A Casada Cachorra

A vida de casada com o tempo se torna meio chata, e rotineira, para mulheres então, fica cada vez mais difícil, pois mulheres como eu gostam de ser conquistadas todos os dias, e parece que meu marido acabou se esquecendo disso, esfriando assim o relacionamento e o sexo, algo que eu adoro, deixando assim brechas para procurar outros lugares.

Entrei um dia em uma sala de bate-papo afim de conversar conhecer pessoas, acabei encontrando o Rafael, um jovem maduro, conversamos bastante e trocamos contatos, com o tempo fomos nos conhecendo, fui percebendo o quão safado ele era, e isso ia me mudando também, pois desejos antigos agora vinham a tona, sentia um tesão incrível ao falar com ele, infelizmente moramos distantes um do outro impossibilitando um encontro.

Numa das nossas conversas revelei a ele meu fetiche de alguém me pegar a força, nunca tinha falado a ninguém, tive coragem pra falar com ele o que despertou ainda mais a minha vontade. Ficava fantasiando o Rafael fazendo isso comigo, ia a loucura me tocando. E foi assim que esse conto se inicia…

Estava fazendo um reforma em casa que já demorava uns meses a mais que o planejado, contratamos um pedreiro que trabalha sozinho, o que explica a demora, segundo o próprio ajudava a caprichar no serviço. Eu e meu marido trabalhávamos o dia todo e somente ia pra casa fim de tarde para ver o andamento do serviço, porém ganhei um dia de folga, iria ficar em casa e aproveitar pra olhar o andamento da obra.

Acordei naquela manhã de folga cheia de tesão, pra minha sorte o Rafael estava on e ficamos falando algumas besteirinhas, adoro ouvir ele narrar quão gostoso seria nossas transas, quando estava perto de ter um orgasmo, a campainha toca, me levantei as pressas não reparando que ainda estava com um vestidinho bem folgado que uso pra dormir. Ao abrir a porta percebi o olhar de surpresa do pedreiro ao me ver vestida assim pois ele sempre tinha me visto somente com trajes formais.

Ele se dirigiu ao a cozinha onde estava trabalhando e eu para o meu quarto, onde voltei a falar com o Rafael, que ao saber do pedreiro começou a fantasiar como seria bom se o pedreiro me pegasse de jeito pra compensar as falhas do maridão, de início achei estranho, mas após um tempo comecei a ficar excitada, nunca tinha reparado que apesar de pouco mais velho que eu o pedreiro tinha um lindo corpo, o Rafa teve de sair me deixando com tesão e com aquela fantasia do pedreiro me pegando de jeito na cabeça..

Tomei um banho e botei um um short bem curto, desses de correr, e uma blusa de alça que ressalta meu decote, fui na cozinha pra beber uma água e me deparo com o pedreiro sem camisa, mexendo no encanamento, ele me pede desculpa por estar sem camisa, falei pra ele ficar a vontade, sabia que não podia fazer nada com ele, mas estava com tesão, e decidi provocá-lo.

Comecei fingindo que estava interessada sobre o que ele tava fazendo aproveitando para me agachar, ou me inclinar sobre ele, fazendo que ele sempre tivesse uma bela visão ou dos meus seios ou da minha bunda, o tesão da situação me deixava cada vez mais molhada, fui ficando cada vez mais próximo do daquele corpo, enquanto eu ia imaginando o que Rafael tinha falado. Acho que ele percebia minha excitação pois a cada toque dele mordia de leve meus lábios.

Porém sabia que não podia passar disso e decidi voltar para o meu quarto e me tocar imaginando, quando estava no corredor indo para o meu quarto, sinto uma mão me puxando, quando olhei era o pedreiro, que foi me puxando em direção ao seu corpo falando “a patroinha cansou de me provocar? Agora vai receber o que merece”, fui me debatendo para sair de seu braços, mas ele foi logo arrancando minha blusa expondo meus seios, com uma de suas mãos grandes ele segurou meu braços para cima e começou a me mamar, continuava tentando me livrar, mas estava adorando a situação.

Puxou-me para meu quarto, me jogou em minha cama e ele foi logo tirando seu short fazendo pular aquele pau grande, que parecia estar completamente duro, me puxou pelo cabelo e foi logo botando ele pauzão em minha boca e mandando eu mamar, fiz como obedecido, me sentindo cada vez mais vadia e excitada, sem me avisar ele gozou espalhando todo aquele gozo no meu rosto, que depois escorreu por todo meu corpo.

Apesar de ter gozado aquele pauzão ainda continuava duro como pedra, ele me mandou deitar e tirar meu short, não fiz, então ele me me puxou e com uma de suas mãos começou a puxar o short, eu de pernas fechada resistia, foi quando ele rapidamente usou as duas mãos e foi rasgando meu short, me jogou na cama e começou a tentar abrir minhas pernas para penetrar em minha xota, que pingava de tesão, resistir, e ele ia tentando, aquela que não aguentei mais e abri as pernas, pra minha surpresa ele caiu de boca na minha xota, aquela boca grande dele agora me lambia com voracidade, me deixando maluca.

Quando menos percebi ele já subia pelo meu corpo, ficando num provocativo papai-mamãe, tentou me penetrar mas eu novamente resistir me movendo, para aquele pauzão não me invadir, ele me segurou pela cintura com força e quando tentei me livrar já sentia aquele colosso me penetrando, senti cada centímetro entrando, abrindo minha xota, a cada estocada dele eu gemia cada vez mais alto, ele ia falando putarias, que quase não ouvia de tanto prazer que sentia, ia me xingando de puta, cachorra, vadia.

Estava sentindo prazer como nunca tinha sentido, depois de um tempo ele tirou aquele pauzão de mim e me mandou ficar de 4, mas uma vez eu fiz de “difícil”, ele falou “gosta de uma pegada mais forte, ne vadia?”, ele mesmo me virou e puxado pela minha cintura fui ficando de quatro, dessa vez não fiz joguinhos queria sentir ele dentro de mim, e ele foi logo pondo aquele pau gostoso dentro de mim, podia sentir cada veia dele, a cada socada um gemido mais alto, ia segurando em minha cintura, puxando meu cabelo, me dando tapas na bunda, eu já delirava de tanto prazer que sentia, agarrava os lençóis com força, puxando eles, a cama já estava completamente desforrada.

Não aguentei de tesão e em um longo gemido e gozei, me tremendo todinha, enquanto o pedreiro continuava a meter com força, estava completamente esgotada e cai na cama, me virei e ele ainda estava ereto, começou a se masturbar me olhando e me chamando de vadia, até que deu uma gozada bem intensa, a ponto de voar gozo na minha barriga, nos meus seios… Estava completamente satisfeita… ele somente vestiu o short que estava e saiu andando, para continuar seu serviço, fiquei na cama descansando e pensando no que tinha feito, louca para contar ao Rafael, o que ele tinha me encorajado a fazer …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *