e várias pessoas olhando. Então resolvemos andar mais um pouco. Vimos um sofá bem comprido e sentamos. Estava vazio. Era na entrada do labirinto. Ao sentar ela começou a me chupar. Nossa… Que tesão. Ela me chupando enquanto as pessoas olhavam nós. Levantei o vestido e deixei sua rabinho exposto para todos olharem, com aquele fio dental socado no cuzinho dela. Passei a mão na bucetinha dela e ainda estava encharcada, acho que até mais ainda, pois estávamos realizando nossa fantasia bem ali. Um casal passou e ficou olhando ela me chupando. Depois de um tempo eles voltaram e sentaram na outra ponta do sofá e ficaram olhando a gente. Isso me deixou louco. Então comecei a enfiar me dedo na bucetinha da minha namorada e abrir a bundinha dela, só para o casal ficar olhando e deixar eles atiçados. Logo depois mais um casal sentou no meio e ficaram olhando o rabinho da minha putinha safada. E em seguida ficaram fazendo a mesma coisa que a gente. Em pouco tempo aquele sofá estava lotado de pessoas em volta olhando os três casais transando… Eu ficava louco em vê os caras de pau duro e para fora olhando o rabinho da minha namorada, que nessa hora já estava de joelho me chupando, e louco para enfiar o pau na bucetinha dela ou no cuzinho dela que tava amostra para quem quisesse olhar. Logo depois a G levantou e sentou no meu pau de costas para mim e pulava na minha pica para todos verem. Eu tava louco de tesão. Vendo tudo aquilo em volta. Casais transando na nossa frente e pessoas olhando. Mas chegou uma hora que encheu demais e fiquei com medo de alguém passar dos limites lá e querer fazer algo que não iríamos gostar. E também percebi que a G não estava mais confortável. Foi quando ela pediu para gente sair de lá. Tentamos achar outra cabine, mas estava lotado tudo. Era todo mundo transando. Mulher com dois homens e mto outras cenas. Depois de um tempo saimos de lá, pois não estava nada confortável. Logo que saímos, a G confessou que ficou com ciúmes pois achou que tava olhando muito para a mulher no outro lado do sofá. Após a discussão acabamos perdendo o clima e indo embora. Durante o caminho estava um clima chato e percebi que aquilo iria estragar a nossa noite que tanto planejamos. Foi aí que tive uma idéia. Lembrei que uma das nossas fantasias era fazer sexo na beira da pista. Foi aí que resolvi para o carro no acostamento e descer. Abri a porta dela. Tirei ela e comecei a beija-la. No começo ela começou a resistir, mas logo depois o tesão falou mais alto e ela já estava gemendo e toda molhada com aquilo. Aquela situação deixou a gente louco. Os carros passando e iluminava a gente enquanto transavamos gostoso encostados no carro. Era tanto tesão que não aguentei muito. Tirei meu pau para fora e enchi sua bundinha de leitinho. Nunca gozei tanto como aquela noite. Era porra que não parava mais. Espirrando na bundinha toda dela e escorrendo no cuzinho. Depois fomos embora e ao chegar na casa dela transamos mais uma vez de forma maravilhosa e de todos os jeitos até eu encher sua boquinha de leitinho. Depois conversamos sobre nossa experiência e percebemos que queremos ir de novo, mas que não estávamos preparados como pensávamos e que queremos ir em outra casa. Pois não gostamos daquela. E claro que percebemos que amamos muito um ao outro e que apesar dessa aventura que queremos repetir, não precisamos de ter terceira pessoa para realizar nossas fantasias. Espero que gostem.

Disk Sexo

One thought on “Eu e minha namoradinha na casa de swing

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *