Minha Coroa Preferida

Após uma noite de muito sexo com Nicole, começamos a trocar mensagens diariamente, pois algo bom estava acontecendo entre nos, mesmo na época ela tendo 38 anos e eu 24 e fora o fato de ela ser mãe de uma menina de 18 anos que eu sai por um tempo. Nossos papos eram muito pra frente, pois falávamos de sonhos futuros pessoais e profissionais, objetivos a longo e médio prazo, mas o que mais nos ligava era a safadeza. Falávamos de sexo todo o dia, comentando como foi bom tudo que aconteceu entre nós.

Um belo dia de semana estamos conversando e ela entediada do trabalho, pois trabalhava em shopping até as 22 horas, me convida para sair tomar algo e é claro que aceitei. Busquei ela no shopping, o qual eu havia buscado varias vezes a filha, pois ela trabalhava no shopping tempos atrás quando saíamos, e saímos dar uma volta. Fomos a uma lancheria já que como sempre, por se tratar de uma pessoa mais experiente me faltava justo a experiência para tornar o encontro mais atrativo, chamei umas fritas um chopp para eu e um suco natural para ela, que é claro, cuidava e muito bem da sua saúde.

Conversamos sobre diversas coisas, ela era uma pessoa muito agradável, linda, simpática e gente boa, mas o seu olhar transparecia a mulher safada que tinha dentro dela (lembro como se fosse hoje aqueles olhos serrados na risadinha medonha). Após bebermos e comermos resolvemos sair dali e fomos até o carro, onde começamos a conversar bastante, e nos beijamos com aquele mesmo ardor do primeiro beijo, mas dessa vez estávamos no estacionamento de uma lancheria. Mas isso nao impediu do fogo se ascender e começamos a nos pegar forte mesmo e ela diz “Tira esse pau pra fora que quero chupar ele aqui (Senhoras e senhores, é por isso que eu gosto de milf, mulheres decididas e sem frescura, quero todas voces), me chupava muito gostoso, quando parava de chupar, me punhetava e me beijava e aquele sorriso maroto nos olhos. Quando percebemos haviam 4 rapazes escorados no carro ao lado o meu e como meu carro tinha película da mais escura, não enxergavam nada. Ela continuou, enquanto me chupava acariciava minhas bolas, babava e deixava escorrer e lambia tudo de novo. E fala que aquela situação de poder ser pega estava deixando ela cada vez mais encharcada. Quando estou prestes a gozar ela para e me pede para levá-la em um motel, e é claro que não pensei duas vezes.

Chegamos no motel, descemos do carro e já escorei ela de frente para a parece e beijava seu pescoço enquanto minhas mãos apertavam forte seus peitos, e ela já gemia gostoso no meu ouvido, nos direcionamos a escada para subir ao quarto e e ela com aquela suplex cinza atochada no rabo estava uma delícia. Começou a subir bem devagar rebolando e parou e me olhou com um olhar convidativo, alcancei ela na escada e ja baixei sua calça e ela se segurou no corrimão empinou a bunda e eu já cheguei metendo bem gostoso naquela buceta gostosa. Como ela era bem mais baixa que eu, no degrau de cima ela ficou na altura perfeita para eu meter nela sem ter que fazer contorcionismo. Meu tesão era tanto que tive que parar de meter ali para não gozar.

Entramos no quarto e logo liguei a banheira e enquanto a banheira enchia eu já tinha tirado a roupa e fui para a cama de encontro a ela. Ela tinha um perfume doce, mas não daqueles enjoados, bem suave, me lembro como se fosse hoje. O corpo todo dela cheirava aquele perfume. Eu estava com tanta sede dela que sem cerimônias fui direto chupando sua buceta, e ela já estava toda ensopada, com aquele gostinho gostoso. (Que saudade) Fiquei uns dez minutos chupando ela que até esqueci da banheira. Fomos para a banheira e começamos a conversando deixando o clima esfriar um pouco, pois recém tínhamos chegado. Após alguns minutos de conversa já estávamos a todo o vapor e ela sentou na borda da banheira com as pernas abertas e eu cheguei na portinha da buceta esfreguei meu pau e falei “Não vai me pedir caminha dessa vez?” e ela falou: “Aquele dia a caminha estourou e vazou tudo dentro de mim, dessa vez não quero desperdiçar e perder de sentir tua porra bem quentinha dentro de mim”. Ouvir ela falar desse jeito ja me deu vontade de sair gozando na hora mas segurei e fui enfiando o pau bem devagar. Que buceta gostosa ela tinha, e ainda a safada apertava meu pau cm os músculos, eu já estava ficando louco. Saímos da banheira, nos secamos e ela foi an frente e ja ficou de 4 na beirada da cama e pedindo “Mete esse pau gostoso na minha bucetinha” e eu ja cheguei bombando forte, ela adorava apanhar, batia com força na bunda dela enquanto ela gritava de prazer e pedia “Me chama de cadela seu gostoso”. (Cara que vontade de ligar pra ela agora mesmo kk) Mas dessa vez nao teve jeito, a vontade de gozar chegou e forte, e falei pra ela que ia gozar e ela falou que queria sentir porra bem no fundo da buceta dela e foi o que fiz, gozei gemendo alto e ela também. Cai desfalecido na cama enquanto ela respirava, porém já me avisou, “Não pensa que acabou, acha que é assim comer uma mulher de quase 40 anos, gozar e achar que tá tudo certo?” E depois disso começou a me chupar até meu pau voltar a ficar duro, demorou, pois o gozo foi muito intenso, mas ela foi paciente. Quando endureceu ela venho sentar em cima e cavalgava com gosto, falou que queria gozar assim, e ficamos alguns minutos com ela cavalgando e estava difícil fazê-la gozar. Depois de estar um pouco cansada ela me fala “Se me fizer gozar te dou um presentinho”. Aquilo me ascendeu de uma forma que liguei meu pau no 220V e parti pra agressão. Joguei ela na cama, deu um tapa forte na cara dela que ao invés de ficar surpresa ela fez aquele olhar safado que fez enquanto subia a escada, falei: “Quer gozar vadia? então vou fazer você se derreter no meu pau” comecei a chupar ela e comecei a introduzir os dedos nela, primeiro, depois dois, três até estar com 4 dedos dentro dela e quase a mão inteira enquanto a chupava. Ela já levantava o quadril quase que pulando da cama e quando vi que iria gozar enfiei meu pau dentro e bombei muito forte falando “Goza no meu pau putinha gostosa, mostra a cadela que você é” E ela gritando alto para o motel inteiro ouvir gozava e falaza, “Ai que gostoso esse pau, me come quem nem uma cadela que sou”.

Após ela acabar o gozo sai de dentro dela e ela deixou escorrer a porra na buceta e falava que gostava de sentir a porra sair da buceta e escorreu no cuzinho. Esse que já estava ficando preparado, pois quando falei “E meu presentinho?” Ela falou “Está se auto lubrificando com tua porra gostosa”, e com o dedo foi molhando o cú com a porra. Ergueu as pernas na posição de frango assado e pediu para meter devagar, fui colocando e aquele cuzinho era bem apertadinho, entrou devagar e ela falou “Coloca até no fundo e não tira muito, vai metendo mas com ele sempre dentro” E eá claro que ouvi a voz da experiência. Meti devagar e aos poucos aumentando a frequência das estocadas. Depois de alguns minutos ela já estava pedindo para meter mais forte. Quando percebi que ela já estava toda laceada, bombei forte e ela gemia alto enquanto jogava o quadril de encontro ao meu pau. Quando falei que iria gozar ela disse “Enche meu cú de porra também, quero ficar molhada de porra pelos dois lados.” E foi o que fiz, gozei muito gostoso naquele cuzinho maravilhoso dela.

Esse tipo de relação durou alguns meses entre idas e vindas, e ao longo dos dias vou contando como foram nossas outras transas.

Não esqueçam de me escrever.

Mulheres que quiserem me mandar fotos nuas podemos trocar, estou disponível também para conversar com casais sigilosamente e compartilhas histórias e fantasias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *