A primeira vez da Travesti

Oi gente… sou visitante do “cdc” ha um bom tempo e sempre tive vontade de publicar aqui algumas das minhas historias.
e nesses meus passeios pelas categorias do Site acho que soh vi duas historias de travesti que não eram apenas de sexo…
Então acho que vou ser uma das primeiras a fazer essa leitura alternativa Trans com vocês. Espero que gostem.
eu tenho apesar dos 1.81 de altura só tenho 18 aninhos e sou Travesti desde os 16. Trabalho numa casa noturna e nunca me prostitui…
bom…
” eu nuncs me vi como um menino, mas também nunca pensei em operar o “adicional de fábrica”, talvez eu não fosse tão feliz se tivesse nascido uma “menina normal”
Eu tive uma infância normal cheia de baderna na rua e amigos pela sala, professoras me amavam pelo dom que tinha com os poemas, era nome certo nas finais dos concursos de literatura da cidade.
ainda como menininho rs, mas desde muito novo euja me sentia como garota.
vistia calcinha embaixo das roupas de muleque só pra me sentir menos distante da imagem que queria ter.
eu ainda nao tenho silicone e nem tomo hormônios. .. os quilinhos a mais ajudam a passar despercebida pelos outros…
Eu adorava passar o fim de semana na casa das minhas primas pois foi com elad que coloquei meu primeiro vestido.
e desde cedo eu ja era feminina, tinha cabelo natural e tudo… rostinho redondo e pernas de dar inveja a qualquer uma…
um dia desses, quando eu tinha 15 aninhos, fui pra casa delas como de costume. Seria mais um “findi” de langeries e maquiagens que eu amava.
eu e minha prima Carol adoravamos ficar ateh de madrugada na frente de casa brincanfo e jogando conversa fora.
era uma rua sem saida e de pouco movimento até que lah pelas 3 da manhã um amigo da Carol chegou com outro cara…
…na hora que vi ja gostei. Era meu numero de boy… magro demais, branco demais e pra minha sorte, acho que ele tambem gostou de mim…
papo vai e papo vem ele me me chamou praconversarmos mais a vontade do outro lado da rua…
ele tentou me beijar umas tres vezes mas eu sabia que era arriscado, não sabia o que podia acontecer se alguem visse a travesti com um visinho…
-como uma menina linda dessas pode estar solteira?- perguntou ele.
Como toda mulher tem seu jeito de conseguir o que quer respondi:
-terminei a pouvo tempo… meu namorado era um mala.
ele perguntou porque eu respondi:
-aaaah… a gente não se dava bem na cama.
falei em cama e ele ja se animou rs.
-como assim nao se davam bem?
Eu baixei a cabeça como se tivesse com vergonha e ele insistiu.
-é que eu sempre adorei sexo oral e ele não gostava… respondi como quem não quer nada.
-Nossa mano… nao seja por isso. Posso resolver seu problema!
Nisso ele tentou me beijar mais uma vez, eu neguei e ele me convidou pra ir pra sua casa. Topei na hora ja que ele disse que era ali na rua mesmo.
dei sinal pra minha prima esperar enquanto tava de papo com o amigo que trouxe o boy pra mim rs.
Ele me pegou pels mão e descemos a baixada ateh o fim da rua, a casa dele era o maior sobrado da rua, de seu pai claro.
Entramos no patio e ele ligou pra seu pai descerve abrir que ele tava com uma menina ali.
Seu pai abriu e eu esquivei meu olhar e fui direto pra sala.
ele disse pra ficarmos ali por que sua avó estava usando seu quarto.
no sofá, perguntei seu nome….
ele se apresentou como Diego.
o amasso começou apenas à luz da tv…. ele era uma delicia.
ele tava de blusa de moleton dessas bem de marginal “pilaco” como chamamos aqui e pedi pra tirar.
ele ficou em pé e tirou a blusa jogando-a no chão. .. depois abriu o zipper da calsa tirando uma arma do sinto.
Confesso que me apavorei quando vi ele pondo o revolver na mesinga de centro como se fosse um vaso de flores.
o medo do desconhecido me dava sinda mais tesao…seria a melhor chupadada vida dele.
o samba cansao pulsava pedindo minha boquinha gulosa…
sem demora comecei a mamar.
me fartei naquele pau bem torto pro lado…
ele pedia a todo momento pra me voner e eu alegava estar menstruada.
diego não ligava e dizia “a gente mete com sangue mesmo”…
Nem desconfiava que estava nas mãos (e na boca rs) de uma travesti.
Eu negava a todo custo e ficava mais tensa ainda quando lembrava da arma ao meu lado.
foi quando ele disse….
“Mas vc não tem doh esse buraco….” o jeito chucro dele falar me dava calafrios e ali vi a chance de perder a virgindade.
eu estava de legging e vestidinho…
meio sem jeito me ajoelhei no sofá erguendo o vestido e abaixando um pouco a legging.
sentir seus dedos molhados de baba passarem por meu reguinho. Que tesao!
Ele me abraçou e começou a meter aquela pica torta no meu cuzinho virgem…. que dor!!!
Minhas pernas termiam de tanto que ardia meu anelzinho violado por aqurle maloqueiro.
pedi pra parar e disse que tava doendo muito e voltei a chupa-lo, ele virava a cabeça pra tras de tanto tesao de ser chupado por mim.
mas diego queria minha “buceta” a qualquer custo!
Foi quando entre um gemido e outro, um beijo e outro dei uma um sussurro:
‘Aaaai…. eu sou uma travesti muito safada”
Diego parou na hora.
-como assim?
Eu perguntei se não tava gostoso. .. ele respondeu que sim mas que eu não devia ter mentido, que cara ja morreu por muito menos na cadeia.
Continuei o beijando pois não sabia o que ppdia me acontecer caso a gente cortasse o clima ali.
ele me pegou de quatro denovo e mandou ver na minha bundinha, quase morri de dor e tesao pois estava finalmente onde sempre quiz estar, embaixo de um homem de verdade.
ele me comeu e depois me levou ateh minha prima na esquina de novo.
eu sentis algo scorrer em mim, achei que era sangue tamanha ardencia que sentia no cu.
Eu e minha prima fomos pra dentro e eu corri no banheiro ver o que era, passri a mão e vi wue era a porra dele vazando de mim…. sentei no chão e me masturbei com o gosto da porra do meu primeiro homem.
Estava arrombada”
Bom pessoal eu temho muuuuita historia pra contar, mas não são de sacanagem assim.
essa foi soh pra vcs me conhecerem, espero que tehsm gostado e logo logo eu começo meu conto principal.
Comenta aí se curtiram gente, um beijo :*

Sexo Por Telefone
Disk Sexo

One thought on “A primeira vez da Travesti

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *