Meu primeiro amante

Meu primeiro amante Meu nome fictício é Carla (pois meu nome verdadeiro não posso revelar), tenho 41 anos, casada há dezoito, um filho, marido Auditor de Empresas, e gosta muito de mim, me acha uma deusa do amor, cuido da casa e de meu filho, tenho empregada muito fiel e por sinal deixa meu marido de água na boca. Meu marido constantemente é obrigado a viajar para visitar as filiais da empresa que presta serviços e isto esta se tornando uma rotina e como minha empregada adora cuidar de meu filho, aproveito mais meu tempo livre para cuidar de mim e, de vez em quando sem perceber estou viajando em minhas fantasias, aproveito o presente que meu marido me deu, para quanto ele estivesse

viajando, um belo e grosso consolo em forma de pênis negro. Me masturbo com esse lindo e grosso vibrador e vivo minhas fantasias, trepando e gozando em algumas loucas aventuras. Meu marido não se importa e por isso posso viajar sozinha para casa de meus pais em Goiânia, o que faço constantemente (agora muito mais). Nessas viagens a Goiânia, conheci o vizinho da casa de meus pais e ficamos bons amigos e confidentes. Toda vez que vou lá sempre encontramos e conversamos bastante e com isso nossa amizade foi ficando muito intima e ele sempre me convida para irmos até um barzinho tomar alguma coisa e sair um pouco, pois quando vou a Goiânia pouco saio de casa. Apesar de muita insistência nunca aceitei. Como já fazia um tempo que não via meus pais e como meu filho estava na escola e não podia sair, aproveitei uma das viagens de meu marido e fui para Goiânia. La chegando a primeira pessoa que encontrei foi meu

confidente vizinho. Como meus pais foram para a fazenda de um tio, e não querendo ficar sozinha, criei coragem e aceitei o convite de meu vizinho e fomos a um desses barzinhos badalados de Goiânia, dançamos bastante e foi delicioso e nos divertimos. Aí que fui perceber que praticamente nos estávamos agindo quase como namorados comecei a ver que ele era um tesão de homem, só de chegar perto eu me arrepiava toda. Sem me dar conta já estávamos vivento um romance embora meio platônico querendo virar realidade. Durante o nosso pequeno romance, nos divertimos muito, passamos a ir muito em uma boate perto de casa, nos amassávamos bastante; ele tinha um beijo muito especial, me deixava louca. Um certo dia ele me convidou para ir a um motel porque ele dizia que estava louco para fazer amor comigo e não agüentava mais de tanto tesão. A principio eu não queria ir, achava que não valeria a pena e só poderia estragar aqueles momentos

maravilhosos que passamos juntos, mas como eu também estava louca de tesão por ele, resolvi aceitar o seu convite. Quando em um sábado à tarde resolvemos partir para esta loucura, saímos e fomos parar em um motel. Ele estacionou o carro, descemos, chegamos no quarto e ele já começou a me abraçar, me beijar, tudo com um carinho muito especial, ficamos ali por uns momentos, beijando e abraçando, deitamos na cama e ele começou a me acariciar com muita delicadeza, passou as mãos pelos meus seios por um longo tempo, me deixando com bastante tesão, pegou na minha buceta por cima da minha calcinha, me deixando quase louca de tesão; enquanto ele me acariciava deixando sua mão escorregar em todo o meu corpo, como que adivinhasse todos os lugares que me dava tesão, eu comecei a alisar o peito dele, chupar sua boca deliciosa e escorregar minha mão até chegar em seu cacete, comecei a massageá-lo, e aquele cacete começou a ficar tão duro, que eu enlouqueci de tesão só de imaginar aquela coisa deliciosa dentro de mim, e aquele

cacetão estava tão louco de prazer que parecia que ia estourar a calça. Ele começou a me despir devagarinho, tirou minha blusa começou chupando meus seios, lambendo minha barriga. Todo o meu corpo tremia tanto que achava que não ia resistir de tanto prazer. Ele tirou minha saia, começou a passar sua língua em minhas coxas, e bem sutilmente foi tirando minha calcinha. Minha buceta já estava toda molhada desejando enterrar aquele cacete delicioso dentro de mim; ele veio

chegando de mansinho com aquela boca gostosa e começou chupando minha buceta e me enfiando o dedo e lambendo minha bunda, parecia que queria engolir minha buceta com aquela boca. Eu cheguei a ficar cega de tanto tesão, foi aí que eu disse, enterra este cacete dentro de mim, eu quero lambuzar ele todinho. Então ele acabou de tirar sua roupa e veio para cima de mim com aquela coisa que estava tão duro que chegava a fazer uma curva para cima e bem devagar ele foi enterrando aquela delicia em mim até chegar ao saco, e a minha buceta toda molhada não resistiu àquele cacete gostoso que chegava a latejar dentro de mim de tanto tesão. Ficamos por poucos minutos nesta trepada maravilhosa porque o

tesão era tanto que logo gozamos. Gozei tanto que senti perder minhas forças. Mas quando passou mais ou menos 15 minutos lá esta ele novamente me alisando e me chupando e seu cacete duro novamente querendo mais. Tornamos a trepar só que desta vez demoramos mais um pouco, ele foi enterrando aquilo tudo em minha buceta em movimentos calmos até gozarmos novamente. Levantei-me e fui para o banheiro, tomar um banho para me limpar de sua porra, quando lá estou chega ele novamente entra debaixo do chuveiro e me abraça e me beija e eu já senti que ele estava novamente com tesão, puxa que saúde, eu já não agüentava mais e aquele homem depois de duas trepadas em menos de meia hora, já queria mais. Custei a acreditar no que via, aquele cacete estava ali duro e inchado de tesão, como se a muito não trepava, então ele me pegou em seu colo e me levou para a cama eu toda molhada, e ele enfiou novamente seu delicioso

cacete em mim. Nós como dois desesperados gozamos até não agüentar mais. Até que enfim depois da terceira trepada ele se acalmou, ficou ali na cama abraçado comigo por um tempão; depois levantamos, tomamos um banho, nos trocamos e fomos embora. E para variar como todos os homens tem costume, ele me disse, você é a mulher mais gostosa que tive na cama, se você quisesse me casaria com você só para viver este momento todos os dias; eu ri muito sabe porque? Ta louco, uma que já sou casada e adoro meu marido e outra que viver com um homem desses, há essas horas já estava

uma caveira. Também pudera ele tinha apenas 21 anos. Não sabia que homem jovem tinha tanto fôlego assim. Cheguei em casa às 7:30 hrs. da noite, cai em uma cama e dormi até o outro dia para repor minhas energias. Nunca contei esta historia ao meu marido, se bem que ele anda meio desconfiado, pois agora todas as vezes que ele viaja, vou visitar meus pais em Goiânia. Se gostou vote em mim que eu conto a sequencia desta historia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *