Aventura caliente numa casa de swing

Sou casado há mais de dez anos e, já há algum tempo, mantenho um relacionamento muito legal com uma amiga que mora fora da minha cidade, também casada. Sempre que possível, damos um jeito de nos encontrarmos, pois ela costuma vir a minha cidade a trabalho. Também costumo dar um jeito de viajar até a cidade dela.
Quando estamos juntos, transamos muito. À distância, sempre gostamos de brincar enviando fotos, vídeos e tendo conversas picantes por telefone, Skype… Ela é uma mulher deliciosa que sabe seduzir e enlouquecer um homem.
É baixinha, tem seios que adoro – grandes e durinhos – e uma bunda deliciosa. Sua bucetinha é apertadinha. Na hora do sexo, adora metidas fortes. Com uma voz delicada e safadinha, gosta de gemer e sempre diz que quer mais. É difícil parar quando estamos juntos.

Sexo Por Telefone

Em nossas muitas conversas e transas, falamos de fantasias e desejos, e, numa dessas conversas, falamos sobre conhecer uma casa de swing. Era uma aventura que queríamos viver juntos. Depois de algumas conversas excitadas, não demorou muito e apareceu nossa oportunidade: ela viria a trabalho em minha cidade num final de semana e poderíamos ficar juntos. Eu, em casa, inventei também uma viagem a trabalho.
Então chegou a noite da nossa aventura. Era uma sexta-feira. Não tínhamos ideia do que aconteceria. Eu pesquisei na internet uma casa de swing, e a pegaria no hotel por volta de 22h.
Como sempre acontece quando nos encontramos, já estava muito excitado – de pau duro. Gostamos de brincar no carro enquanto dirijo. Naquele dia, ela usava um vestido soltinho marrom, não muito curto, mostrando as pernas e deixando aparecer o volume dos seios e da bunda. Calçava uma sandália de salto com unhas vermelhas (adoro pés com unhas vermelhas.)
Ela entrou no carro e eu fui logo dizendo que, como sempre, estava com muito tesão. E ela mostrou que também estava com tesão: levantou o vestido, puxou de lado uma calcinha preta deliciosa, e mostrou sua bucetinha. Dias atrás, pedi a ela para deixar alguns pelinhos, pois adoro chupá-la assim. Ela então me mostrou que tinha feito como pedi. Vi uma buceta peladinha dos lados, com um fio de pelos. Linda e deliciosa… Eu a acariciei e senti como estava molhadinha. Ela é uma mulher que na hora do sexo se molha muito…
Fomos então para a casa de swing levando aquele tesão. Enquanto dirigia, a excitação só aumentava. Volta e meia, ela acariciava a bucetinha e passava o dedo na minha boca. Abri a calça em um sinal vermelho, ela ficou acariciando meu pau e ainda deu uma chupada deliciosa. Só ela sabe pegar e chupar assim.
E seguimos para a casa de swing.
Chegamos lá com muito tesão e curiosos. Confesso que até me sentia um pouco ansioso, imaginando como seria esta experiência. Logo na entrada, pegamos umas pulseiras amarelas, pois eram indicadas para casais que queriam observar. As pulseiras verdes indicavam que o casal toparia qualquer coisa.
A casa de swing aonde fomos parecia, à entrada, uma casa de shows comum. Com três andares, era literalmente uma casa. No primeiro andar: bar, palco e mesas. Acontecia um show ao vivo. Quando chegamos, a casa ainda estava um tanto vazia, mas já havia alguns casais no bar. Ali, o que encontramos no primeiro andar foi uma casa de shows.
Nos outros dois andares havia diferentes ambientes. Subimos para conhecer. Tudo ainda meio vazio; não víamos nada além de poucas pessoas andando pelo lugar.
Havia corredores, espaço com tv lcd e exibição de filmes pornô, quartos com camas, alguns com divisórias e vidros por onde era possível observar outros casais. Ficamos por ali andando e bebendo alguma coisa. Não demorou muito, o movimento aumentou. Estávamos no andar de cima, e logo casais começaram a ocupar o espaço.
A primeira coisa que vimos foram dois casais tomando cerveja ao nosso lado que, de repente, estavam transando ali, em pé. As mulheres apenas levantaram o vestido. Eles metiam na nossa frente. Ficamos olhando, enquanto nos tocávamos: eu acariciava a bucetinha dela, sempre muito molhada, enquanto ela segurava meu pau.
A excitação era grande. Saímos dali e andamos pelo lugar. Entramos em um quarto onde havia um casal se pegando em uma cama. Sentamos e ficamos observando. Ainda vestidos, se beijavam. De repente, a mulher se levantou, fechou a porta do quarto, veio até nós e pegou minha amiga pela mão. Queria que ela a acompanhasse até o companheiro. Mas minha amiga ficou receosa. Ainda meio tímida, não aceitou o convite (até hoje me diz que sente arrependimento, pois queria ter trepado com o casal. Ela costuma comentar: “O homem metia gostoso.”)
Ficamos então olhando. Adoramos ver a cena. A mulher, loira, alta, pernas grossas, bunda e seios tamanho GG, chupou o pau do cara, depois, com ele deitado, sentou por cima e cavalgou. Ficamos olhando e nos tocando. Minha amiga às vezes me chupava deliciosamente enquanto olhávamos…
Nossos passeios e observações pela casa continuavam. Até aquele momento, a gente olhava, se beijava, se tocava… Chegamos a estar com outro casal em um quarto aberto. Eu acariciando uma mulher que me punhetava e minha amiga sendo tocada por outro. Era uma morena magrinha e peludinha com muito tesão. Mas desistimos dali. Era um quarto aberto e pessoas foram entrando e a coisa ficou meio confusa. Queríamos de outro jeito.
Depois de muito olhar, o tesão tinha tomado conta da gente. Então passamos por um lugar que era uma espécie de corredor com cabines abertas. Nessas cabines, havia casais. As pessoas passavam, olhavam e algumas participavam do que acontecia ali. Ficamos numa cabine. Um espaço pequeno, com uma espécie de bancada. Ela chupava meu pau, quando chegou um outro casal e um homem sozinho.
Ela se sentou nessa bancada e, de pernas abertas, acariciava meu pau. Ela exibia a calcinha preta deliciosa. Eu acariciava os seios dela pra fora do vestido. A mulher do casal, começou a acariciar a bucetinha dela por cima da calcinha. O homem que estava sozinho, ao meu lado, estava maluco. Minha amiga logo percebeu. Ela pegou no pau dele por cima da calça. Ele abriu a calça. Ela então ficou punhetando dois paus: o meu e o outro desconhecido.
Percebia que ela estava maluca de tesão. O cara ao meu lado ficava falando comigo que ela era muito gostosa, pra eu o deixar comê-la. Eu então perguntei a ela se queria dar para o desconhecido. Sem hesitar, muito excitada, ela disse que sim.
Ele botou logo uma camisinha, abriu bem as pernas dela, arredou a calcinha de lado e meteu forte, exatamente como ela gosta. Era uma cena deliciosa que nós dois não esquecemos. Ele metia, a mulher acariciava os seios dela, ela segurava meu pau e gemia alto. Não demorou muito e ela gozou feito louca.
Depois saímos dali, eu maluco de tesão. Ainda demos uma volta pela casa, voltamos ao bar para beber alguma coisa e ouvir música. Ela ainda me acariciava. Eu estava louco de tesão e queria aquela mulher deliciosa só pra mim. Queria terminar a noite fazendo ela gozar bem gostoso, fazer tudo como gostamos. Eu queria comer sozinho minha amiga que adoro.
Saímos de lá e seguimos para um motel. Escolhemos uma suíte com hidromassagem, pois adoramos transar na banheira. Chegamos ao quarto excitados, eu querendo beijá-la e chupá-la todinha.
Mas este conto já está longo e esta é outra história.
Estou de pau duro enquanto escrevo esta história e não vejo a hora de a encontrar novamente. Estou com muita saudade…
E temos conversado sobre novas aventuras que pretendemos realizar em breve. Uma delas é irmos a uma casa de massagens para casais. Já estamos programando. A outra é mantermos amizade com um casal para transarmos fazendo trocas. Afinal, eu já a vi metendo com outro, agora ela quer me ver metendo com outra. Falta conhecermos um casal…
Quem quiser comentar nosso conto ou se interessar por manter amizade conosco envie mensagem pelo e-mail [email protected] Com

Disk Sexo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *