Fodendo com o vizinho casado

Já faz tempo que venho ensaiando de publicar minhas histórias aqui, e pra começar vou contar o que me aconteceu esse fim de semana, sou mestiça, tenho vinte e pouquinhos anos, mas parece que tenho bem menos, quem é meu amigo aqui já viu minhas fotos, não sou lá essas coisas, sou morena, 1,64 de altura, 60kgs, seios médios e bumbum redondinho, não sou como as gostosas dos contos que leio.
Tenho um vizinho que é quase da mesma idade que eu, ele é casado, e a mulher dele tem duas filhas, ele não é muito alto deve ter 1,70 mais ou menos, e apesar de não ser lá muito bonito, ele tem um corpo maravilhoso, todo definidinho e com barriguinha tanquinho.

A mulher dele em pouco tempo se tornou minha amiga, e as filhinhas dela até me chamam de tia, e frequentemente elas vem aqui em casa atrás de doce, como esta calor sempre uso shortinho ou saia curta e camisa de bandas que eu simplesmente amo, faz umas duas semanas, um numero me mandou uma msg perguntando ‘de quem é esse numero?’, como estava salvo o numero na minha agenda brinquei dizendo ‘é meu’ e a pessoa me respondeu ‘fala seu nome pra mim’ e eu respondi ‘é a Harumy, Fernanda’ pois estava gravado como o nome dela, e ai me responderam ‘é o André, não a Fernanda’, então disse quer alguma coisa, eu to no centro da cidade, pois eles sempre pedem pra comprar as coisas pra eles, quando vou pro centro da cidade. E então ele respondeu, quero você, e eu fiquei sem graça e disse olha vc é casado e eu não quero rolo pro meu lado, melhor parar de mandar msg pra mim,

Passado uns dois dias e Fernanda teve que ir pra outra cidade pois a menina dela ia operar e ia ficar uns dias por lá, então recebi outra msg dele dizendo ‘nossa vc deixa qualquer homem louco com essas suas roupinhas’, e então respondi com esse calor só essas roupas para me aliviar o calor. E passado uma meia hora a enteada mais nova que ele ficou cuidando veio na minha casa, ela tem 2 aninhos, e então brinquei um pouco com ela, dei doce e ela foi assistir desenho na TV, já que tenho TV por assinatura, ela ficou lá e acabou adormecendo, eu me esqueci dela, pois estava distraída no computador, então levei o maior susto quando vi na porta aquele cara sem camisa procurando a criança e eu disse ela ta na sala entra lá e pega ela, e ele foi lá e voltou, e me disse ah ela ta dormindo, se eu pegar ela agora ela vai acordar e começar a chamar a mãe dela, e então disse deixa ela que quando ela acordar eu levo ela pra vc, ele foi chegando perto de mim e quando vi, já estava muito próximo e me disse ‘então vc tem medo de homens casados?’ e eu respondi ‘medo não, respeito pela sua mulher, e se vc n quiser se queimar com fogo, melhor parar.’ Ele chegou perto de mim, me puxou pela nuca, me prensou na cadeira que eu estava sentada e me disse ‘eu quero ver se vc tem tanto fogo assim, que é perigo’.

Eu tentei levantar ele me deu um beijo, virei o rosto e disse ‘vou contar pra Fernanda’ e me levantei pra me afastar dele nisso ele segurou meu rosto e me beijou a força, e como ele beijava bem, foi me subindo um calor por dentro, que quando vi, já tinha retribuído o beijo e estava colada no corpo dele, e pude sentir aquele o volume no short dele, ele foi me empurrando para a parede do corredor da minha casa e me disse ‘pergunta agora se eu quero me queimar?’ e eu respondi ‘é melhor vc sair, daqui a pouco a Flavinha acorda’,ele me prensou na parece e alisou minhas costas e disse,’sabe quantas vezes eu fiquei de pau duro quando eu te via com essas roupinhas curtas, principalmente esses shortinhos apertados que vc usa’ e foi beijando meu pescoço, e mordendo minha orelha, e não resisti e passei a mão pra sentir aquele volume, era meio fino mas era grande… eu disse nada e levei ele pro meu quarto e tranquei a porta, no caso da criança acordar. Ele me empurrou na minha cama que era de casal e caiu em cima de mim me beijando a boca e me chupando o pescoço e mordendo minha orelha ele disse ‘vc é muito gostosa japinha’ e já foi passando mão na minha camiseta dizendo ‘que seios apetitosos, posso chupar ele?’ eu não dizia nada, apenas sentia ele beijando e passando a mão em mim, e foi tirando

minha camiseta e caiu de boca nos meus seios, enquanto chupava um apertava o outro, e eu já estava toda molhadinha e quase implorando pra ele ir descendo, ele passou a mão no meio das minhas pernas e pôde sentir molhado e disse, ‘se faz de difícil mas ta gostando e ficando toda molhadinha pra mim né sua putinha’, eu não disse nada, apenas comecei a desabotoar meu short, ele tirou minhas mãos e disse pode deixar que isso eu faço, e foi tirando meu short, e viu meu fio dental e disse ’vc é uma putinha mesmo, olha as calcinhas que usa, calcinha de quem gosta de levar um pau sem dó ’, e já puxou minha calcinha com o short, e passou a língua na entrada da minha buceta e disse , vc é muito gostosa, sua vadia, e vou fazer vc gozar na minha língua, e então eu disse ‘duvido , vc me fazer gozar’. Então ele foi me chupando, e mordendo de leve meu grelinho, me fazendo ficar com muito tesão, e não agüentei e soltei um gemido, ele me olhou e continuou a me

chupar, e como ele me chupava gostoso, enfiando a lingua e depois mexendo no meu grelinho, não agüentei e gozei na boca dele. Logo após ele foi tirando o short dele, e eu fui levantando e já fui agarrando aquele cacete duro, primeiro comecei a punhetar ele com a mão dizendo, seu safado, não agüenta nem ser fiel pra sua esposinha, eu te disse pra não mexer comigo, quero ver se vc agüenta agora, e passei a língua bem devagar na cabeça daquele pau, e fui chupando bem devagar colocando até onde eu agüentava na boca, depois fui tirando e enfiando novamente, ora lentamente e depois mais rápido, e quando ele gemia, eu diminuía a velocidade, então fui aumentando até dizer que tava pra gozar olhei nos olhos e continuei chupando, até sentir minha boca sendo invadida por um jato de gozo, e fui engolindo, mas era muito e então foi

escorrendo pelo canto da minha boca , mas continuei chupando até sentir que não tinha mais nada, então com os dedos limpei os cantos da minha boca onde tinha escorrido a porra dele e chupei. Ele me disse putinha tomou todo meu leitinho sem desperdiçar nada, achei que vc era nogentinha e não ia nem querer me chupar, e foi me beijando, e passando a mão pelo meu corpo e pude sentir quando ele ficou duro novamente e me disse agora quero ver se vc agüenta meu cacete na sua bucetinha , e enfiou de uma vez só, entrou facilmente pois estava toda molhadinha, e ele socou bem no fundo e foi tirando devagar e quando colocava dava umas estocadas que me fazia gemer, então pedi pra ele ficar embaixo e fui sentando naquela vara, sentei devagar e ele com as mãos nos meus seios, comecei a cavalgar e a gemer, tentei me controlar pra não acordar a menina e fui aumentando a velocidade, até que gozei novamente, ele sentiu meu corpo

estremecer, chupando meus seios me perguntou ‘vc já cansou sua japinha safada, eu nem comecei’, ele me colocou d4 então empinei bem a minha bundinha pra ele e ele socou de uma vez só, puxando meu cabelo com uma mão e segurando nas minhas costas com a outra, e foi descendo a mão até chegar na minha bundinha dizendo deixa eu ver se vc já deu esse cuzinho gostoso, e então pode sentir, que já tinha dado, e então disse vc é uma puta mesmo, nem o cuzinho da minha mulher eu comi, mas o seu vou te o prazer de comer bem gostoso, e então ele passou o dedo no meu gozo que escorria pelas minhas perna e passou no meu cuzinho enfiando um dedo dentro dele e disse que cuzinho gostoso e apertadinho, e

já foi enfiando o segundo, enquanto metia na aquele pau na minha buceta não agüentei e comecei a gozar novamente, ele n agüentando foi aumentado as estocadas e gozou logo em seguida, deitamos na cama e ficamos ali sem falar nada, e então ouvi a Flavinha chorando e levantei rápido colocando minha roupa dizendo vc espera aqui, que vou levar ela pra fora e vc sai pela outra porta e da a volta na casa, quando tava saindo ele me puxou me deu um beijo e disse ainda vou comer seu cuzinho.
Ele ainda não comeu, mas quando comer eu conto aqui, se vcs gostarem do meu conto, lembrando que isso é verídico, pois não gosto de ficção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *