Meu marido viu meu chefe me pegar gostoso

Sou morena, 1,70, 62kg, olhos verdes e casada a 2 anos. É o meu segundo casamento, sendo que no anterior casei muito cedo e acabamos nos divorciando. Fiquei alguns anos solteira e casei novamente a 2 anos atrás.
Meu marido atual é moreno, 1,85, 85kg. Ele é muito liberal, e desde que nos conhecemos deixa claro que gosta quando me visto bem e deixo outros homens loucos.
Depois de sair e repetir com meu chefinho, … um baixinho (mais baixo que eu sem salto) e gordinho, ele ficou no meu pé. Tenho que ficar dando desculpas e fugindo das safadezas dele. Já deixei claro que sou casada e não quero mudar isto.
Bom… depois de um período de calmaria, tudo começou a mudar por causa do meu marido. Ele começou a insistir em querer ver eu transando com meu chefe. Não bastava eu contar todos os detalhes, ele tinha que ver. Eu concordei, mas ambos sabíamos que ele não poderia saber que meu marido estava vendo, pois as coisas mudariam muito e poderiam fugir do controle se ele soubesse que meu marido gostava de ver a esposa com outro.

Sexo Por Telefone

Avaliamos e pensamos durante alguns dias, decidimos que meu marido ficaria no nosso quarto, num espaço entre o guarda roupa e a parede, onde a cortina grande da janela alcançava. Ele poderia ficar naquele cantinho, com o canto da cortina o ajudando a se esconder. Por fim, um ambiente com pouca luz ajudaria, poderíamos deixar só um abajur do lado contrário aquele “esconderijo”.
Depois de tudo planejado, agora era a parte mais fácil, levar meu chefinho para me comer na nossa cama. Comecei a semana provocativa, aceitando as cantadinhas descaradas dele e usando roupas justas. Numa das cantadas no início da semana, deixei uma coisa no ar:
– Que curva hein morena? Disse o safado olhando para minha bunda, enquanto eu pegava um café, na cozinha do escritório.
Peguei o café na máquina, empinando bem meu bumbum, com uma calça social bem justa.

– Semana perfeita para dar uma voltinha pelas curvas. Pisquei e saí do café, enquanto ele deixava a máquina do café trabalhando e vinha atrás de mim para que eu terminasse de falar.
Fui para minha mesa, ele veio atrás. Olhou para o lado, viu meus colegas perto. Puxou um assunto do trabalho e pediu para me acompanhar até a sala dele, que é fechada. Saí andando com um sorrisinho no canto da boca. Ele não aguentava.
– Semana perfeita? Disse ele, assim que fechou a porta.
– Chefe, meu marido vai viajar na quinta de manhã e volta só na sexta. Tenho medo de ficar sozinha a noite.
– Hum…, teremos que cuidar disto Letícia. Deixa comigo que vou lá fazer um jantarzinho para você.
– Tudo bem. A sobremesa é comigo. Pisquei, abri a porta e saí.
A semana toda o safado ficou combinando comigo, que iria fazer uma massa, que levaria um ótimo vinho.

Tudo certo na quinta-feira, deixamos o quarto preparado e combinamos tudo. Meu marido ficaria em silêncio no quarto e eu ligaria no celular dele antes de subir, como se estivesse dando boa noite. Este seria o nosso sinal para ele deixar apenas o abajur ligado e se esconder no cantinho.
Coloquei um jeans branco bem colado, com uma calcinha bem pequena, uma blusinha amarela decotada, com um salto bem alto. Meu chefe me viu cedo e já me comeu com os olhos. Me chamou na sala dele. Entrei, ele fechou a porta, me encoxou contra a porta e me se esforçou para falar no meu ouvido que estava com os ingredientes no carro. Senti o pau dele muito duro debaixo da calça social, e um casaco grande que ajudava a esconder o volume.
– Estou louca para provar chefe. Disse, descendo minha mão pela barriga até segurar com a ponta dos dedos o “cabeção” gostoso do chefinho.

Abri a porta e saí antes que ele me atacasse dentro do escritório.
Saímos do escritório, meu marido já informado dos meus horários. Fui na frente com o carro do meu marido, e ele atrás no carro dele. Abri o portão, entramos com os dois carros. Ele pegou umas sacolas de mercado e subimos.
Entramos em casa, e literalmente fui atacada pelo chefinho. Ele veio, me agarrou, beijamos, e fiquei com um desejo enorme de começar ali mesmo, mas era muito cedo, fiquei com medo do meu marido ainda não estar preparado.
As sacolas ficaram no chão, ao lado da porta, ele me agarrando, passando a mão no meu bumbum, seios, no meio da sala. Tirou o casaco e jogou, levantou minha blusinha, beijou minha barriga e ajudei ele a tirar a roupa de cima de vez. Ele caiu de boca nos meu peitos, olhava para mim enquanto me chupava, eu segurava a cabeça dele e puxava contra meus peitos, de pé no meio da sala.

Não aguentei, tirei a camisa dele, enquanto ele tentava desabotoar minha calça. Abri o sinto dele enquanto ele abriu meu ziper. Desci a calça dele e ele colocou a mão por dentro da minha calça. O pau dele estava querendo sair da cueca. Deixei ele pelado, mas ele não conseguia descer minha calça que era muito apertada.
Levei ele puxando pelo pau até o sofá da sala. Fiz ele sentar e fiquei de joelho. Aquele pau torto e cabeçudo era meu denovo. Abocanhei com dificuldade o cabeção, chupei bem devagar, enchendo a boca com tudo que podia. Ele segurava meu cabelo e empurrava o pau na minha boquinha.
Sem tirar o pau da boca, de joelhos, comecei a baixar minha calça rebolando para conseguir, meu chefe começou a bater na minha bunda. Tirei toda minha roupa e meu chefe me colocou de quatro no sofá. O safado enfiou a cabeça no meu bumbum chupando minha xaninha que tava queimando.
Desta vez não teve camisinha. Ele veio e me penetrou por trás. Rebolei no pau dele, aproveitando aquele cabeção que rasgava minha xaninha. Olhava para trás e mandava ele meter. Gozei assim, vi que ele se controlava. Tirou o pau, sentou no sofá e pediu um tempo.

Fui para cima dele e cavalguei o pau dele enquanto ele chupava meus seios. Rebolei e gozei denovo. Ele perguntou onde deveria gozar.
– Goza no meu bumbum? Fiquei de quatro denovo e ele me pegou por trás até gozar melecando todo meu bumbum com um leitinho bem quente.
Pedi para ele usar o banheiro comum, enquanto subi a suíte. Passei a chave na porta. Meu marido ficou me olhando assustado. Estava peladinha, dei um beijo nele e mosrei minha bunda cheia de porra. Ele adorou, e eu avisei que mais tarde ele veria eu ser comida na cama dele.
Tomei um banho, me maqueei. Coloquei meu menor pijaminha, um calçaozinho azul bem justo e pequeno com uma blusinha curta de florzinhas, sem nada por baixo.

Depois de nos recompormos, o chefe fez a nossa janta, realmente uma bela refeição. A todo momento ele me bulinava e falava da sobremesa. Tomamos o vinho e disse para o chefinho:
– Agora eu quero que você me coma na caminha do corno. Mas primeiro deixa eu ligar para ele dizendo que está tudo bem.
Peguei meu celular e liguei para meu marido, que atendeu lá no quarto.
– Oi amor, tudo bem? To com saudades.

– Hoje tive um jantar especial. Fiz uma massa deliciosa. Pisquei para o chefe, que começava a passar a mão no meu bumbum, e eu já sentia o pau dele duro na minha coxa.
– Agora vou comer uma banana de sobremesa. Peguei no pau dele e mordi o lábio.
– Beijos amor. Até amanhã.
Saí andando rebolando, subindo as escadas e o safado atrás. Abri o quarto, tudo certo, fechei a porta e começou a agarração. Tomei cuidado a todo momento de deixar uma boa visão para o corninho. Deixei o chefe peladão, de pé na minha cama. Fiquei de joelho e agarrei o pau cabeçudo.
– Safado, vai me comer na cama do corno. Olha só que pauzão.
– Putinha safada. Gosta de levar um ferro nesta boquinha gulosa né?
Mamei aquele pau com gosto para meu maridinho ver. Olhava para o chefinho que empurrava o pau na minha boquinha.
= Quero que você coma minha bucetinha chefinho. Você come? Quero sentir este cabeção lá no fundo.
– Caralho, você é mesmo safada.
Me colocou deitada e me penetrou num papai e mamãe delicioso. Gemi bem alto para meu marido ouvir. Senti um tesão enorme e gozei.
Transamos de todas as formas, meu chefinho demorava a gozar. Pedi para ele:
– Quer comer meu rabinho? Fiquei de quatro e deixei ele me penetrar por trás novamente.
Doeu muito desta vez. Acho que ele tinha bebido um pouco e não foi mais tão paciente como da primeira vez. O cabeção rasgava meu cuzinho e eu gemia de dor. Pedi para ele parar, mas não funcionou. Ele metia no meu rabo e dava palmadas na minha bunda.
– Toma vadia. Você queria no rabinho. Toma que eu sei que você gosta.
– Safado, vou contar tudo pro meu marido.
– Puta, você quer contar para o corno que tá dando para o chefinho na cama dele?
– Vou contar que o pauzão do meu chefinho me arrombou todinha, até no rabinho.
– Vou gozar dentro do teu cuzinho.
Não deu tempo de eu dizer não, senti o pau dele pulsar forte e meu cuzinho esquentando. Deixei ele terminhar e fiquei paradinha, enquanto ele tremia nas pernas.
O pau dele saiu e muita porra desceu pelas minhas pernas.

Meu marido adorou a experiência. O difícil foi convencer meu chefe a ir embora, para meu marido poder sair do “esconderijo”, mas no fim tudo deu certo. Adoramos a experiência.

bjs.

Disk Sexo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *